Linhares Jr.

Cidadania

Advogada usa redes sociais para tirar dúvidas sobre Reforma da Previdência

Iniciativa nasceu após constatação de que muitas pessoas ainda sofrem com falta de informação sobre nova previdência
Continuar lendo

Propaganda do governo do MA se confunde com campanha do PCdoB

Eleições 2020

Duarte Jr ataca Rubens Pereira Jr em entrevista

Deputado fez menção a entrada do secretário na política como “plano B de candidato ficha-suja”
Continuar lendo
Números que machucam

Flávio Dino promoveu rombo BILIONÁRIO nas contas do MA

Crítico da gestão Bolsonaro e sempre disposto a “dar aula” de gestão pública, comunista promoveu rombo de R$ 2 bilhões na previdência do estado em 2 anos
Continuar lendo
Democrata?

Flávio Dino quer impedir manifestações do dia 15 de março

O comunista ainda disse que atos populares representam “escalada autoritária”
UFMA

Em três meses de gestão, Natalino Salgado entrega novo campus da UFMA de Balsas

Na manhã desta sexta-feira (6), foi realizada a solenidade de abertura do ano letivo 2020.1 do Câmpus Balsas da Universidade Federal do Maranhão – UFMA. A cerimônia contou com as presenças do Vice Reitor Marcos Fábio, representando o Reitor Natalino Salgado, do Prefeito de Balsas Dr. Erik Augusto, de Vereadores da cidade, do Secretário de Educação municipal, Secretário de Infraestrutura Municipal, de representantes da SEDUC, da Polícia militar e civil, do Corpo de bombeiros e da Guarda municipal.

Continuar lendo

Esse crescimento do PIB

Se juros (nominais) representavam 10% do PIB e agora representam somente 4% , o PIB dos rentistas não caiu nesse período 6% do PIB?

É portanto óbvio que o crescimento do PIB deveria ser menor com Paulo Guedes do que o crescimento do PIB de Lula e Dilma, se uma parte da população está ganhando substancialmente menos, a metade.

Colocado de outra forma, em vez de calcular o PIB público de -1 versus o PIB Privado de +2,2% , como muitos da equipe Bolsonaro estão fazendo , deveriam calcular a enorme queda de 50% dos rentistas , muitos hoje em pânico.

Eu não tenho os dados para calcular o crescimento correspondente dos Não Renteiros mas o Ibge, ipea, bc, FGV tem.

Que publiquem então .

Se o PIB dos rentistas caiu em 50% , isso não significa que estão ganhando menos, e que a boa distribuição da renda no Brasil está aumentado?

Então economistas da oposição ao governo bolsonaro não deveriam estar aplaudindo esse PIB menor, por que mostra que capitalistas e rentistas estão ganhando menos?

O PIB ficou mais justo, e ninguém comentou.

Tenho uma outra discordância com a cultura econômica desse país que inclui juro nominal como renda de 4 a 5%, quando não é.

O que deveria ser considerado renda dos capitalistas e rentistas deveria ser o juro real, por isso nós administradores usamos o termo real, por que é o verdadeiro juro.

Não entendemos por que economistas incluem o juro irreal no PIB, mas é essa a cultura que reinará esse pais por muito mais tempo.

Rentistas sempre receberam muito menos do que esse juro nominal que incluem nos cálculos de “renda” distorcendo assim os indices de “má distribuição da renda”.

(Minha questão do Capital Giro é outra, a que nos permitiria crescer 6% ao ano)

Inacreditável

Pré-candidato do PCdoB defende vereador que agrediu eleitor em São Luís

Rubens Pereira Jr “se solidarizou” com vereador Marcelo Poeta após ele agredir eleitor revoltado com asfalto em véspera de eleição
Continuar lendo
Eleições 2020

Pré-candidatura de Adriano Sarney ganha força e repercute na mídia nacional

Adriano Sarney reitera disposição a disputar cargo de Prefeito de São Luís

Em um cenário político com vários nomes citados para disputar a Prefeitura de São Luís, um nome chama muita atenção pela sua trajetória política e, também pelo histórico da família. O deputado estadual Adriano Sarney, pré-candidato à Prefeito pelo Partido Verde (PV), está ganhando força a ponto de ser destaque na mídia nacional.

Veículos locais e nacionais detalham e repercutem a confirmação da pré-candidatura do deputado Adriano para administração da capital. A revista Veja por exemplo, declarou que o parlamentar é o único Sarney com cargo eletivo, um político com grande liderança e expressão. “Não tenho vergonha de dizer que sou do grupo Sarney, mas quero construir uma identidade própria. Muita gente tem preconceito, acha que todos são iguais e pensam igual”, afirmou o deputado a VEJA.

Vale lembrar que, durante o encontro estadual realizado no ano passado o deputado foi oficializado pela direção, filiados e militância do partido como pré-candidato a prefeito da capital e, também, considerado uma prioridade da legenda pelo presidente nacional do PV, Luiz Penna.

Em cinco anos de mandato, Adriano tem defendido bandeiras que nem sempre são lembradas pelos governantes. Enfrentou muitas batalhas, encarando inúmeros desafios e sendo pioneiro ao convidar a população para participar do seu mandato, decidindo onde aplicar as emendas parlamentares que cada Deputado tem direito por meio do projeto Emendas Participativas, garantindo interatividade, participação popular e ativa colaboração com a solução dos problemas enfrentados pela população.

Adriano tem grandes expectativas para os próximos meses, vem demonstrando muita disposição e promete surpreender na disputa eleitoral de São Luís em 2020. O intuito é debater a cidade, as vocações, as potencialidades, atrair investimentos visando a geração de emprego e renda para finalmente ter a independência do empreguismo da máquina pública.

“De peito aberto e cabeça erguida, contra todo o tipo de preconceito sobre nomes ou sobrenomes vão tentar me rotular, mas o destino e a coragem que Deus me deu não me impedirá de lutar por uma São Luís melhor para se viver.”

Artigo

BRASIL PRECISA DAS REFORMAS QUE NÃO QUER FAZER

Vamos combinar, desde logo, uma coisa simples, para não perder tempo com conversa difícil e sem recheio: o crescimento da economia do Brasil em 2019 foi uma droga. Deu 1% (fica bobo dizer que foi 1,1%) e com um número desses não adianta discutir, nem dizer “veja bem”. É ruim. Para um país que precisa crescer como o Brasil, é muito ruim. É verdade que o PIB da Itália não cresceu nem esse miserável 1% em 2019, e o da Alemanha menos ainda.

Mas o brasileiro não vive na Itália, nem na Alemanha, nem no resto do mundo desenvolvido que não cresceu. Vive aqui mesmo – e é aqui que a sua vida tem de melhorar, porque ela não pode ficar parada onde está. É o contrário do que acontece nos países ricos, onde ficar no mesmo lugar não é nenhuma vergonha. Ficar parado, no Brasil, só não é pior do que andar para trás.

Há muita pouca dúvida sobre o que o 1% de crescimento em 2019 ensina: é indispensável melhorar isso, mas não adianta nada sair correndo feito um louco por aí para querer provar, na base de conversa de mesa redonda em televisão, que a “política econômica” do governo está errada. Pior: que é preciso, para resolver a estagnação, fazer tudo ao contrário do que está sendo feito. É justamente o oposto. A única esperança está na possibilidade de continuar, acelerar e aprofundar ao máximo tudo aquilo que a política econômica está lutando para fazer.

O Brasil não cresce porque é um carro que está com o motor fundido há muitos anos. Ou entra na oficina, como entrou há um ano, e começa a ser consertado direito, com tempo, as ferramentas certas e mecânicos que sabem o que estão fazendo, ou vai continuar essa lástima que é – onde milhões de pessoas trabalham, dão na chave de partida todo santo dia e o carro não pega. Como se diz em economês e em mercadês, esse 1% já estava “contratado”: com o Brasil na situação que havia em janeiro de 2019, o resultado em dezembro não poderia mesmo ser outro.

Falam, agora, em “frustração”. Frustração para quem? Só se for para os economistas que no fim de 2018 previam crescimento de “2% ou 2,5%” para o ano passado – uma bela mixaria, aliás – erraram e agora vêm a público reclamar do “liberalismo”. O que o Brasil precisa não é de palpites. É das reformas profundas que resiste tanto em fazer. Enquanto elas não vierem e começarem a gerar efeitos, a economia continuará parada.

José Roberto Guzzo é do Conselho Editoral da Abril e colunista das revistas “Exame” e “Veja”.