CAI QUEM QUER

Após receber R$ 2 milhões do partido, Duarte Jr pede dinheiro a eleitores

Site do TSE mostra que candidato já recebeu mais de R$ 2 milhões e já está próximo de alcançar limite legal de gastos. Mesmo assim, Duarte pede dinheiro a maranhenses

No final da semana passada o candidato a deputado federal Duarte Jr (PSB) iniciou uma campanha de doação em benefício de sua campanha. Em sua defesa o candidato diz que tem uma campanha “enxuta feita pelas pessoas”. Ocorre que o candidato já recebeu R$ 2 milhões para gastar em sua campanha de seu partido, o PSB.

A informação sobre o montante de recursos enviados ao deputado pela direção estadual do PSB pode ser acessada aqui Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais (tse.jus.br).

No site pode ser identificado (até o dia 13 de setembro) um repasse de R$ 2.100.000,00 (dois milhões e cem mil reais) ao deputado pela Direção Estadual do seu partido. O montante equivale a 99.20% das receitas registradas pelo deputado até esta data. Os outros 0.80% equivale a R$ 17.000,00 (dezessete mil reais) empregados pelo próprio Duarte em sua campanha.

Apesar de afirmar que sua campanha é “humilde” na peça, Duarte Jr já tem quase 70% do total de gastos permitido pela Justiça Eleitoral. No caso dele, o valor é de R$ 3.176.572,53 (três milhões, cento e setenta e seis mil, quinhentos e setenta e dois reais e cinquenta e três centavos).

EMPODERAMENTO FEMINO DE MENTIRINHA

O PSB é um dos partidos da ala que defendem a igualdade entre homens e mulheres na política. Para os candidatos a deputado federal foram distribuídos, até a presente data, cerca de R$ 7.5 milhão. A diferença entre repasses feitos a mulheres e homens é arrasadora.

Três homens (Bira do Pindaré (R$ 2.5 milhão, Duarte Jr R$ 2.1 milhão, Clayton Noleto R$ 1 milhão) concentram quase 50% dos recursos. As três mulheres somadas chegam a míseros R$ 600 mil.

Ao todo o partido de Duarte Jr já distribuiu para os candidatos já ultrapassa R$ 7 milhões. Abaixo a lista dos candidatos e q quantidade de recursos (que podem ser oriundos da direção nacional, ou direção estadual do PSB)

Bira do Pindaré (Direção Nacional) R$ 2.5 milhões

Duarte Jr (Direção Estadual) R$ 2 milhões

Clayton Noleto (Direção Estadual) R$ 1 milhão

Higor (Direção Estadual) R$ 900 mil

Conceição Marques (Direção Nacional) R$ 200 mil

Dr Max (Direção Estadual) R$ 200 mil

Professora Iris (Direção Nacional) R$ 200 mil

Rosana Lima (Direção Nacional) R$ 200 mil

Aruilton (Direção Estadual) 100 mil

Saldanha de Rosário (Direção Estadual) R$ 100 mil

Silvio BemBem (Direção Estadual) R$ 99.990

ELEIÇÕES 2022

Candidatura a deputada federal de Mariana cresce entre bolsonaristas

Candidata já é uma das principais opções entre eleitores que pretendem eleger o primeiro parlamentar de direita da história do Maranhão.

A imperatrizense, ex-coordenadora nacional do ministério da cidadania, Mariana Carvalho, candidata à deputada Federal pelo PSC, tem ganhado força entre os eleitores do presidente Jair Bolsonaro no estado. Candidata com maior volume de campanha entre os bolsonaristas, Carvalho começa a despontar como uma das melhores opções.

Mariana está entre os candidatos bolsonaristas que mais divulgam e defendem o atual presidente para sua reeleição. O reconhecimento já começa a ser captado em pesquisas internas que confirmam a receptividade do eleitor.

“Somos autênticos. Nosso grupo é de direita sim, defendemos e apoiamos Roberto Rocha para o senado federal, Lahésio Bonfim para o governo do estado e o nosso presidente Bolsonaro para a reeleição. Tenho certeza que com a permissão de Deus e a ajuda dos maranhenses farei um grande trabalho no Congresso Nacional”, disse a candidata à deputada federal Mariana Carvalho.

Grupos da direita do estado integram a base de apoio à candidatura de Mariana em várias cidades. Como São Luís, Açailândia, Barra do Corda, Grajaú, Gonçalves Dias, Timon, Raposa, Apicum-Açu, Balsas, Presidente Dutra, Santa Inês, São Luís, entre tantas outras. O exemplo desse apoio foi visto em Barra do Corda, quando a candidata foi convidada de honra para participar do evento em apoio a Bolsonaro no 7 de setembro que reuniu uma multidão de apoiadores.

Além do apoio de bolsonaristas, Mariana também conta com o suporte de lideranças políticas em várias regiões do Maranhão, como os de Ivan Antunes, ex-prefeito de Cidelândia, município que Mariana lidera em todas as pesquisas. Tânia e Gardênia – vereadoras de Itinga. Larissa – vereadora de São Francisco do Brejão, Newton Talismã – liderança política de Governador Edison Lobão. Em João Lisboa ela conta com a Iris – presidente da PSC e o empresário Jairinho. Em buritirana o apoio vem através do ex-vice-prefeito Jerry Adelmo e do vereador Getúlio, o vereador de Ribamar Fiquene Evandro e ex-prefeito Zequinha Coelho de Estreito, também apoiam Mariana Carvalho.

Marina será entrevistada nesta quarta (14 de setembro) pelo jornalista José Linhares Jr no programa Na Real, que vai ao ar às 20h30 no Youtube.

ESCONDE O POVO

Após pedido de Lula, TSE proíbe Bolsonaro de usar imagens do 7 de setembro

Coligação encabeçada entrou com ação que foi atendida e proíbe uso de imagens da manifestação no 7 de setembro

O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi proibido de usar imagens do 7 de setembro em sua propaganda pela Justiça Eleitoral. A decisão atende a pedido coligação de Lula e foi tomada pelo ministro Benedito Gonçalves, do TSE.

Na decisão, o TSE determinou a exclusão de trechos do vídeo da transmissão do ato em Brasília de 7 de setembro pela TV Brasil. Enquanto o vídeo não for editado, ele deve ser retirado do ar em até 24h sob pena de multa diária de R$ 10 mil.

Além disso, “os candidatos Jair Messias Bolsonaro e Walter Souza Braga Neto devem, no prazo de 24 horas, cessar a veiculação de todo e qualquer material de propaganda eleitoral, em todos os meios, que utilizem imagens do Presidente da República capturadas durante os eventos oficiais de comemoração do Bicentenário da Independência, atos realizados em Brasília/DF e no Rio de Janeiro/RJ no dia 07/09/2022, sob pena de multa diária de R$ 10.000,00, devendo ainda se abster de produzir novos materiais que explorem as citadas imagens”.

DEMAIS

Diretoria do Twitter se manifesta contra censura de empresário pelo STF

Empresa enviou petição ao ministro Alexandre de Moraes em que caracteriza bloqueio das contas do empresário Luciano Hang como censura

O Twitter Brasil encaminhou documento oficial ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em que aponta censura no bloqueio de contas determinado por ele na operação contra empresários, que teriam defendido um golpe de estado em um grupo de WhatsApp. 

Na petição, o Twitter entende que “o bloqueio integral da conta @lucianohang assim como em relação a conta @lucianohang_hang, como demonstrado em outras oportunidades, poderia violar dispositivos constitucionais e a própria legislação infraconstitucional relativa a matéria”.

Segundo a plataforma, a medida pode ser caracterizada como “censura de conteúdo lícito existente nos milhares de twitters postado pelo usuário, e também de censura prévia de conteúdo futuro lícito, não necessariamente vinculado ao objeto do inquérito em curso”.

O empresário Luciano Hang teve suas contas do Facebook, Instagram, Tiktok, Twitter e Youtube bloqueadas após decisão do ministro Alexandre de Moraes no dia 23 agosto. Desde então, o empresário segue sem acesso as redes sociais. Moraes também pediu o bloqueio da conta do empresário José Khoury no Instagram.

Os advogados reforçaram na petição que “a liberdade de expressão não comporta controle prévio”. “O direito à privacidade e intimidade só pode ser violado quando há algum indício de prática de algum crime, e as mensagens obtidas no grupo não demostram qualquer tipo de ato antidemocrático”, explicou a defesa de Hang.

SILÊNCIO

Imprensa esconde prisão de vereador que mandou matar bolsonarista

Vereador lulista Jean Charles Alexandre foi preso acusado de ser o mandante da morte do bolsonarista Marcello Leite Fernandes. Polícia trabalha com tese de execução por razões políticas

A imprensa nacional evita noticiar a prisão do vereador lulista Jean Charles Alexandre nesta semana. Investigações da polícia confirmam que ele ordenou a morte de Marcello Leite Fernandes, em Ibotirama, na Bahia. O crime aconteceu em julho. Marcello usava uma camisa de Bolsonaro e estava em seu carro quando foi abordado por dois motociclistas que o executaram. Além da prisão do vereador, foram cumpridos ainda seis mandados de busca e apreensão.

Segundo a Polícia Civil, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) trabalha com diversas linhas de investigação, a principal delas, é a de que o crime foi motivado por política.

Foram apreendidos documentos que devem auxiliar a apuração sobre as circunstâncias do crime. “Gostaríamos de destacar a participação popular. Durante a apuração, pessoas noticiaram, de maneira informal, fatos que nos ajudaram”, destacou o delegado responsável pela ação.

O crime ocorreu no dia 21 de julho na rodovia BA-160, na cidade de Ibotirama. Dois homens em uma moto pararam ao lado do automóvel da vítima e um deles atirou contra Marcello. Imagens de câmeras de segurança registraram a execução.

ELEIÇÕES 2022

Juiz manda invadir e destruir material em comitê de Lahesio Bonfim

Tamanho das placas do comitê de Imperatriz justificou decisão que resultou em operação na manhã deste sábado. Candidato acredita em perseguição.

O comitê do candidato Lahesio Bonfim (PSC) em Imperatriz foi alvo de operação da Justiça Eleitoral na manhã deste sábado (10 de setembro). A ação, considerada arbitrária pela assessoria jurídica da campanha, invadiu o comitê e destruiu material de campanha do candidato. “Por conta de algumas placas fora do padrão, o juiz ordenou busca do material e destruição. Isso é totalmente afrontoso à legislação eleitoral. Isso é um ato claro de perseguição”, disse a assessoria.

O destacamento de policiais e agentes da Justiça Eleitoral chegou ao comitê, localizado na avenida Pedro Neiva de Santana, por volta das 10h da manhã. Segundo os trabalhadores que estavam no local, a abordagem foi agressiva. “Já chegaram pegando as coisas e preparando para serem cortadas e rasgadas”, disse um dos presentes.

Vídeos gravados mostram o momento em que vários materiais de campanha do candidato Lahesio Bonfim são destruídos com estiletes pelos agentes da Justiça Eleitoral.

“Não se tem notícia de uma ação em que o material de campanha é destruído”, disse a assessoria jurídica da campanha.

A ação truculenta teve como justificativa o tamanho do material usado por Bonfim. Segundo a coordenação da campanha, o comitê já havia sido notificada dias antes. As peças foram readequadas e a coordenação acreditou que o problema estava resolvido. Ocorre que o juiz eleitoral decidiu pela ida da polícia até o local e destruir o material poucas horas depois.

A medida não encontra amparo da legislação segundo a assessoria do candidato. “O material já havia sido readequado e colocado dentro do comitê. Mesmo que continuasse a acreditar em desvios, o juiz deveria representar o Tribunal Regional Eleitoral e aplicar de multa. A ordem de destruir o material foi abusiva”, disse a assessoria.

Em suas redes sociais, Lahesio lamentou a invasão do comitê e a destruição do material. “Destruíram nosso comitê, mas não vão destruir nossa esperança. Vamos continuar firmes na campanha”, disse.

A coordenação da campanha acredita que a volta aos trabalhos no comitê na segunda maior cidade do Maranhão leve dois dias.  

ELEIÇÕES 2022

Desvio de ônibus escolares por Brandão e Lula na campanha é investigado

Suspeitas de que ônibus públicos tenham sido usados para benefício político motivou denúncia

O uso de ônibus escolares por Carlos Brandão (PSB) nas eleições deste ano é alvo de investigação da Procuradoria Eleitoral. Os promotores apuram se o uso dos veículos estaduais e municipais na convenção do candidato promovida pelo governador foi ilegal. O caso está sob o comando do procurador eleitoral auxiliar, José Leite.

A denúncia foi apresentada ao Ministério Público Eleitoral (MPE) pela coligação “Junto pelo Trabalho”, na qual relatou que os bens públicos foram usados para alavancar a candidatura do governador Carlos Brandão e do ex-gestor Flávio Dino, que disputa uma vaga para o Senado Federal.

No dia 30 de julho o evento político da coligação governista, realizado no Parque João Paulo II, Itaqui Bacanga, contou com caravanas vindas do interior do Estado, e de diversos pontos da capital, que foram transportadas em dezenas de ônibus a serviço de escolas públicas estaduais e municipais, custeados com verba pública.

Para José Leite, o caso pode configurar a conduta vedada prevista no artigo 73, inciso I, da Lei das Eleições, que versa que “são proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais: I – ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios, ressalvada a realização de convenção partidária”.

Diante dos fatos, o procurador instaurou um Procedimento Preparatório Eleitoral para apurar a suposta utilização de veículos públicos ara o transporte de pessoas para a Convenção do PT, PC do B e PSB, em São Luís, em prol das candidaturas de Carlos Brandão e Flávio Dino.

José Leite também solicitou à Assessoria de Pesquisa e Análise da Procuradoria da República no Maranhão informe, em 48 horas, os dados cadastrais de todos os veículos mencionados na denúncia.

Interior do Maranhão adere em peso a atos pró-Bolsonaro

Assista a vídeos de dezenas de cidades do interior maranhense que colocam o 7 de setembro de 2022 como o maior ato político da história do estado.

Vídeos mostram que, pelo menos, 50 cidades maranhenses integraram em comemoração ao 7 de setembro e em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Assim como no resto do país, não foram registrados incidentes de violência ou perturbação.

As maiores manifestações acontecerem em: Arame, Bacabal, Balsas, Barra do Corda, Barreirinhas, Bom Jardim, Caxias, Chapadinha, Codó, Formosa da Serra Negra, Governador Luiz Rocha, Igarapé Grande, Imperatriz, Lago da Pedra, Maracaçumé, Mirador, Mirinzal, Pedreiras, Pinheiro, Pio XII, Porto Franco, Santa Inês, Santo Antônio dos Lopes, São Domingos do Maranhão, São Luís, São Mateus, Timbiras, Turiaçu, Tutoia, Viana e Vitorino Freire.

Na maioria das cidades os atos foram realizados por meio de carreatas, caso de São Luís. Na capital maranhense o comboio registrou mais de 15 quilômetros de extensão. Em Barra do Corda, por exemplo, além da carretara os manifestantes fizeram a opção por uma caminhada.

A variedade de músicas de apoio ao presidente Jair Bolsonaro evidenciou a falta de um comando central nas manifestações. O caráter espontâneo foi destaque em todos os movimentos que enalteciam a falta de financiamento da classe política e do “aluguel da presença”.

Veja alguns vídeos abaixo. Todos os vídeos podem ser acessados AQUI:

Continuar lendo
DEMOCRACIA DE VERDADE

Milhares devem aderir às manifestações do 7 de setembro em São Luís

Organizadores esperam aumentar número de participantes em relação a 2021, quando, de forma espontânea e sem o suporte de políticos, mais de 30 mil pessoas saíram em comboio pela capital maranhense

O ato do 7 de setembro em 2021 em São Luís surpreendeu e entrou para a história como a maior manifestação popular da história do estado. Organizadores do evento acreditam que, agora em 2022, os atos devem ser ainda maiores e reunir mais de 40 mil pessoas.

Com concentração marcada para as 8h da manhã na Avenida Daniel de La Touche, na Cohama, o terá como ponto de partida a loja da Havan. O esperado é que os participantes saiam em comboio por volta das 9h da manhã.

A motocarreata deve seguir pela avenida Daniel de La Touche, Avenida Litorânea, Avenida dos Holandeses, Avenida Marechal Castelo Branco, Ponte do São Francisco e Praça Maria Aragão.

Em 2021, o comboio se alastrou por cerca de 6 quilômetros, chegando até o Ipase. Quando os primeiros manifestantes chegaram na Praça Maria Aragão, ainda eram registradas saídas da Havan.

A motocarreata de 2021 foi considerada a maior manifestação popular espontânea da história da capital. Sem ônibus alugados, ajuda de custo ou distribuição de combustível, os manifestantes conseguiram juntar mais de 30 mil pessoas no ato.

A expectativa, neste ano, é de superar o número.

ATÉ ELE

Felipe Neto condena uso de fake news contra Bolsonaro

Até o influenciador, conhecido por seu radicalismo, não aprovou a tática de espalhar notícias falsas deliberadamente sobre piso da enfermanem

O influenciador Felipe Neto criticou a postura do deputado federal André Janones (Avante) após o parlamentar pregar o uso de notícias falsas contra o presidente Jair Bolsonaro (PL). Os dois entraram em uma discussão nas redes sociais após Janones ter pedido a seus seguidores que compartilhassem informações falsas sobre o piso da enfermagem. Felipe Neto afirmou que “não existe ‘fakenews do bem'” e que todo conteúdo desinformativo deve ser combatido.

Em resposta, Janones argumenta que influenciador continue, então, “combatendo o fascismo com flores” e, se enveredar por esse caminho, avalia que vai acabar seguindo por um caminho em que estará “no porão de uma ditadura”. Ao passo que Neto rebate remetendo às ameaças e aos ataques que sofreu de apoiadores bolsonaristas nos últimos anos, alegando que não passou por tudo isso para que o parlamentar fosse ensiná-lo sobre o que é o fascismo.

FUNDO DO POÇO

Jornalista usa mãe morta e ex-esposas para atacar Bolsonaro em entrevista

Jornalista citou patrimônio da mãe (que morreu aos 94 anos em janeiro) para lançar suspeitas contra Bolsonaro. Vida financeira das ex-esposas (ambas já casadas com outros companheiros) também foi citada.

A jornalista Amanda Klein acusou de corrupção a mãe falecida do presidente Jair Bolsonaro durante sabatina realizada na Jovem Pan n manhã desta terça (06 de setembro). Além de Olinda Bonturi Bolsonaro, Klein ainda acusou duas ex-esposas do presidente de integrar um esquema de corrupção. Em sua defesa, Bolsonaro pediu respeito pela memória de sua mãe e afirmou que as duas ex-esposas já estão casadas e que não possui relação com elas.

As acusações contra o presidente são baseadas em uma reportagem que catalogou todas as compras de imóveis, por qualquer pessoa com o sobrenome Bolsonaro, realizadas em todo o Brasil nos últimos 32 anos.

O levantamento identificou dezenas de pessoas e 107 patrimônios que variam entre compra, venda e/ou herança. Todas as movimentações de todos os parentes do presidente são retratadas como oriundos de um esquema de corrupção que envolve a mãe morta de Jair Bolsonaro e ex-esposas.

Klein também aderiu à narrativa que tenta transformar “moeda corrente” em dinheiro vivo, já desmentida amplamente por vários profissionais da área de cartórios do Brasil após a publicação da matéria do Uol que fundamentou as acusações da jornalista da Jovem Pan.

Em um momento de revolta, Bolsonaro pediu à jornalista que deixasse sua mãe de fora da entrevista e que dirigisse seus ataques diretamente a ele. O clima de constrangimento entre os demais jornalistas, após os ataques contra a mãe falecida do presidente, era visível entre os demais jornalistas.

ELEIÇÕES 2022

Campanha de Lahesio Bonfim cresce na região norte do Maranhão

Principal adversário de Flávio Dino e Brandão, Bonfim intensifica campanha em regiões onde ainda é pouco conhecido

O candidato ao governo do Maranhão, Lahesio Bonfim (PSC), foi recebido com festa na região norte do Maranhão. No domingo (05), o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes caminhou pelas ruas dos municípios de Miranda do Norte, Santa Rita, Bacabeira e Rosário, ao lado do candidato a vice – governador, Dr. Gutemberg, dos candidatos a deputado estadual, Wellington do Curso e Junior Vieira, e candidata a deputada Federal, Sirlan Souza, lideranças locais e populares das regiões.

O candidato do PSC participou pela manhã de carreatas nos municípios de Miranda do Norte e Santa Rita. Lahesio Bonfim visitou as casas dos moradores das regiões e foi surpreendido por uma multidão que o abordou para conversar e tirar fotos.

“Fico muito feliz quando converso com cada morador, quando vejo nos olhos do nosso povo a esperança, a força. Isso me dá força para continuar. A gente vai fazer uma verdadeira mudança neste estado. Porque o nosso povo não pode mais esperar”, disse Lahesio Bonfim.

A cidade de Bacabeira recebeu o ex- prefeito de São Pedro dos Crentes no período da tarde. Lahesio participou de uma caminhada que teve início na Praça Central, às 15h00, em frente ao Viaduto, na BR 135.

A carreata da esperança em Rosário marcou a passagem de Lahesio Bonfim pela região norte do Maranhão. Na oportunidade, o candidato da coligação “Coragem para Mudar o Maranhão”
reforçou que pretende atuar de forma inovadora no governo do estado.

“Gestão: essa é a resposta para o nosso estado. Temos a coragem e a experiência para dirigir o Maranhão para novos caminhos. Vamos transformar a economia, a saúde, o turismo. O Maranhão não pode ser o estado mais pobre do Brasil”, explicou.

ACABOU A VERGONHA

Aliado de Lula abre o jogo e defende uso de fake news contra Bolsonaro

Deputado André Janones afirmou que presidente usou STF para barrar aplicação do piso da enfermagem no Twitter. Logo após a publicação, conclamou militância para espalhar mentira contra Bolsonaro.

Nesta segunda-feira (5), o deputado federal André Janones (Avante-MG) usou o Twitter para disseminar a informação falsa de que o partido do presidente Bolsonaro estaria por trás da suspensão da lei do piso salarial dos enfermeiros. Admitindo não ter certeza da informação, o deputado chegou a pedir para que os seguidores viralizassem a fake news.

“Mamadeira de piroca se combate com outra mamadeira de piroca! Printem isso e viralizem pelo zap! Vou fazer live também. Façam chegar em TODO o Brasil! Olho por olho, dente por dente!”, disse o parlamentar ao defender o uso da mentira contra Bolsonaro.

A lei do piso salarial, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro no início de agosto, foi suspensa pelo ministro do STF, Luis Roberto Barroso, no último domingo, a pedido da Confederação Nacional da Saúde (CNSaúde) e de outras entidades que alegam inconstitucionalidade da lei.

“Quem julga é o Xandão!”

Mês passado, Janones acusou o empresário catarinense, Luciano Hang, de matar a própria mãe. Em seguida, debochou de um possível processo, pois quem o julgaria seria o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes. 

“Luciano, pode vir com o processinho mas lembra que eu tenho foro privilegiado, tá? Quem julga é o Xandão!”, escreveu o parlamentar, no Twitter.

Dias antes de o ministro Alexandre de Moraes ordenar busca e apreensão contra empresários por supostas conversas “antidemocráticas” em um grupo fechado de WhatsApp, o deputado Janones insinuou ter conhecimento prévio de uma medida judicial que seria tomada contra Hang. 

Rachadinha

Mês passado, Fabrício Ferreira, ex-assessor de Janones, acusou o parlamentar de forçar seus assessores a darem parte de seus salários, prática chamada de “rachadinha”.

O ex-assessor afirmou em entrevista para a Jovem Pan: “Um dos assessores que estavam falando comigo citou que ganhava em torno de 9 mil e era obrigado a passar 60% do salário para o deputado”.

Voto impresso

O nome de Janones ficou nacionalmente conhecido através das redes sociais, em 2018, quando atuou temporariamente como porta-voz dos caminhoneiros durante uma greve da categoria.

Após revelados os interesses políticos do então advogado, os caminhoneiros dispensaram o apoio de Janones.

Apesar da grande repercussão da greve dos caminhoneiros, foi durante a votação da PEC do voto impresso, em agosto de 2021, que o deputado ganhou fama.

Na ocasião, o ex-petista fez questão de imprimir o comprovante da votação para provar que votou contra o voto impresso.  

“Minha assessoria de plenário me presenteou com o meu voto impresso. Não dá nem tempo de se alegrar, vamos agora pra barrar o distritão”, disse Janones no Twitter. 

“Semana que vem ele vai organizar uma carreata para protestar contra a poluição causada pelos automóveis”, comentou um perfil no Twitter.

O GOSTO AMARGO DA TRAIÇÃO

Casa do ex-ministro Sergio Moro é alvo de busca e apreensão

Por mais estapafúrdia que pareça, residência do ex-ministro foi invadida e ele teve seus vídeos no Youtube deletados após PT reclamar do tamanho das letras de seu material político.

A residência do ex-ministro Sérgio Moro foi alvo de busca e apreensão pela Justiça Eleitoral cumpriu na manhã deste sábado (3 de setembro). Os mandatos exigiam a busca e apreensão de materiais de campanha na casa de Moro.

Por mais estapafúrdia que pareça, a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná tomou como base ação do PT de que diversos materiais impressos da campanha de Moro estão colocando o nome dos suplentes em tamanho irregular. Isso mesmo: a casa de Sérgio Moro foi invadida e vasculhada por agentes da Justiça Eleitoral por causa do tamanho da letra que ele usa em sua campanha.  

O advogado que representa o PT, Luiz Eduardo Peccinin, afirmou também à Justiça que as redes sociais de Moro têm publicado propaganda irregular. O petista cita o artigo 36 da lei eleitoral que diz que na propaganda dos candidatos a cargo majoritário “deverão constar, também, os nomes dos candidatos a vice ou a suplentes de senador, de modo claro e legível, em tamanho não inferior a 30% (trinta por cento) do nome do titular.”

“Em breve observação olho nu, já se nota que Moro, ao que parece, tenta esconder o nome de seus suplentes, Luis Felipe Cunha e Ricardo Guerra, expondo em sua marca de campanha o nome de seus companheiros de chapa em tamanho muito inferior àquele exigido pela legislação eleitoral, longe de dar ao eleitor essa informação ‘de modo claro e legível’, como exige norma”, argumenta Peccinin no processo.

A Justiça determinou também a exclusão de todos os vídeos do canal de Sérgio Moro do YouTube, inclusive aqueles com críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de dezenas de links nas páginas sociais de sua campanha.

Procurada, a assessoria de Moro disse que “a busca e apreensão se refere tão somente à, supostamente, os nomes dos suplentes não terem o tamanho de 30% do nome do titular”. “Todavia, isso não corresponde com a verdade. Os nomes estão de acordo com as regras exigidas, sendo assim, a equipe jurídica pedirá a reconsideração da decisão”, diz em nota.

O apartamento de Sergio Moro foi o local da busca e apreensão porque o endereço foi indicado no registro da campanha dele ao Senado. “No local, nada foi apreendido”, afirma a assessoria de Moro.

R$ 90 bilhões devolvidos

Guedes anuncia a “despedalada final” de erros fiscais na era petista

BNDES deve devolver R$ 90 bilhões que haviam tirados dos cofres públicos e emprestados para empresas entre 2008 e 2014

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que o Governo Federal deve receber de volta R$ 90 bilhões que “emprestados” ao BNDES nos mandatos de Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (ambos do PT). Os recursos haviam sido usados para empréstimos a empresas que tinham entre seus donos Marcelo Odebrecht, Eike Batista e Joesley Batista. Era a chamada “política dos campeões nacionais”.

A ação dos governos petistas consistia em injeções bilionárias de empréstimos do BNDES para empresas amigas dos governos petistas entre 2008 e 2014. O volume de recursos elevava o patamar das empresas e criava a impressão de que o Brasil passava por crescimento. Foi estabelecido um cronograma de devolução, mas o banco de fomento vinha “pedalando” a restituição dos valores aos cofres do Tesouro Nacional.

A devolução destes recursos aos cofres públicos está sendo tratada como “a despedalada final” por Guedes. A negociação para a devolução dos recursos, que haviam sido injetados pelo Tesouro Nacional no banco estatal, foi intermediada pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Com a devolução prevista, o Ministério da Economia prevê abater 1 ponto porcentual da dívida pública neste ano, fazendo com que ela feche 2022 ao redor de 77,6% do PIB. O valor corresponde ao patamar de endividamento encontrado pela atual equipe econômica quando assumiu a pasta, em janeiro de 2019.

Além da questão econômica, o equacionamento dessa dívida tem também um valor político, uma vez que a crítica à gestão no BNDES na época dos campeões nacionais é parte do discurso de Jair Bolsonaro contra o PT.

A administração do banco estatal resistia em fazer os pagamentos com o argumento de que, juridicamente, não poderia causar prejuízo à instituição, nem reduzir os parâmetros de segurança bancária de Basiléia, um acordo internacional que visa garantir solidez ao sistema financeiro. Por isso, Guedes recorreu à intermediação do TCU.