Linhares Jr.

Retratação

Eduardo Bolsonaro se retrata e nega volta do AI-5

“Eu peço desculpa a quem porventura tenha entendido que eu estou estudando o retorno do AI-5 ou achou que o governo estuda qualquer maneira nesse sentido”, disse Eduardo.
Continuar lendo
Troça

Bolsonaro desdenha de declaração do filho sobre AI-5

Jair Bolsonaro reagiu com ironia as declarações do filho
Continuar lendo

Bravatear a proposta de um novo AI-5, e tentar converter esse símbolo em algo positivo, é, no mínimo, coisa de idiota. O…

Posted by Flavio Gordon on Thursday, October 31, 2019
Reação popular

Após rusgas com Bolsonaro, Witzel é vaiado no RJ

Jair Bolsonaro e Wilson Witzel em rota de colisão
Continuar lendo
Atuação

Adriano volta a cobrar melhorias para o Mercado da Cidade Operária

Estado calamitoso da feira da Cidade Operária foi tema de pronunciamento na Assembleia Legislativa
Continuar lendo
Verdade inconveniente

Complô desmascarado

PGR diz que envolvimento de Bolsonaro no caso Marielle é factoide

Augusto Aras ainda afirmou que gravações enviadas ao STF não fazem menção ao presidente Jair Bolsonaro e que processo foi arquivado
Continuar lendo
Fake News

Registros comprovam que porteiro não ligou para casa de Jair Bolsonaro

Arquivos contradizem reportagem da Globo e reforçam tese de armação contra presidente
Continuar lendo
E agora?

Mandante da morte de Marielle fez campanha para Dilma com Eduardo Cunha

Eduardo Brazão é o principal suspeito da morte da vereadora Marielle Franco

O Antagonista divulgou foto do mandante do assassinato de Marielle Franco, segundo o Ministério Público Federal. Na peça Eduardo Brazão aparece fazendo campanha para Dilma Rousseff.

Ao lado dele, o ex-presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha.

A foto revela que as ligações políticas dos acusados de assassinar a vereadora Marielle Franco se estendem, inclusive, aos que cobram justiça no caso.

Conspiração

Tentativa de envolver Bolsonaro no caso Marielle é cheia de incoerências

Jair Bolsonaro sob ataques na mídia e na política

Jair Bolsonaro, respondeu, na noite desta terça (29), à reportagem da Rede Globo que envolveu o presidente no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista dela, Anderson Gomes, ocorrido em março de 2018.

O caso caiu como uma bomba na política nacional, mesmo trazendo uma série de incoerências.

A primeira delas foi: Jair Bolsonaro não estava no Rio de Janeiro no dia da visita do acusado de assassinar a vereadora ao condomínio. Por duas vezes o porteiro diz, em seu depoimento, falar com Jair Bolsonaro. DUAS VEZES.

Segundo: Segundo o Jornal Nacional Dias Toffoli recebeu membros do Ministério Público do Rio de Janeiro, que foram consultá-lo sobre o envolvimento de Jair Bolsonaro no caso de Marielle Franco. A Segunda Turma do STF pretende anular o processo de Lula na Lava Jato justamente por Sergio Moro ter mantido conversas com procuradores da operação.

Terceiro: causa estranheza que a reportagem da Rede Globo seja divulgada poucos dias após Jair Bolsonaro tocar no assunto concessão da emissora. Em 2022 a Rede Globo irá ter que ter o seu direito de transmissão avaliado pelo governo de Jair Bolsonaro.

Quarto: a veiculação da reportagem se deu um um momento muito propício para causar instabilidade política. Na ausência do presidente e às vésperas de seu retorno ao Brasil. Ao retornar ao país, o presidente será envolto em fogo cruzado. A Globo só não contava com a reação imediata de Jair Bolsonaro nas redes sociais.

O presidente Bolsonaro reagiu:

“Vocês, TV Globo, o tempo inteiro infernizam a minha vida, porra! […] Agora, Marielle Franco, querem empurrar pra cima de mim? Patifes, canalhas, não vai colar! Não devo nada a ninguém.”

Jair Bolsonaro acusou a Rede Globo de conspirar contra o país com por não gozar mais de privilégios junto ao Governo Federal.

“Vocês querem arrebentar com o Brasil. Estava muito bem com governos anteriores, mamavam bilhões de estatais. Acabou a teta, não tem dinheiro mais público para vocês.”

Absurdo

Rede quer responsabilizar Ministro Ricardo Salles por óleo no Nordeste

A Rede entrou com uma representação contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na Procuradoria-Geral da República (PGR) por conta do óleo que atinge as praias do Nordeste. A representação pede a “instauração de inquéritos para apuração de responsabilidade cível e criminal” de Salles nesse desastre ambiental, por entender que o ministro foi omisso no trabalho de contenção do óleo e pode ser responsabilizado pelos danos causados por essa omissão.

Continuar lendo
FAKE NEWS