Desacordo

Prefeitura de São Luís dá calote em grupos culturais

Auxílio emergencial prometido não está sendo repassado aos grupos

O vereador Jhonatan Soares (PT) cobrou o prefeito Eduardo Braide (Podemos) sobre o atraso do pagamento do auxílio emergencial de cultura aos grupos culturais do município. O vereador exibiu nota assinada por vários grupos culturais de São João da capital durante sessão da Câmara Municipal. O documento cobra da gestão municipal esclarecimentos a respeito do atraso no pagamento do auxílio.

No discurso, Jhonatan Soares expressou indignação ao destacar que o pagamento ainda não foi realizado, 31 dias após a data divulgada para o depósito dos valores. O parlamentar também apontou que, para aprovação da mensagem do prefeito Eduardo Braide relativa à concessão do auxílio, a Câmara de São Luís abriu mão de alguns protocolos para dar celeridade ao processo, visto que o auxílio tinha um caráter emergencial.

“Esse atraso é a prova que a Secretaria de Cultura não tem dialogado com a população que faz cultura na nossa cidade. Se a Câmara abriu mão de burocracias para dar celeridade ao pagamento do auxílio, por que a Secretaria de Cultura não pode fazer o mesmo?”, perguntou.

Insegurança

Enquanto Flávio Dino faz politicagem, bandidagem faz a festa no MA

Quinze dias após primeiro arrastão da história nas praias de São Luís, assalto a banco aterroriza população em Vitória do Mearim. Enquanto Flávio ataca Jair Bolsonaro e esquece segurança no estado, governo federal repassou R$ 69 milhões para segurança pública no Maranhão.

Poucas semanas após o primeiro arrastão em uma praia da orla de São Luís na história, bandidos assassinaram três pessoas durante uma tentativa de assalto em Vitória do Mearim. A ação resultou na morte dos dois seguranças de uma agência bancária e em ferimentos graves de uma garota que passava no local.

No último domingo (15) a praia do Calhau registrou o primeiro arrastão na orla marítima da cidade. A avenida Litorânea, que já foi considerado um dos lugares mais pacíficos da cidade, a cada dia que passa mergulha mais na insegurança.

Menos de 15 dias após o incidente na Litorânea, uma tentativa de assalto de proporções trágicas atingiu a população de Vitória do Mearim. Dois seguranças foram baleados e mortos durante a ação de criminosos. Uma jovem que passava no local recebeu um tiro na cabeça e segue lutando pela vida em um hospital da capital.

Os fatos revelam que, enquanto o governador faz oposição irresponsável ao presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais, a criminalidade toma conta do estado e a população sofre com o clima de insegurança crescente no estado.

O desastre na política de segurança pública no estado pode ser evidenciado pelos números. No ano passado Maranhão tem aumento de 30,9% no número de mortes violentas em 2020. Ao longo dos anos uma série de outras ações também demonstram que Flávio Dino fracassou em promover a segurança pública no estado.

Logo no primeiro ano de governo (2015), a Secretaria de Segurança foi humilhada por um comboio de bandidos que saiu do interior do Maranhão, invadiu Pedrinhas e libertou vários líderes de facções.

Em 2017 a estudante Karina Brito Ferreira assassinada “por engano” em Balsas durante uma operação policial. Karina e a irmã, Kamila Brito Ferreira, foram confundidas com assaltantes.

Em 2018 a politização da polícia atingiu seu auge. Um ofício exigindo que adversários políticos do governo fossem espionados pela Polícia Militar vazou. Apesar das provas matérias do caso, ninguém foi responsabilizado ou penalizado pela situação.

Em 2019 bandidos chegaram ao cúmulo de explodir um caixa eletrônico localizado a poucos metros do Comando Geral da Polícia Militar em São Luís.

O avanço da criminalidade tomou conta do interior do estado. Hoje são poucas as cidades do interior do estado que não vivem sob o comando de facções criminosas. Com Flávio Dino o Maranhão viu surgir um fenômeno que antes chegava ao conhecimento dos maranhenses apenas pela televisão: áreas em que a polícia não entra.

APOIO E INGRATIDÃO

Apesar das críticas em relação ao governo federal e ao presidente Jair Bolsonaro, a gestão de Flávio Dino recebeu pesados investimentos na área de segurança pública. Em 2019, primeiro ano de Bolsonaro, foram destinados R$ 22.045.217 (vinte e dois milhões, quarenta e cinco mil e duzentos e dezessete reais). Em 2020 o governo Flávio Dino recebeu R$ 19.210.044 (dezenove milhões, duzentos e dez mil e quarenta e quatro reais). Em 2021, ano em que a pandemia mais massacrou os cofres públicos, os recursos aumentaram mais de 25% e subiram para R$ 27.873.262 (vinte e sete milhões, oitocentos e setenta e três reais e duzentos e sessenta e dois reais).

No total, Flávio Dino recebeu, apenas em três anos, R$ 69.128.523 (sessenta e nove milhões, cento e vinte e oito mil e quinhentos e vinte e três reais) para a segurança pública.

Recursos que poderiam muito bem ser investidos na diminuição da violência e combate da criminalidade. mas, que se perdem em meio a um governo corrupto e incompetente.

SEI_MJ-15286946-Informação-MA

Progresso

Simplício Araújo faz vistoria em área que irá abrigar novo porto em São Luís

Na manhã desta quarta-feira (25), o secretário de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Simplício Araújo, juntamente com representantes da pasta, realizaram uma visita técnica ao Terminal de Uso Privado (TUP) Porto São Luís, após a empresa brasileira Cosan, controlada pela Atlântico Participações, anunciar a compra do TUP Porto São Luís.

Em valor estimado de R$ 720 milhões na aquisição do projeto, mais investimentos estimados em 1,5 bi na primeira fase, a compra marca a entrada da empresa em escoamento de minério de ferro e foi intermediada pelo Governo do Estado, via Seinc.

Durante a visita, o secretário destacou que as negociações da Cosan com o grupo China Communications Construction Company (CCCC) – o Porto São Luís pertence à São Luís Port Company, da CCCC – representam um novo cenário de desenvolvimento no Maranhão.

“O anúncio da Cosan apontam a ação do Governo do Maranhão em atrair cada vez mais investimentos ao Estado. Com o acompanhamento desta negociação, fizemos mais uma vez nossa parte em trazer empregos e desenvolvimento para os maranhenses e destravar um empreendimento com um potencial fantástico para a economia do Nordeste”, analisou Simplício Araújo, que pontuou também uma maior celeridade na construção do porto e novas perspectivas para o escoamento da produção do Arco-Norte no Maranhão.

O Porto São Luís tem previsão de início das operações a partir de 2025.

TUP Porto São Luís

A entrada do novo proprietário foi avaliada como bastante positiva pelo atual presidente do Porto São Luís, Helder Dantas, que afirmou que o TUP se fortalece ainda mais com a compra e terá seu cronograma de investimentos acelerado.

“Esse Porto está sendo concebido para ser um dos mais modernos e eficientes do país, reforçando a vocação da baía de São Marcos como uma das mais importantes regiões exportadoras do Brasil, gerando ainda mais empregos e renda para o Estado”, afirmou o presidente.

O TUP Porto São Luís é localizado na Baía de São Marcos e conta com uma área de 2 milhões e 580 mil metros quadrados de cais, com 950m de extensão, e cerca de 1.900 metros de cais acostável e apto a receber diversos navios simultaneamente.

Deboche

PCdoB alimenta arrogância de Braide e prepara golpe na Câmara

Convicto do momento ruim do prefeito, vereador comunista Paulo Victor debocha de Eduardo Braide em entrevista e vai pavimentando plano para colocar PCdoB na presidência da Câmara Municipal.

A cada dia que passa mais convicto de se tratar da nova encarnação de Flávio Dino, Eduardo Braide deixa a soberba e a arrogância lhe aconselharem e se torna a triste lembrança do que nunca foi. Sabedores disso, seus adversários começam a usar presunção do prefeito contra ele mesmo.

Nesta terça (24), o vereador Paulo Victor (PCdoB) concedeu entrevista em que zombou do prefeito ao apostar publicamente em sua ignorância. Candidato dos comunistas ao cargo de presidente da Câmara Municipal de São Luís, Paulo Victor debochou de Braide ao afirmar que o prefeito não precisa preocupar-se com o PCdoB caso ele conquiste a Presidência da Casa.

“Hoje eu faço parte do PCdoB, nós temos quatro vereadores. Dentro desses quatro vereadores, nenhum é oposição direta ao prefeito Eduardo Braide, isso é fato entre a nossa política interna”, disse Paulo Victor.

A certeza de estar tratando com um pateta é tamanha que Paulo Victor afirmou que o PCdoB não faz oposição a Eduardo Braide. A frase, no mínimo, deve ser encarada como um deboche.

O fato é que Eduardo Braide segue com louvor o caminho do único prefeito de São Luís que não conseguiu reeleger-se nos últimos 40 anos. O saudoso e finado João Castelo foi eleito em 2008 e, após se isolar politicamente, acabou derrotado nas eleições de 2012. Mesmo tendo realizado uma das melhores gestões da cidade, Castelo não aguentou a locomotiva política que foi montada contra ele em 2012. O ex-prefeito a acreditava que isolado em seu grupo pessoal poderia garantir a reeleição, saiu derrotado.

Ironia da história, dois anos antes da derrota de Castelo a então vereadora Rose Salles, do mesmo PCdoB de Paulo Victor, se fazia se morta e dizia que não era oposição ao tucano. Foi uma das mais selvagens opositoras nas eleições de 2012.

Paulo Victor é candidato a presidente da Câmara de Vereadores. Apesar do pleito ser apenas no do ano que vem, o comunista já se movimenta habilmente e vai conquistando espaço. Caso seja eleito, será a primeira vez na história que a Prefeitura de São Luís terá na chefia da casa uma oposição declarada e irredutível.

Situação que não é tão improvável dado o surto de arrogância do prefeito que o empurra para o isolamento.

Ministério Público

Publicidade no Maranhão pode mentir e enganar, só não pode usar biquíni

Enquanto propaganda da Cachaça Chave de Ouro foi alvo de ação dura da pro promotora de Defesa do Consumidor Lítia Cavalcanti, operadora de celular que engana clientes e corta sinal cotidianamente segue sem ser incomodada.

A titular da 2ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de São Luís, Lítia Cavalcanti, ganhou os holofotes semanas atrás ao enviar uma Recomendação contra a São Braz Agroindustrial Eireli. Lítia ficou incomodada com propaganda da cachaça “Chave de Ouro” que trazia uma mulher de biquíni em outdoors de São Luís.

Na noite desta segunda (23) a operadora de telefonia Vivo entrou em pane pela 7º vez na capital nos últimos dois meses. Até o momento, pelo menos publicamente, não se tem notícia de ações mais severas da promotora.

Talvez por estar muito mais ocupada com o risco monstruoso que belas modelos em trajes de banho em peças de publicidade, Lítia tem ficado sem tempo para cobrar a Vivo.

O desfecho da ação contra propaganda de cachaça foi espetacular e mostra bem a capacidade da promotora de entender a realidade. No lugar da modelo de biquíni, foram colocados outdoors com um homem e duas mulheres bebendo cachaça. É sabido por toda a população que um biquíni é muito mais perigoso que uma garrafa de cachaça. Após a atuação de Lítia, São Luís ganhou dezenas de outdoors de incentivo DIRETO ao alcoolismo e deu fim a campanha subliminar que usava uma modelo.

E a Vivo?

Só cai em desgraça se usar mulher de biquíni em suas propagandas. Afinal, qualquer advogado recém-formado sabe que biquíni em outdoor é muito mais lesivo aos consumidores do que uma operadora que interrompe sinal rotineiramente sem aviso prévio desgraçando a vida de centenas de milhares de pessoas.

Siga no Instagram

Onda de mentiras contra a Havan

Hipocrisia

Presidente da UJS no Maranhão acusado de cometer abuso sexual

Líder da juventude do PCdoB e funcionário do governo maranhense está no epicentro de acusações de tentativa de estupro, agressão, furto de patrimônio público e propagação de fake news.

O presidente da União da Juventude Socialista (UJS) no Maranhão está sendo acusado de tentativa de estupro. A denúncia afirma que o estudante Eduardo Correa promoveu agressões seguidas por uma tentativa de estupro no dia 14 de agosto às 4:30h. A denúncia foi seguida por uma série de acusações que vão desde furto de patrimônio público a montagem de sites falsos que espalham fake news.

Eduardo Correa, além de ser presidente da UJS (juventude partidária do PCdoB), também é funcionário do governo Flávio Dino. Ele trabalha na Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP). O governo não se manifestou em relação às acusações contra Eduardo até agora.

Apesar da gravidade das acusações, Eduardo Correa está sendo protegido por uma operação que pretende abafar o escândalo e desmerecer as acusadoras.

Após a denúncia ganhar as redes sociais, Eduardo Correa foi alvo de uma série de outras acusações. Entre elas, aparece o fato de que é acusado de agressão e outros casos de cunho sexual. Ativista digital, o jovem ainda é acusado de criar anônimos para propagar fake news, além de responder por furto de patrimônio da UFMA na Polícia Federal.

O caso, que não é o primeiro envolvendo membros da juventude esquerdista UJS, surpreendeu parte da desinformada militância progressista jovem de São Luís. Apesar da surpresa de alguns, outros trataram a situação como algo corriqueiro na história da juventude conhecida por situações que vão desde escândalos de corrupção, abuso sexual, propagação de discurso de ódio e violência física.

Na Universidade Federal do Maranhão a facção é conhecida pela violência de suas ações.

DISCURSO PARA INOCENTE

O tipo de discurso empregado por grupos de extrema esquerda como a UJS infelizmente ainda encontra abrigo entre muitos jovens. Principalmente entre universitários. Como ex-membro da UJS nos anos 2000 (20 anos atrás) afirmo que não foram poucas as vezes em que presenciei casos de preconceito e abusos quando em particular. Aliás, essa é uma marca do movimento: a discrepância entre o que se diz em público e o que se faz no privado.

O desrespeito por mulheres na UJS é algo corriqueiro entre seus líderes. Não raro, as novas militantes são tratadas como brinquedos sexuais que merecem provar o valor para que ascendam na hierarquia.  

O emprego da violência enquanto arma política também é corriqueiro. Nos anos 2000 a pancadaria entre grupos estudantis de esquerda (PT, PSTU, PSOL e PCO) era normal nas universidades federais do país. Toda eleição de DCE em que essas forças esquerdistas disputavam terminava em algum tipo de violência.

Infelizmente a versão de si mesmos supera o que são de verdade. E acabam se tornando a opção política de jovens que, poucos na os depois, descobrem o que realmente acontece. Daí o número elevado de ex-membros.

Traidores

Ministério Público dá suporte a PCdoB para manter controle de sindicato

Rodoviários que tentam disputar eleição contra comunistas são demitidos para garantir reeleição no Sindicato dos Rodoviários. Medida tomada em conluio com empresários, torna oposição inelegível, promove terror e garante domínio da instituição. Situação se repete desde 1996 e conta com omissão do Ministério Público do Trabalho.

Desde 1996 o Sindicato dos Rodoviários de São Luís é dominado pelo PCdoB. A estratégia para um período tão longo no domínio da instituição conta, diretamente, com a omissão do Ministério Público do Trabalho (MPT). Ao longo dos anos os sindicalistas criaram um “acordo” com o sindicato patronal que proíbe a disputa de chapa nas eleições. Todas as vezes que um grupo de rodoviários tenta disputar as eleições, a chapa é demitida sumariamente pelos empresários e torna-se inelegível. O esquema acontece nas barbas do Ministério Público do Trabalho que silencia em relação ao esquema.

ALIANÇA DO MAL

Nos últimos 30 anos os empresários do setor de transporte descobriram uma forma muito efetiva de relação com o Sindicato dos Transportes: a inserção de traidores na diretoria que trabalham na defesa do que mandam os empresários, não do que querem os trabalhadores.

Com o controle do Sindicato dos Rodoviários por traidores, a instituição começou a desprezar a defesa da categoria e tornou-se uma instituição que serve apenas para cumprir as ordens dos patrões.

O sindicato da categoria tem apenas uma meta: ajudar no aumento de passagens. O esquema funciona assim: todas as vezes que empresários querem aumentar a passagens, eles usam o sindicato para pressionar a Prefeitura de São Luís, que é responsável pela autorização dos aumentos. Dessa forma, nas últimas décadas TODO pedido de empresários por aumento de passagens é seguido de uma greve de ônibus.

Além disso, os descalabros contra cobradores e motoristas beiram o absurdo. Até hoje motoristas são condenados a pagar por avarias em ônibus. Muitos deles são obrigados a trabalhar em condições que ferem as normas da CLT sem que o sindicato faça ABSOLUTAMENTE nada. Tempos atrás até mesmo os prejuízos com assaltos eram pagos, obrigatoriamente, por cobradores.

MINISTÉRIO PÚBLICO CÚMPLICE

E aí entra a omissão do Ministério Público do Trabalho que, pelo menos teoricamente, deveria intervir na relação promíscua entre sindicato dos rodoviários e patrões. Contudo, prefere a omissão.

Nenhuma reclamação de motoristas e cobradores encontra eco no Ministério Público do Trabalho. A categoria é uma das mais massacradas do Maranhão e segue abandonada tanto pelo MPT quanto pela Prefeitura de São Luís, que fecha os olhos para os desmandos de empresários nos últimos 30 anos.

A única saída para a libertação seria a mudança na diretoria do sindicato pela categoria. Ocorre que todo grupo que se levanta contra os desmandos do PCdoB no sindicato sofre pressões e, em algumas ocasiões, é impedido de disputar as eleições.

Pelo temor de perder os aliados no sindicato, empresários demitem quem tenta fazer oposição. Com a decisão, os trabalhadores são automaticamente desligados do sindicato e impossibilitados de disputar.

A ação serve para destruir a oposição e aterrorizar futuros membros da categoria que tentem resistir ao domínio do mal. E tudo conta com a omissão do Ministério Público do Trabalho.

Marcadas para o fim deste mês, as eleições de 2021 podem ter o mesmo desfecho de anos anteriores. A atual direção do PCdoB já acionou seus comparsas entre os empresários e ensaia promover uma série de demissões desde a semana passada.

Até o momento, como de costume, o Ministério Público do Trabalho segue em silêncio. Cabe a categoria se levantar com toda a força possível contra empresários e traidores.

Economia

“Tempestade perfeita” derruba cenário de crescimento econômico para 2022

Inflação e juros em alta, desemprego, dólar caro, crise hídrica, conflitos institucionais, atropelo nas votações de projetos do Congresso e novos riscos fiscais. A “tempestade perfeita” dos últimos dias obrigou economistas e investidores a reverem suas estimativas para o crescimento da economia no próximo ano para o mesmo patamar baixo comum nos anos pré-pandemia, abaixo de 2%.

Enquanto a população sente os efeitos da deterioração da economia no bolso e reclama da alta dos preços do gás de cozinha, da gasolina, da conta de luz e dos alimentos, o mercado parece estar caindo na real.

O Estadão aponta os principais problemas que azedaram o humor e por que o Brasil segue com risco de ter mais um crescimento estilo “voo de galinha”, depois da retomada mais rápida da crise econômica provocada pela pandemia da covid-19, sem aproveitar todo o potencial do ciclo de commodities (produtos básicos, como alimentos e minério de ferro) que bombou as exportações.

Leia a matéria completa AQUI

ARTIGO

Os riscos de um Supremo Poder

Certas escolhas políticas e estruturais começam a dar sinais de esgotamento. Uma delas diz respeito ao papel do STF, que deveria funcionar como mecanismo de proteção das liberdades, mas hoje funciona como reserva quase inesgotável de poder. Optamos por um modelo de corte de vértice que mistura as atribuições das cortes constitucionais com o papel de última instância do Judiciário, em escolha direcionada ainda no séc. XIX, com o controle difuso pela via recursal, de inspiração norte-americana, que foi reforçada no séc. XX, com o controle concentrado via ação direta, de inspiração austríaca.

Nesse modelo híbrido, já eram muitas as tarefas do Supremo, que ainda foram reforçadas com a concentração de competências originárias em matéria penal, entre outras atribuições ligadas às garantias constitucionais (habeas corpus, por exemplo). O séc. XXI, entretanto, tem surpreendido pela forma como o STF ampliou ainda mais o seu papel. Não bastasse sua politização pela predisposição ao debate de questões morais, a corte passou a cotidianamente exercer o controle dos atos do Parlamento e do Executivo (via Mandado de Segurança e ADPF), suspendendo nomeações e atuando diretamente no processo legislativo. Mais do que isso, a corte recentemente avocou competência investigatória, cumulando papéis inimagináveis. É poder que não acaba mais.

A população sabe mais dos 11 do STF do que dos 11 da amarelinha, mas o reforço do poder traz riscos. Hoje, mais do que qualquer outro, é o poder supremo do Supremo Tribunal que assusta em inquéritos de duvidosa constitucionalidade. A restrição à liberdade de expressão passa a ser justificada no “combate a fake news”, a supressão do due process justificada por forçada aplicação de regras de conexão, e a afronta à imparcialidade objetiva do “julgador-acusador” justificada pelo “risco à democracia”.

Contaminados por paixão política, muitos de nós silenciamos diante desse incremento supremo de poder. A serenidade que esperamos dos líderes políticos também deve ser exigida das instituições de controle. Não podemos esquecer que “o preço da liberdade é a eterna vigilância”, mesmo que a vigilância resulte na proteção daqueles de quem eventualmente discordemos. Nessas horas, a liberdade não pode ter lado, pois os fins não justificam os meios.

*Rafael Sirangelo de Abreu é doutor em Direito pela UFRGS e associado do IEE.

Eleições 2022

Desenvolvimento econômico do Maranhão é a principal pauta de Simplício Araújo

Secretário tem se destacado pela autoridade com que trata o desenvolvimento econômico ao ponto de se transformar na principal opção de quem pretende gerar emprego e renda no Maranhão

Quase sempre esquecido no debate político maranhense, o desenvolvimento econômico tam sido o carro chefe da pré-candidatura do secretário de Indústria e Comércio do Maranhão, Simplício Araújo. Principal nome da atual gestão dos programas que geram emprego e renda, Simplício se tornou a principal opção do setor produtivo do estado.

A desenvoltura com que trata empresários tem agradado a categoria que já enxergam em Simplício a melhor alternativa para as eleições do ano que vem.

O bom relacionamento com os empreendedores é paralelo à disposição de ter na geração de emprego a principal pauta social. Simplício Araújo comanda os programas, Trabalho Jovem, Cidade Empreendedora, Estruturação de Cadeias Produtivas Estratégicas, Plano Diretor de São Luis, ele consegue mobilizar a classe produtiva.

O auxílio a prefeitos e gestores públicos também é outra marca do pré-candidato. Simplício é, disparado, o secretário que mais consegue doações e parcerias. Pouco tempo atrás ele firmou uma parceria com a Ambev que deve assumir uma escola em São José de Ribamar.

Ainda nesta semana o secretário viu seus esforços para a inserção de Barreirinhas no circuito nacional do turismo serem recompensados. O aeroporto do município está próximo ter seu modelo de concessão definido e abrigar voos de grandes companhias aéreas que devem fazer ligação direta entre Barreirinhas e grandes cidades do país.

Democracia em vertigem

STF intensifica ações ditatoriais contra deputados

Após prisão de Daniel Silveira, STF e Alexandre de Moraes mira no parlamentar Otoni de Paula. Ações são nitidamente coordenadas para destruir levante conservador no país.

Após manter em cárcere privado, sem julgamento, o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), o ministro Alexandre de Moraes autorizou busca e apreensão contra o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ). Além dele, o cantor Sérgio Reis também foi alvo da operação.

Alexandre de Moraes emitiu 29 mandados. Agentes da Polícia Federal (PF) invadiram o gabinete do deputado e sua casa.

“O objetivo das medidas é apurar o eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes”, afirmou a PF, em nota.

O ataque contra parlamentares evidencia a submissão do Legislativo ao poder Judiciário e a certeza de que ninguém está livre das garras tirânicas do STF e de seu capataz, o ministro Alexandre de Moraes.

A verdade prevalece

UOL é condenado por divulgar fake news contra Luciano Hang

Empresário venceu processo contra site que deverá publicar direito de resposta.

O UOL foi condenado por divulgar fake news contra o empresário Luciano Hang. A decisão foi tomada pela desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), que determinou ao site publicação de direito de reposta em até 48 horas.

Em junho deste ano o jornalista Lucas Valença, do ‘UOL’, publicou matéria em que acusava a Agência Brasileira de Inteligência de ter produzido um relatório sobre Hang. A ABIN emitiu nota oficial esclarecendo não ser a autora do suposto relatório.

Em sua decisão, a desembargadora tomou como base as informações anexadas ao processo pela defesa do empresário, tais como a consulta formal feita à ABIN e também o relatório apresentado pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, que apontou diversas inconsistências no documento utilizado como suposta fonte.

De acordo com escritório Leal & Varasquim, que faz a defesa de Luciano Hang, “ficou provado mais uma vez que a matéria era fake news, cujo único objetivo era manchar a imagem do empresário”. O prazo de 48 horas para divulgação do direito de reposta termina nesta sexta-feira (20).

Novembro

Eleições na OAB-MA devem ressuscitar manobras e conspirações

Marcadas para novembro, eleições na OAB devem esquentar categoria

As eleições da seccional Maranhão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), marcadas para o mês novembro, devem agitar a categoria mais uma vez. Derrotado nas últimas eleições, o grupo comandado pelo advogado Mário Macieira (que representa o imperialismo político do governador Flávio Dino na categoria) deve mudar de estratégia e criar uma estratégia que aposta em uma espécie de “volta dos que não foram”.

Acontece que a atual gestão, que expulsou a política partidária da instituição tocada por Macieira e Flávio Dino, fez a opção pela candidatura do advogado Kaio Saraiva. Já a oposição conseguiu aliciar um membro da atual gestão para lançar a bandeira de “mudança”. Trata-se do jovem advogado Diego Sá.

A postura de Diego em relação aos antigos colegas tem despertado suspeitas. Muitos advogados não enxergam com bons olhos a dissidência de um grupo e o embarque na oposição. Ainda mais lançando mão no discurso de mudança.

Além dos dois, também aparecem as candidaturas independentes de Gustavo Carvalho, Aldenor Rebouças e Heliane Fernandes.