Fora

Rubens Jr é exonerado um mês após reunião para espionar prefeitos

Falta de efetividade na secretaria e ação atabalhoada pode ter definido afastamento do comunista do governo Flávio Dino

Rubens Pereira Júnior (PCdoB) foi exonerado do cargo de secretário de Estado de Articulação Política (SECAP). O afastamento de Rubens acontece um mês após a divulgação de vídeo em que o comunista aparece solicitando a funcionários da Secap que espionassem prefeitos do interior do Maranhão.

Interlocutores do PCdoB reclamaram da atuação de Rubens na secretaria. Segundo eles, a atuação do comunista na secretaria era “vexatória”. “Nunca participou de uma reunião decisiva. Ele nunca foi secretário de fato”, disse uma fonte do PCdoB.

Além disso, a fonte consultada também afirmou que a atuação de Rubens Jr na secretaria era completamente independente. “Tudo aquilo saiu única e exclusivamente da cabeça dele”, disse.

As declarações, de certa forma, eximem a cúpula do governo de responsabilidade em relação à desastrosa reunião protagonizada por Rubens Jr em que o secretário solicitou aos funcionários que espionassem prefeitos.

Decisão acertada

Eduardo Braide acaba com especulações sobre candidatura em 2022

Prefeito de São Luís afirmou que deve permanecer no cargo e com prioridade ” em fazer de São Luís uma cidade melhor”

Responsável por um melhores inícios de gestão pública no Maranhão das últimas décadas (o que não significa tratar-se de um início perfeito), Eduardo Braide era visto como possível candidato ao governo em 2022 por apoiadores. Na manhã desta segunda (2), o prefeito pôs fim às especulações e afirmou que não deve deixar o posto para tentar o governo.

“Nesse momento, realmente, a intenção é cuidar bem da cidade. As minhas energias, os meus esforços, os meus cuidados, estão em fazer de São Luís uma cidade melhor”, disse Eduardo Braide.

A declaração foi dada durante entrevista ao programa Ponto Final, da Mirante AM.

Nas últimas semanas afirmei a vários interlocutores que a permanência no cargo era o caminho natural de Braide. Após quatro anos de espera, duas eleições, uma eleição desgastante em 2020 e a luta contra a Covid-19 já no primeiro semestre da gestão, seria perigoso embarcar em uma eleição de governador menos de 2 anos após tomar posse como prefeito.

A permanência de Braide no cargo o tira de uma aventura em 2022 e o coloca como favorito na reeleição de 2024. Dessa forma, o esperado é que Braide apenas tente voos mais alto em 2026.

Dadas as circunstâncias e a configuração explícita do governador Flávio Dino (PSB) em apoiar o vice Carlos Brandão (PSDB) com o intuito de voltar ao governo em 2026, o embate entre Eduardo Braide e Flávio Dino é real (desde que Brandão seja eleito no ano que vem e Flávio Dino conquiste a provável vaga para o Senado).

A opção de Braide por uma gestão exitosa é a melhor estratégia a seguir. Pois mantém a confiança do povo que o escolheu para ficar por quatro anos no mandato e lhe dá a chance de preparar o ataque onde a classe política maranhense é mais débil (principalmente o governador Flávio Dino): a gestão.

Imagens

Manifestações pelo voto atraíram grande público

“Cédula de papel” é fake news!

Oportunismo

Lahesio Bonfim tumultua manifestação pelo voto impresso em São Luís

Prefeito de São Pedro dos Crentes usou manifestação para fazer pré-campanha pessoal e liberou grupo para xingar organizadores do evento. Discurso foi tomado por autoelogios e defendeu rapidamente o voto impresso.

O prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim, e seu grupo tumultuaram a manifestação pró-voto impresso realizada em São Lu ontem (1). Participantes do ato se disseram chocados com a violência das palavras do prefeito e de seus apoiadores contra a organização do evento. “Eu já participei de várias manifestações e nunca tinha visto isso”, disse uma das organizadoras.

As críticas são direcionadas à quebra do roteiro do evento pelo grupo do prefeito Lahesio Bonfim. Na quarta (28), em reunião da organização, ficou acordado que não seriam permitidos discursos de pré-campanha ou que fugissem da pauta do voto impresso. O acordo foi quebrado quando o prefeito de São Pedro dos Crentes discursou.

Lahesio esqueceu a pauta do evento e fez propaganda política de si mesmo. O pré-candidato falou sobre o voto impresso auditável rapidamente, por pouco mais de 30 segundos. Ao ser interrompido por membros da organização, o prefeito prosseguiu desrespeitando o compromisso de não falar sobre pré-campanha.

Após sua fala, foram iniciados uma série de ataques do grupo do prefeito contra os demais membros da organização do evento. Muitos participantes, chocados com a violência e teor das palavras dos apoiadores de Lahesio, deixaram a manifestação. “Eu fiquei sem entender nada. Tinha levado meus filhos e, do nada, eles (grupo de Lahesio) começaram a xingar todo mundo. Fui embora”, disse uma participante.

O mais descontrolado dos apoiadores de Lahesio Bonfim era o médico extremista Allan Garcês, já conhecido por sua truculência tanto no meio da saúde quanto no meio político. Garcês atacou e xingou demais membros da manifestação que deveria sair em carreata pelas ruas da cidade. A certo ponto, o médico lançou mão em uma estratégia antiga de dividir o movimento. Espalhando desinformação, o extremista afirmou que não haveria mais carreata. Alguns participantes, confusos com a situação, não acompanharam o comboio.

INFILTRADOS?

Essa foi a primeira participação do prefeito Lahesio Bonfim em eventos da chamada “direita maranhense”. Coincidentemente, foi a primeira vez que uma manifestação acabou em desordem e ataques.

Semanas atrás o prefeito afirmou em entrevista à TV Mirante que não gosta de ser identificado como “bolsonarista” e que seu jeito de fazer política é diferente da promovida por Jair Bolsonaro.

Após a manifestação, cresceu a tese entre lideranças conservadoras no estado de que Lahesio Bonfim esteja sabotando as ações propositadamente. O prefeito seria motivado pelo rancor de saber que não será escolhido pelo presidente como seu candidato no estado. Dessa forma, ao lado de extremistas como Allan Garcês, estaria espalhando desinformação e propondo a desunião entre os grupos.

Doença mental

Advogada maranhense defende uso de prática nazista contra conservadores

Nazistas do lado de fora de uma loja de Berlim colam cartazes com: “Deutsche! Wehrt Euch! Kauft nicht bei Juden! (“
Alemães! Defender! Não compre dos judeus!“). Clarice Binda (detalhe) quer política semelhamte contra conservadores.

Em 1º de abril de 1933 o partido nazista iniciou uma política de boicote contra profissionais e empresas de judeus. Os nazistas atacavam, divulgavam notícias e realizavam protestos contra produtos/serviços comercializados por judeus. A intenção dos nazistas era prejudicar todo o grupo economicamente e força a falência. Ao contrário de boicotes democráticos (que se caracterizam por ações individuais contra uma marca, profissional ou negócios), a ação dos nazistas era movida indiscriminadamente contra todo um grupo de pessoas. Não importava a qualidade do serviço e/ou produto, mas ao grupo que o profissional/empresário participava.

Ressaltando: boicotes democráticos são movidos contra UM produto ou UMA marca que promove práticas e/ou comportamentos imorais e/ou ilegais. Já a prática nazista é movida contra todo um grupo de pessoas apenas por motivação política, religiosa ou étnica.

A defensora pública Clarice Binda, conhecida por ter tentado implantar o lockdown no Maranhão a todo custo, usou suas redes sociais para definir que a população deve boicotar eleitores e defensores do presidente Jair Bolsonaro. Clarice não deu nenhuma explicação que ultrapassasse o fato da opinião política dos alvos de seu boicote.

Na publicação a advogada afirma que a defesa do presidente Jair Bolsonaro é suficiente para que a desistência de determinados profissionais. Além disso, Clarice Binda faz relação entre o presidente e o profissional que faça a defesa dele como sendo “iguais”.

Resgatando publicações antigas, é possível encontrar um artigo (Maria, preciso te contar sobre Bolsonaro, o fazedor de órfãos) que aponta o presidente como organizador e responsável por uma política de assassinato de 400 mil brasileiros. Dessa forma, a lógica tende a indicar que Clarice Binda, além de considerar o presidente um assassino, também qualifica seus apoiadores como tais.

Semanas atrás, sob a distração da instalação de uma estátua, militantes do grupo ideológico de Clarice Binda atacaram a instalação da loja de departamentos Havan em São Luís. Por trás da desculpa, o verdadeiro alvo é um empresário Luciano Hang, apoiador do presidente.

Conversei com um colega jornalista sobre os tempos sombrios que estavam chegando com essa tentativa de falir empresários e profissionais apenas por suas posições políticas e com base em fantasias juvenis. Ele duvidou. Pois aqui está a prova…

EM TEMPO: Clarice Binda tem todo o direito de sugerir boicote contra UMA marca, profissional ou serviço que considere ativo em prática abusiva ou ilegal. O que ela não pode é EXIGIR que profissionais que NUNCA VIU NA VIDA, ou tem conhecimento da qualidade de seus produtos ou serviços, sejam excluídos da economia.

Twitter

O povo está vendo

VÍDEO

População cubana começa a reagir contra polícia da ditadura

Avanço

São Luís deve ganhar primeiro hospital veterinário público

Iniciativa partiu do deputado federal Aluisio Mendes que irá destinar R$ 1 milhão em recursos para construção da unidade

A capital maranhense deve ganhar nos próximos meses o seu primeiro hospital veterinário municipal público. Reivindicação antiga dos setores que fazem a defesa dos animais e da sociedade, o hospital será construído em terreno cedido pela Prefeitura de São Luís. Já os recursos para a construção e aparelhamento do serão providenciados pelo deputado federal Aluisio Mendes (PSC).
“É um anseio de muito tempo que começa a ser contemplado por iniciativa nossa, do prefeito Eduardo Braide e demais parceiros. Os recursos serão de emendas de minha autoria e o terreno será garantindo pelo Prefeitura”, explicou Aluisio Mendes.

Nesta semana Aluisio Mendes reuniu-se com Arnaldo Muniz, coordenador da Unidade de Vigilância de Zoonoses da Semus e Aglla Bastos, da Vigilância Sanitária. Os dois representaram o secretário municipal de Saúde, Dr. Joel Nunes.

Os recursos das emendas do deputado Aluisio Mendes serão destinados à Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela aplicação e execução do projeto.

Além dos representantes da prefeitura, também estiveram presentes na reunião as instituições de amparo aos animais: AMADA; Dindas; Ato de Amor; Projeto ame um miau; Projeto sonho vira lata; Amepets; CDPA OAB; Praça dos Gatos; Projeto Cães e Gatos; Fábio Borjas; Rejane.
O vereador Dr Gutemberg e o secretário municipal de Segurança Alimentar, Junior Vieira, também marcaram presença na reunião.

As obras do novo hospital estão previstas para começar no ano que vem. Antes disso, o deputado deve garantir a aquisição de um castramóvel para a prefeitura. O veículo será utilizado no atendimento móvel de esterilização de cães e gatos, política eficaz e de baixo custo para o controle da reprodução animal e melhoria da saúde pública dos pets.

responsabilidade

Maranhense assume presidência do Progressistas

André Fufuca deve conduzir um dos maiores partidos do país e grande aliado da gestão Bolsonaro

Com a licença do senador Ciro Nogueira da presidência nacional do Progressistas, nos próximos dias o deputado federal maranhense André Fufuca deve ser conduzido ao cargo. Com apenas 31 anos, Fufuca deve se tornar o mais jovem presidente de legenda no país. Está é a segunda vez em toda a história do Brasil que um maranhense assume a presidência de um grande partido no país. O feito só havia sido alcançado em 1979 por José Sarney, quando assumiu a presidência do Partido Democrático Social (PDS).

Com uma bancada de 7 senadores, 41 deputados federais, 689 prefeitos e 59 deputados estaduais, o Progressistas ocupa hoje o lugar de terceiro maior partido do país. Apesar de sua condução ao cargo ser considerada inevitável, Fufuca prefere manter a postura de grupo. “Não tenho apego a cargo, tenho apego a trabalho. Minha história prova isso. Se o partido me der essa responsabilidade, sei que irei fazer o meu melhor e garantir que o Progressistas mantenha os rumos determinados pelo Ciro Nogueira na construção de um Brasil melhor”, disse.

A responsabilidade de ocupar grandes cargos na hierarquia política do país não é uma novidade para o jovem deputado. Em 2017, Fufuca se tornou o mais jovem parlamentar a assumir a Presidência da Câmara dos Deputados. “Foi uma experiência muito boa e uma prova de fogo. Graças a Deus, como sempre, tudo saiu perfeitamente”, disse.

Com Ciro Nogueira na Casa Civil, Fufuca terá a função de conduzir o partido na pré-campanha do ano que vem. A estratégia é tornar a legenda a mais representativa do Brasil. “Independente do que aconteça e de quem lidere o partido, somos um grupo e vamos agir como um grupo. Nossa meta é fortalecer o partido no Brasil e não iremos nos desocupar desse objetivo”, disse. A oficialização do nome de André Fufuca é esperada para os próximos dias.

Rouba mais

SMTT esconde dados sobre “indústria das multas” em São Luís

Escândalo no sistema de multas forçou secretaria a anular milhares de multas em 2016. Apesar da repercussão, máfia continua a todo vapor e números que poderiam evidenciar atuação de facção criminosa dentro da secretaria são escondidos.

A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes de São Luís (SMTT) está ocultando números sobre a chamada “indústria das multas” em São Luís. Os dados guardados a sete chaves pela secretaria dizem respeito ao quantitativo de multas aplicadas nos últimos anos, bem como o total de recursos arrecadados com as centenas de milhares de multas aplicadas e o volume de recursos impetrados e concedidos em benefício dos condutores.

Em 30 de junho deste ano, com base no artigo 11, parágrafo 5º da Lei Federal nº 12.527/2011, a chamada Lei de Acesso à Informação, o Blog do Linhares enviou à SMTT um ofício solicitando números e informações sobre as multas aplicadas nos últimos anos.

A investigação aconteceu após uma série de denúncias em relação ao rito sumário que a SMTT impõe aos motoristas multados (do qual o próprio tirular do blog foi vítima). A legislação exige que a secretaria notifique os motoristas em até 30 dias após a infração. Caso o procedimento não seja seguido e o prazo cumprido, a multa deveria ser considerada automaticamente inválida.

Acontece que a SMTT não cumpre os prazos e dá ao motorista multado a obrigação de provar que não recebeu a multa. A ausência de documentos e/ou recibos que comprovem o recebimento da multa, que deveria servir como defesa automática do motorista, se transformou em evidência contra ele.

Ou seja: a SMTT multa indiscriminadamente, não cumpre os procedimentos e a ausência da materialidade na notificação pela secretaria é desprezada pela Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI).

Em 2016 o sistema de roubo montado foi tão grosseiro que a SMTT foi obrigada a cancelar milhares de multas. Com as recentes denúncias chegadas ao blog, tudo indica que a estrutura criminosa foi apenas modificada para chamar menos a atenção.

Vale ressaltar que segundo a lei, os recursos colhidos com as multas devem, orbigatoriamente, ser empregados em melhorias do trânsito. Daí a gravidade da SMTT omitir de forma tão natural o total arrecadado com as multas.

Com a ascensão de Eduardo Braide ao cargo de prefeito, era esperado que a máfia das multas criadas pelo PDT ao longo dos anos na SMTT fosse desmantelada. Passados seis meses de sua posse, o que se observa é que a organização criminosa que assalta os motoristas da capital continua funcionando a todo vapor.

O Blog do Linhares irá comprar essa briga dos motoristas de São Luís. Não é possível que em pleno 2021 uma estrutura medieval de cobranças de impostos, ou melhor, de confisco de dinheiro alheio por autoridades, seja mantida dessa forma. A assessoria jurídica do blog deve entrar em ação e a SMTT vai ter que responder judicialmente porque está omitindo esses dados.

Humor? Nem tanto…

Ministério Público? Esquece!

Gramado do Castelão custa ao governo Dino o dobro do gasto no Maracanã do RJ

Com um custo de mais de R$ 1.3 milhão pagos pelo Governo Flávio Dino, manutenção do campo do estádio maranhense custa o dobro dos recursos que são usados pelo Flamengo na manutenção do gramado do maior estádio do país.

O jornalista Daniel Matos revelou na manhã desta terça (27) um fato grave: o custo de manutenção e conservação DO GRAMADO do Castelão é superior a R$ 1,3 milhão. Para piorar a situação, o campo é considerado um dos piores do Brasil por jogadores e técnicos dos clubes que disputam o Campeonato Brasileiro da Série B.

Segundo o Diário Oficial do governo, o preço exato do contrato, firmado entre a Secretaria de Estado do Esporte e Lazer (Sedel) e a empresa B M de Almeida Eireli, é de R$ 1.342.113,04 (um milhão, trezentos e quarenta e dois mil, cento e treze reais e quatro centavos).

Após ver a matéria do jornalista Daniel Matos, fiz uma pesquisa para saber se o valor era realmente elevado. Em termos comparativos, o governo Flávio Dino está gastando o dobro do que é investido anualmente para manter o gramado do estádio do Maracanã, um dos maiores do Brasil. Atualmente o custo do estádio carioca é cerca de R$ 700 mil por ano.

O fato é que se Flávio Dino usar o gramado do Castelão criar custos de R$ 1 milhão, R$ 5 milhões, R$ 10 milhões ou R$ 1 bilhão, nada vai acontecer. Nem Ministério Público e muito menos a Justiça irão fazer algo. Nunca antes na história do Maranhão um governo foi tão livre para “gastar” o dinheiro do pagador de impostos das formas mais irresponsáveis possíveis.

Todo mundo bem

Deposição de Flávio Dino pode unir classe política no Maranhão

Réu no Supremo Tribunal Eleitoral por acusações de ter montado uma estrutura para roubar eleições, condenação de comunista tem poder de pacificar política no estado

Nas eleições de 2018 o governador Flávio Dino não poupou esforços para vencer a eleição ainda no 1º turno. Denúncias dão conta de que a vitória esmagadora de Dino só foi possível mediante à criação de uma estrutura de ataque à democracia. Os crimes chegaram ao TSE e o governador corre o risco de perder o mandato e ficar inelegível. Sua cassação poria fim a um período de hegemonia política e beneficiaria tanto adversários quanto aliados. A deposição de Flávio Dino deveria ser uma prioridade da classe política maranhense.

DEMOCRACIA SOB ATAQUE

O esquema consistia em uma série de ações ilegais baseadas no uso da estrutura do governo para compra de votos que foi desde a criação de dezenas de cargos de capelães e até o desvio de recursos da saúde para asfaltamento de estradas.

Os crimes cometidos pelo Coligação Todos Pelo Maranhão, formada por Flávio Dino e Carlos Brandão, foram denunciados por advogados da Coligação Maranhão Quer Mais. Mesmo com provas robustas do cometimento de crimes, a justiça local inocentou o governador e seu vice. (Saiba mais sobre a denúncia detalhada aqui).

Acontece que nas instâncias a situação mudou de figura. Flávio Dino foi obrigado a exonerar 47 servidores nomeados na suposta “Farra dos Capelães” que supostamente foi montada para comprar o apoio de pastores que costumam comercializar o voto dos fiéis. A decisão pela exoneração aconteceu em 26 de fevereiro deste ano e foi ordenada pelo ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão de Marques ligou o sinal vermelho no Palácio dos Leões que começou a tratar o caso com mais atenção.

Os supostos crimes comandados por Flávio Dino nas eleições de 2018 também podem ser observados nas eleições de 2016 e 2020. Ocasiões em que o governador fez uso indiscriminado da máquina pública para eleger prefeitos. O depudor do governador chegou ao ponto de que no passado, em plena crise da pandemia, ele convidava eleitores para glomerarem em comícios em suas redes sociais.

BOM PARA TODOS

O jeito autoritário de governar de Flávio Dino garantiu a ele e a seu grupo mais próximo uma hegemonia política que incomoda tanto aliados quanto adversários. Por medo das represálias de um governador que sempre ameaça aliados e persegue adversários, o silêncio acabou sendo a única forma de defesa dos incomodados com a situação. Por conta desta situação, a possibilidade de deposição do comunista é festejada no íntimo de 8 em cada 10 políticos do Maranhão.

Em caso de condenação, Flávio Dino e o vice-governador Carlos Brandão ficam automaticamente inelegíveis por 8 anos. Se a decisão for tomada faltando menos de seis meses para o fim do mandato (meados de 2022), deputados estaduais serão instados. Caso seja tomada antes, serão chamadas novas eleições.

O efeito imediato da cassação de Flávio Dino é o desmonte da estrutura política criada para que secretários de governo tomem os mandatos de deputados estaduais e federais nas eleições do ano que vem. O número de pré-candidatos entre secretários é inédito e evidencia o projeto de poder do governador. No ano que vem Flávio Dino pretende deixar sem mandato muitos dos que hoje chama de aliados.

Além de evitar uma ofensiva do governo contra deputados, a cassação de Flávio Dino também beneficia membros do seu próprio grupo e de adversários.

O fim da hegemonia de Flávio Dino beneficiaria diretamente aliados que correm perigo com a manutenção do poder. Casos do senador Weverton Rocha, Luciano Leitoa, Othelino Neto, Josimar de Maranhãozinho, André Fufuca, Juscelino Rezende, Neto Evangelista e outros que hoje não fazem parte dos planos em médio e longo prazo.

Já os adversários, esmagados nos últimos 6 anos pela máquina comunista, teriam a chance de se reorganizar.

Caso o silêncio dê lugar a ação, a situação do governador pode se complicar no TSE e seu reinado de autoritarismo pode render sua deposição.

Cobrança

Simplício Araújo “enquadra” Eduardo Braide no caso Havan

Prefeito de São Luís, que deveria ser o primeiro a defender a geração de emprego e renda na capital, foi o último a sair em defesa da liberdade econômica na cidade. Secretário de Indústria e Comércio cobrou mais ação e menos discurso.

O secretário estadual de Indústria e Comércio, Simplício Araújo (Solidariedade), confrontou comentários do prefeito Eduardo Braide (Podemos) em suas sobre o caso Havan. Após semana de silêncio profundo em relação à polêmica, Braide usou suas redes sociais para saudar a chegada da loja após ataques de grupos de extrema esquerda anti-emprego.

Apesar de ser prefeito de São Luís e, pelo menos teoricamente, o mais interessado na atração e negócios para a cidade, Eduardo Braide foi o último a sair em defesa da Havan contra os ataques de extrema esquerda anti-emprego.

Após a manifestação tardia do prefeito, o secretário Simplício Araújo lembrou que São Luís não que o Plano Diretor e Lei de Zoneamento impedem a instalação de novos negócios. A questão é considerada delicada para a administração municipal pois a Lei de Zoneamento é de 1994 e o Plano Diretor de 2006. Ambos são, segundo especialistas, os maiores entraves para o desenvolvimento econômico de São Luís.

Em contato com o blog, Simplício afirmou que o prefeito deveria agir mais na melhoria da legislação ao invés de “jogar para a platéia”. “É muito fácil posar de defensor da liberdade econômica nas redes sociais enquanto não trabalha na melhoria da legislação que iria garantir mais emprego”, disse Simplício.

Simplício usou as palavras do próprio Eduardo Braide para apontar o erro dos ex-gestores e cobrar postura diferente de Braide. Falharam na modernização do Plano Diretor e da Lei de Zoneamento Jackson Lago, Tadeu Palácio, João Castelo e Edivaldo Holanda Jr.