Blog do Linhares

Áudio do Linhares

Sobre o caso Daniel Silveira

Se gritar "pega ladrão"...

Inquérito da Polícia Federal que investiga Governo Dino entra na 2ª fase

Empresa venceu licitação na Secretaria de Saúde do governo comunista meses antes da conclusão do processo

Se aproxima do fim da primeira fase um inquérito da Polícia Federal que apura se o secretário estadual da Saúde, Carlos Lula, fraudou uma licitação que tinha como escopo selecionar organização social para administrar a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Chapadinha, distante 286 km de São Luís, capital do Maranhão. Com o avanço, a próxima fase tende a ser operacional.

De acordo com as investigações, no referido processo licitatório, o famigerado IDAC (Instituto de Desenvolvimento e Apoio à Cidadania), envolvido em diversos casos de desvio de dinheiro público, consagrou-se vencedor de fato do certame cerca de dois meses antes de sua conclusão.

A PF já levantou dados que mostram, por exemplo, que enquanto o procedimento de seleção ainda estava pendente, a UPA foi inaugurada meses antes, em cerimônia que contou com a presença do próprio Carlos Lula e do presidente do IDAC, Antônio Augusto Silva Aragão.

Ambos são alvos de denúncia, formulada desde agosto de 2018 pela PRR (Procuradoria Regional da República) da 1ª Região, que pede a reparação dos danos causados pelos crimes praticados, em R$ 8,5 milhões. Também aparecem entre os denunciados Júlio César Oliveira Gonçalves, ex-superintendente de Acompanhamento à Rede Serviços, e Mauro Serra dos Santos, ex-diretor do IDAC.

Embora presente na inauguração da UPA de Chapadinha, o governador Flávio Dino (PCdoB) não consta entre os indiciados.

Em manifestação nos autos, o titular da SES (Secretaria de Estado da Saúde), que também é presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), alega que “não há como os fatos ora tratados configurarem hipótese de crimes licitatórios porquanto não incide dever de licitar”, e incompetência da Justiça Federal para julgar o caso, pois, segundo ele, “não houve repasse de verbas federais ou estaduais na manutenção da UPA de Chapadinha, haja vista que antes de qualquer pagamento ao IDAC ocorreu a rescisão do contrato de gestão.”

O inquérito tramita no bojo da Sermão aos Peixes, maior investigação contra corrupção e desvio de dinheiro público federal destinado para o setor da saúde no Maranhão.

Politicalha

Governo Flávio Dino oficializa oposição contra Prefeitura de São Luís

Pela primeira vez na história um governador teve a coragem de oficializar oposição a um prefeito da capital com menos de três meses de gestão. O comando da operação infame coube a Rubens Jr (chamado de ladrão nas eleições passadas)

Menos de dois anos antes de deixar o governo do estado como o governador que menos fez por São Luís, o governador Flávio Dino (PCdoB) faz jus a sua tara de politiqueiro e inaugurou uma ação inédita: a oposição ostensiva à gestão do prefeito Eduardo Braide (Podemos).

No último fim de semana o Secretário de Estado de Articulação Política, Rubens Jr. (PCdoB), coordenou uma reunião de secretários do governo com vereadores que fazem oposição a Braide na Câmara Municipal.

Rubens Jr ficou conhecido após perdoar e apoiar um candidato que chamou a ele e seu pai de ladrões. Dessa forma, não causa espanto que tenha encabeçado o papel indigno de oficializar a oposição do governo à gestão da capital do estado.

A atuação de Rubens Jr articulando escancaradamente contra o prefeito Eduardo Braide mostra a tragédia política em que foi enfiado o Maranhão pelas mãos do PCdoB.

Roberto Jefferson vai tirar comando do PTB no MA de Pedro Lucas

Presidente nacional do PTB anunciou decisão pelo Twitter com divulgação dos votos dos parlamentares do partido

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, anunciou que irá destituir das presidências regionais do Maranhão e do Ceará os deputados Pedro Lucas Fernan e Pedro Bezerra, respectivamente.

O motivo foi o voto favorável à manutenção da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) mesmo depois da orientação do partido pelo voto contra.

Legislativo

César Pires defende a concessão de auxílio a profissionais da área de eventos

Deputado Estadual César Pires (PV)

A exemplo das medidas já adotadas em outros estados, como o Piauí e o Ceará, o deputado César Pires vem defendendo que o governo do Maranhão também garanta a concessão de auxílio emergencial aos maranhenses mais afetados financeiramente pela pandemia. Agora, o parlamentar apresentou indicação ao governador Flávio Dino para que os artistas e demais profissionais da área de eventos recebam auxílio de R$ 1.000,00, dividido em duas parcelas.

“O governador do Ceará, Camilo Santana, anunciou esta semana o pagamento desse auxílio aos profissionais mais afetados pela pandemia, que são os da área de eventos. Se considerarmos a alta arrecadação de impostos que o governo estadual teve em 2020, entendemos que o Maranhão também pode dar esse apoio aos maranhenses que estão impossibilitados de garantir seu próprio sustento”, justificou César Pires.

O deputado acrescentou que o governador Flávio Dino, que tanto tem cobrado a manutenção do auxílio emergencial pago pelo governo federal, precisa mostrar efetiva sensibilidade com a grave situação financeira vivida por milhares de famílias maranhenses. “O Estado tem plenas condições de dar a sua contribuição, e precisa adotar medidas concretas com recursos próprios”, enfatizou.

A indicação em que César Pires sugere ao Executivo o pagamento do auxílio de R$ 1.000,00 deve ser oficializada pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa na próxima semana, e encaminhada ao governador Flávio Dino.

Incompetente

Maranhão é o último colocado em índice de vacinação no Brasil

Enquanto governador Flávio Dino (PCdoB) processa o Governo Federal querendo mais vacinas, Maranhão aplicou apenas 30% das vacinas enviadas ao estado até agora. Menos de 0.5% dos maranhenses tomaram a segunda dose.

Apesar de toda a lamúria sobre envio de vacinas e constantes críticas ao Governo Federal, o governador Flávio Dino (PCdoB) não está tendo a capacidade de vacinar os maranhenses com os imunizantes que já chegaram. O Maranhão ocupa o último lugar no índice de vacinação nacional.

Números do Consórcio de Veículos de Imprensa mostram que apenas 0,15% da população já chegou a tomar a segunda das vacinas. Das 306.540 mil doses recebidas pelo estado, apenas 112.706 foram aplicadas. Pouco mais de 30%.

A situação poderia ser muito pior se a Prefeitura de São Luís não tivesse vacinado 77,07% do público-alvo.

Na televisão, o secretário de saúde Carlos Lula tem afirmado que “dificuldades geográficas” dificultam a logística da vacinação. A desculpa esfarrapada do secretário não resiste a uma simples constatação: Amazonas, Roraima ou Acre, estados localizados no meio da selva, possuem índices melhores do que os maranhenses.

Apesar da flagrante incompetência em distribuir e garantir que os imunizantes sejam aplicados, o secretario de saúde cobra o envio de mais vacinas ao estado pelo Ministério da Saúde. A cara-de-pau é tão grande que o governo, segundo o próprio Carlos Lula, enviou liminar ao Supremo Tribunal Federal pedindo a compra de mais doses da vacina.

E mesmo cobrando mais vacinas por meio de liminar, a Secretaria Estadual de Saúde dispõe de quase 50 mil doses de CoronaVac que só serão distribuídas apenas na semana que vem.

Isso é uma vergonha…

E se fosse ele?

Deputado maranhense desdenha da prisão de Daniel Silveira

Pedro Lucas (PTB) lamentou “parada de discussões” para julgar situação do colega. Se tivesse sido ele preso por um “mandado de prisão em flagrante”? Será que iria esperar calmamente dentro de uma cela até cessarem as “discussões”? É cada uma…

O deputado federal maranhense Pedro Lucas (PTB-MA) desdenhou da prisão ilegal do colega Daniel Silveira (PSL-RJ) ordenada pelo ministro Alexandre de Moraes. Em entrevista ao site O Antagonista, o deputado minimizou o ato de arbitrariedade promovido pelo ministro.

“O Congresso tem pautas urgentes que precisam ser votadas: muitos projetos de alcance social, a volta do auxílio emergencial e as reformas que estão aguardando análise. Lamento que tenhamos que parar para julgar esse tipo de situação”, afirmou.

Ironia do destino seria se, por algum desses caprichos da vida, Pedro Lucas acabasse preso por um “mandado de prisão em flagrante”. Seria interessante ver um vídeo do deputado de dentro de uma cela brandando: “Quero que meus colegas toquem as discussões importantes para o país e me deixem preso aqui. Quando tiverem tempo, podem ver o meu caso. Vou aguardar muito feliz”.

É cada uma…

Diferenças entre Flávio Dino e Eduardo Braide vão se tornando mais evidentes

Enquanto prefeito entrega leitos para a luta contra pandemia, governador passa o dia inteiro fazendo intrigas e usando Covid-19 politicamente

Assim que foi eleito deputado federal com mandato comprado pelo ex-governador Zé Reinaldo em 2006, Flávio Dino (PCdoB) manteve a cabeça nas eleições municipais de 2008. Ali iniciou-se um ciclo obsessivo que se repetia de dois em dois anos. Terminava uma e logo se tratava de pensar na seguinte, e na posterior à seguinte.

Ao longo de 14 anos de carreira política, a única marca do governador Flávio Dino é sua obsessão, sua compulsão, sua tara pelo próximo pleito, pela próxima eleição.

Já Eduardo Braide, em que pesem as críticas já feitas aqui a ele, parece ser uma espécie de anti-Flávio Dino. Eleito prefeito da maior cidade do estado e com peso decisivo nas eleições do ano que vem, parece que Braide nem político é.

Passados quase 50 dias de sua posse, Braide fez o que Flávio Dino não conseguiria nem que lhe cortassem a língua: não deu nenhuma declaração intrinsecamente política. Sejamos sinceros, Flávio Dino não tem capacidade para passar cinco ou seis dias tratando apenas de assuntos referentes ao Maranhão.

Enquanto Flávio chora ao lado de seu secretário rebolador pedindo leitos para norte-americanos, Governo Federal e STF, o prefeito Eduardo Braide entregou 50 leitos exclusivos para atendimento a pacientes com casos moderados e graves de Covid-19 no Hospital da Mulher.

E assim vão se alargando as diferenças entre o falastrão que após seis anos de governo conseguiu fazer menos do que Jackson Lago (que ficou cerca de dois anos no poder) e o prefeito eleito de São Luís. É claro que Braide ainda patina em algumas coisas e que pode mostrar-se um fracasso no futuro. Só que, caso seja um fracasso, tudo indica será tentando ser um homem público de sucesso. Ao contrário de Flávio Dino, que já é um fracassado como governador do estado. E já se mostrava como uma fracassado lá em 2006, quando chegou ao poder pela 1ª vez comprando mandato e em todos os anos seguintes obcecado apenas em ganhar eleições.

Hipocrisia

Após voltar de férias, Flávio Dino critica “feriadão” de Bolsonaro

Cinismo comunista segue extrapolando todos os limites da razão. Flávio Dino critica em Bolsonaro o que fez um mês antes.

O governador Flávio Dino (PCdoB) voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ontem. Segundo o comunista, os passeios de Jair Bolsonaro não são pertinentes para o momento. AS declarações foram dadas um mês após o próprio governador maranhense voltar de férias.

“Com vacinas em falta e leitos de UTI lotados, o presidente da República deveria estar trabalhando, não passeando de jet ski na praia, curtindo um feriadão. Além de competência, falta dedicação ao trabalho”, disse a uma revista.

Mesmo com a iminência das chamadas “novas cepas” no fim de 2020, o governador saiu de férias para destino desconhecido. No seu lugar assumiu o vice-governador Carlos Brandão. Dino reassumiu o governo no dia 18 de janeiro.

Desarmamento

Políticos maranhenses vão chorar morte de bandidos em sushi bar no Olho D’Água?

Se tivessem vergonha na cara, opositores de Jair Bolsonaro no Maranhão deveriam usar assalto frustrado ontem em São Luís, que resultou na morte de dois criminosos por um cidadão armado, para provar que política de armamento da população de bem do presidente é errada.

Dois bandidos foram mortos na noite desta segunda (15) em uma tentativa de assalto a um sushi bar na Avenida dos Holandeses, no Olho d’Água. A quadrilha era formada por quatro marginais, dois conseguiram fugir. Tudo indica que a morte dos dois foi causada por um cidadão armado que reagiu e impediu o assalto. Horas antes do acontecido, vários políticos maranhenses criticaram medidas do presidente Jair Bolsonaro que visam facilitar o acesso a armas por cidadãos comuns.

O ASSALTO

A tentativa frustrada de assalto aconteceu por volta das 21h, no “Sushi do Japa”. Após anunciarem o assalto, um cliente que estava na parte interna surpreendeu os criminosos disparando vários tiros em direção a eles. Três bandidos fugiram a pé e um dos criminosos morreu na hora.

Após tomarem um veículo de assalto, dois dos integrantes da quadrilha abandonaram o colega baleado que não resistiu aos ferimentos.

OS CANALHAS

Políticos maranhenses que ontem passaram o dia criticando o presidente Jair Bolsonaro por tentar facilitar o acesso a armas por pessoas de bem deveriam vir a público e lamentar a morte dos marginais. Afinal, se a política do presidente de dar ao cidadão comum o direito de se defender, casos como os de ontem seriam muito mais comuns. Ao invés de ler notícias apenas sobre pais e mães de famílias mortos, também se teria bandidos mortos.

Se o padrão desses senadores, deputados, vereadores e do governador fosse decretado, é muito possível que um inocente tivesse morrido ontem no lugar dos bandidos.

Contudo, parece que esse pessoal prefere que o extermínio da população por marginais seja feito sem embaraços. E, podem ter certeza, 30% da classe política maranhense (principalmente políticos ligados a partidos de esquerda) devem achar um absurdo o fato de dois bandidos terem sido mortos por um cidadão ontem durante a reação de um assalto.

Inclusive políticos que se “dizem” evangélicos.

Crime organizado

Milícias avançam no Maranhão após 6 anos de Flávio Dino

Grupos criminosos, que não existiam até comunista chegar ao poder, têm intensificado atuação. Apesar da polícia não divulgar oficialmente, assassinato na Litorânea na última sexta é tratado como ação de milicianos. Desmonte das forças policiais pode estar ajudando na proliferação de milicianos no estado.

Os meses de janeiro e fevereiro de 2021 registraram uma série de assassinatos em condições misteriosas que reforçam a tese de que, durante os últimos seis anos do Governo Flávio Dino, há no Maranhão o nascimento e crescimento de milícias (policiais e ex-policiais corruptos que agem na ilegalidade). O fortalecimento desses grupos pode ser considerado o ponto alto do desmonte da Polícia Militar tocado pela gestão comunista.

MORTES

Em 28 de janeiro o auxiliar do IML Salomão Matos dos Santos foi morto a tiros no estacionamento da UPA do Parque Vitória. Antes de ser assassinado, Salomão foi perseguido e morto. Os suspeitos são policiais do grupo conhecido como “Serviço Velado” da Polícia Militar.

No dia 2 de fevereiro foi encontrado, na zona rural de São Luís Gonzaga, o cadáver do empresário Marcos Marcondes da Silva Nascimento, conhecido como Marquinhos. Um dia antes de ser encontrado morto, Marquinhos foi conduzido por policiais em Bacabal. UM vídeo divulgado na internet mostra o empresário sendo conduzido por policiais à paisana antes de ser encontrado morto.

Na tarde da última sexta, 12 de fevereiro, um homem identificado como Bruno Vinícius Nazon Moraes Borges, de 30 anos, executado na Avenida Litorânea. Apesar de não divulgar oficialmente, a polícia já trabalha com a hipótese de que Bruno tinha ligações com jogos e apostas ilegais. Seu assassinato, provavelmente cometido por membros de uma milícia, teria motivação com o ramo de atuação da vítima.

Essa matéria começou a ser escrita ainda no sexta e foi provocada pela morte de Bruno. Após o ocorrido, denúncias anônimas apontavam para o envolvimento de milicianos no caso. A checagem dos fatos e entrevistas com fontes anônimas revelaram denúncias graves sobre a existência desses grupos paramilitares que foram concebidos em um ambiente de desmanche das forças de segurança promovidas pelo governo comunista de Flávio Dino.  

DESMONTE DA POLÍCIA

Policiais ouvidos pelo blog afirmam que o avanço da corrupção na Polícia Militar e a criação de milícias tem ligação direta com a política de desmonte do aparato policial tocada pelo governador nos últimos seis anos. “Ser honesto na polícia deixou de ser motivo de orgulho”, disse um militar aposentado.

Após a chegada de Flávio Dino ao poder, a desvalorização dos agentes de segurança no estado pode ser observada em vídeos que invadem as redes sociais cotidianamente. Vídeos de policiais sendo despejados em batalhões do interior, denúncias de perseguição política de policiais que refutam a submissão política ao grupo do governador, não nomeação de concursados no último concurso da Polícia Militar, guerras entre delegados da Polícia Civil e a Secretaria de Segurança, aumento dos crimes cometidos por policiais e, mais recentemente, a onda de assassinatos sem solução supostamente cometida por milicianos.

Na opinião de policiais ouvidos pelo blog, os fatos narrados acima, de conhecimento público, não são solados. “O governador, como todo comunista, não gosta da polícia. Esse movimento de desmantelar as corporações não é erro administrativo, é método ideológico”, disse um policial civil.

EFEITO COLATERAL

Apesar de confirmarem que o governo trabalha pelo enfraquecimento das polícias civis e militares, todos os ouvidos não acreditam que exista uma tentativa de proteção das nascentes milícias no estado pelo governo. “Acontece que eles abandonaram os bons policiais e os maus, mesmo sendo minoria, estão aproveitando. O que está acontecendo é o efeito colateral de uma política de segurança pública que tem como principal inimigo o policial”, disse um agente.  

IRONIA

Sempre que pretende atacar o presidente Jair Bolsonaro, o governador Flávio Dino o acusa de ser miliciano, de incentivar estes grupos criminosos. Ao serem questionados sobre a aversão do governador comunista pelas milícias em suas redes sociais, as fontes do blog dessa matéria foram unânimes em satirizar a atuação de Dino nas redes sociais.

“Não setinha notícia desse negócio de milícia aqui no Maranhão até ele virar governador. SE tem algum culpado por isso, é ele”, disse um oficial aposentado.

Maldito Bolsonaro

Prefeita do PDT do interior do MA é acusada de desviar recursos contra a Covid-19

Governador Flávio Dino (PCdoB), que é aliado da prefeita, ainda não usou suas redes sociais para culpar o presidente Jair Bolsonaro pelo suposto roubo acontecido em Axixá por um membro do seu grupo político.

Prefeita Sônia Campos (PDT), de Axixá, é acusada de desviar meio milhão de reais destinados ao enfrentamento da Covid-19. A denúncia do suposto ilícito foi formulada pelo procurador da República, Marcilio Nunes Medeiros. O procedimento teve como base denúncia do vereador de Axixá, Joaquim Souto dos Santos Filho (MDB). O caso pode ser mais um da série de desvios que já ficou conhecido nacionalmente como “Covidão”.

Sônia é aliada do governador Flávio Dino e apoiou o comunista nas duas últimas eleições estaduais.

Na representação de Axixá, o parlamentar informar que não foram realizadas ações significativas no combate à pandemia em Axixá. O vereador alegou ainda que não há metas, dados ou medidas que indiquem a política adotada.

Joaquim Filho afirmou também que pacientes foram encaminhados para outro Município, pois o hospital da cidade não tinha condições de atendimento, entre outras irregularidades.

Em razão disso, o Procedimento Preparatório nº 1.19.000.001042/2020-92 foi convertido em Inquérito Civil Público para dotar todas as medidas possíveis e necessárias, judiciais e extrajudiciais, no intuito de apurar supostas irregularidades quanto à gestão de verbas públicas destinadas ao enfrentamento do COVID-19 em Axixá.

Até o momento o governador Flávio Dino (PCdoB) não se manifestou em suas redes em relação a mais este crime promovido pelo presidente Jair Bolsonaro.