Notícias
Atos da esquerda

Agências bancárias são depredadas em manifestações pró-Lula

Após manifestações na Avenida Paulista, atos pró-Lula assolaram patrimônios públicos e privados na Rua da Consolação, em São Paulo

Agências dos bancos Santander (nº 2.104) e Itaú (nº 2.265) foram depredadas no último sábado (19) durante atos pró-Lula, no centro da cidade de São Paulo.

O grupo de manifestantes também pichou ônibus, a um estabelecimento comercial que ganhando frases como “Marielle vive” e “chega de extermínio” em sua sua vidraça enquanto funcionava, e quebrou pontos de parada. Uma loja de carros da Hyundai também foi alvo dos vândalos e recebey uma foice e um martelo em spray vermelho na sua fachada.

A informação foi confirmada pela Polícia Militar de São Paulo no início da noite.

CPI da Pandemia

Ministro do STF permite condução coercitiva de Carlos Wizard

Empresário foi convocado para depor à CPI na última quinta (17), mas não compareceu por estar acompanhando o tratamento de saúde de um familiar

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, permitiu, nesta sexta-feira (18), a condução coercitiva de Carlos Wizard.

A condução coercitiva autorizada por Barroso vem em resposta à uma ação protocolada pela defesa do empresário Wizard, para barrar a convocação para depor à Comissão Parlamentar de Inquérito. Advogados de Wizar afirmaram que, em razão das determinações sanitárias que exigem testes do novo coronavírus antes da viagem, o empresário não conseguiu comparecer na sessão já que estava fora do Brasil.

O ministro do STF, em resposta a ação, alegou que as determinações da CPI estão em conformidade com sua decisão que permitiu o silêncio do empresário e em caso de abuso, Carlos Wizard pode acionar o Supremo Tribunal Federal. Além da decisão de Luís Roberto Barroso, foi autorizada a retenção do passaporte do empresário por meio de um magistrado do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Campinas.

“[…] A condução coercitiva não tinha sido considerada inconstitucional em relação à Lava Jato? Agora, estão dentro de uma CPI, um processo político, uma forma de inquisição política cuja seriedade pode ser questionada a níveis basicamente técnicos […] Não deveria ser assim, e me pergunto: até quando um circo como a CPI da Covid-19, relatado por um tipo como Renan Calheiros, continuará servindo como investigação séria e técnica, a fim de justificar a condução coercitiva de um empresário?”, afirmou Bruno Dornelles.

Os questionamentos de Dornelles, advogado e analista político, foram pontuados durante abordagem do assunto no Boletim da Noite exibido na última sexta-feira (18).

Humilhação em CPI

Nise pede indenização por danos morais contra senadores

Médica Yamaguchi participou de sessão da CPI da Pandemia como convidada, mas, não apenas foi interrompida várias vezes, como também foi humilhada

A médica Nise Yamaguchi entrou com uma ação por danos morais em processo contra os senadores Omar Azis (PSD-AM), presidente da Comissão, e Otto Alencar (PSD-BA) por misoginia e humilhação durante sessão na CPI da pandemia no início de junho.

Defensora do tratamento precoce em pacientes com o novo coronavírus, a oncologista foi incluída na lista de investigados da CPI e associada a existência de uma suposta “assessoria paralela” que aconselharia o presidente da República, Jair Bolsonaro, a conduzir a gestão da pandemia. A defesa da médica tambpem solicita que a Procuradoria-Geral da República seja informada para analisar se os senadores cometeram crime de abuso de autoridade.

O comportamento dos parlamentares com Nise Yamaguchi, com interrupções, falta de respeito, invalidação de respostas corretas, embora resumidas através de definições simples, foi motivo de uma nota de repúdio à CPI da Pandemia, escrita pelo grupo “Médicos pela Vida”. A assessoria de imprensa de Otto Alencar respondeu que o político ainda não foi notificado, enquanto Omar Azis não se posicionou.

Neste domingo (20), Nise Yamaguchi publicou uma carta aberta sobre a situação. Confira:

“São notórios e de conhecimento nacional o desrespeito e a humilhação por mim sofridos durante o depoimento prestado à CPI da pandemia no Senado Federal no dia 1º de junho de 2021.Médica há mais de quatro décadas, nunca imaginei passar por situação parecida. É triste perceber que, na Casa do Povo Brasileiro, mesmo após décadas de evolução, ainda se perpetuem comportamentos misóginos.

Por diversas vezes, tive minhas falas e raciocínios interrompidos. Ignoraram meus argumentos e atribuíram a mim palavras que não pronunciei. Não foi por falta de conhecimento que deixei de reagir, mas, sim, por educação. Não iria alterar a minha essência para atender a nítidos interesses políticos.

A partir daquele momento, passei a ser extremamente vilipendiada nas redes sociais com agressões em tons ameaçadores, o que é muito preocupante para um estado democrático.

Não faço parte de nenhum partido político. Atuei nos últimos cinco governos como colaboradora eventual, pelo bem da saúde do Brasil e do mundo, sendo que entre 2007 e 2011, participei oficialmente do gabinete do Ministério da Saúde. Meus principais trabalhos foram em ações de controle do tabaco, tratamento personalizado e de precisão do câncer, dentre outros afazeres de compliance e governança.

Agradeço o apoio do Conselho Federal de Medicina, do Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal e às inúmeras manifestações de apoio de entidades de classe e de apoio à mulher e ao idoso. Atendo os meus queridos pacientes em Brasília e em São Paulo e deles, de suas famílias e dos colegas, tenho recebido um reconfortante apoio.

Na qualidade de mulher e de idosa, optei por entrar com uma ação judicial contra os senadores Omar Aziz e Otto Alencar, como uma medida para restaurar minha integridade e a de diversos outros médicos brasileiros, os quais também foram afetados com os discursos proferidos pelos parlamentares naquele dia.

Todos os valores ganhos com a causa serão revertidos a hospitais que tratem de crianças com câncer.”

R$ 22 milhões desviados

Ministério Público denuncia Júnior Lourenço e Eduardo Belfort

Deputado federal Júnior Lourenço e o ex-prefeito de Miranda do Norte conhecido como “Negão” são denunciados por aliança criminosa em Miranda do Norte

O Ministério Público do Estado denunciou empresários, o deputado federal José Lourenço Bonfim Júnior, o ex-prefeito de Miranda do Norte Carlos Eduardo Fonseca Belfort, e pessoas que ocupavam cargos na prefeitura.

Deflagrada pelo Gaeco no dia 15 de abril, a Operação Laços de Família cumpriu 32 mandados de busca e apreensão em Bom Jardim, Miranda do Norte, Paço do Lumiar, São Luís e São José de Ribamar. Com base na investigação, o MP ofereceu denúncia pelos crimes de fraude em licitação, organização criminosa, peculado e pagamento de R$ R$ 22.061.477,53 como reparação de danos. De acordo com denúncias que tiveram iniciativa do Tribunal de Contas da União (TCU), foram constatados desvios de recursos na Prefeitura de Miranda do Norte entre 2017 a 2020 durante a gestão do ex-prefeito Negão.

O esquema apontou a existência de organização criminosa porque a mesma metodologia para o crime teria sido utilizada pelo ex-prefeito do município e atual deputado federal Júnior Lourenço, quando comandou a cidade entre 2009 a 2016.

Covid-19

São Luís anuncia vacinação para pessoas com 19 e 18 anos

Jovens sem comorbidades serão vacinados nos 9 pontos de vacinação disponibilizados pela Prefeitura nesta segunda e terça-feira

A Prefeitura de São Luís divulgou neste domingo (20) o calendário de imunização contra o novo coronavírus para pessoas com 19 e 18 anos sem comorbidades.

É importante que o público alvo se atente a divisão dos períodos, pois leva em consideração nascidos de janeiro à junho imunizados pela manhã e nascidos entre julho a dezembro serão vacinados pela tarde. De acordo com o calendário, pessoas de 19 anos receberão doses nesta segunda-feira (21) e nesta terça-feira (22) serão imunziados pessoas com 18 anos.

Para o público alvo dessa faixa etária será exigida apresentação de documento com foto e comprovante de residência, podendo ser vacinados em qualquer um dos 9 pontos cujo funcionamento ocorre de 8h às 18h.

Notas do Linhares

Na surdina, Flávio Dino corta R$ 100 MILHÕES da Educação no Maranhão

Recursos retirados de instituições de ensino público, que poderiam comprar mais de 3.5 milhões de doses da vacina Aztrazeneca, serão destinados a “tapa-buraco” na véspera da eleição

Documentos oficiais do Governo do Estado do Maranhão tornados públicos pelo deputado estadual César Pires (PV) revelam que o governador do Maranhão, Flávio Dino, ordenou o corte de cerca de R$ 100 milhões de reais da educação no estado. Os recursos, que serão utilizados para “obras”, foram retirados de instituições que promovem o Ensino Superior no Estado.

“Primeiro foram retirados cerca de R$ 30 milhões da Uema e da UemaSul, em maio. Agora, no dia 2 de junho, foram mais R$ 74 milhões transferidos do orçamento da Uema para a Sinfra (Secretaria de Infraestrutura). Ou a universidade tinha dinheiro em excesso e não está sabendo aplicar seus recursos, ou o governador não dá a menor importância à qualidade do ensino superior no Maranhão”, ressaltou César Pires.

Os saques começaram com os decretos 36.708 (publicado dia 12 de maio) e 36.757 (publicado no dia 25 de maio). O primeiro retirou R$ 2 milhões da UemaSul para a Secretaria de Infraestrutura (Sinfra). O segundo retirou outros R$ 27.579.727,00 das duas universidades – R$ 13.829.727,00 da UEMA e R$ 13.750.000,00 da UemaSul – também para aumentar o orçamento da Sinfra.

Pelo Decreto 36.772, publicado no Diário Oficial do Estado do dia 2 deste mês de junho, o governador determinou que fossem retirados R$ 74.373.793,00 do orçamento da Uema. Os recursos retirados da educação agora serão usados em ações da Sinfra para “melhoramento de logradouros públicos, pavimentação de vias urbanas e rodovias” (o famigerado asfalto sonrisal em véspera de eleição).

“O que me espanta é o silêncio do diretório acadêmico e das associações de professores e de servidores da Uema. Muito lutaram pela qualidade do ensino naquela universidade, e tenho orgulho de fazer parte dessa história. Eu não me calarei, e espero que a comunidade uemiana rompa o silêncio, já que muitos professores e servidores acreditaram que o governador iria valorizar aquela instituição. Se hoje retiram mais de R$ 100 milhões, amanhã vão tirar muito mais do ensino superior no Maranhão. Isso não podemos aceitar”, finalizou César Pires.

Transmissor da Globo

Roberto Jefferson anuncia expulsão de Luísa Canziani do PTB

Decisão ocorreu após descoberta de que a parlamentar gravava com transmissor uma reunião do projeto de lei do Homeschooling para vazar à TV Globo

O presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, divulgou nesta quinta-feira (17) que Luísa Canziani, deputada federal, está expulsa da sigla.

A ação foi incentivada depois do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) descobrir que Luísa Canziani portava um rádio transmissor durante reunião sobre projeto de lei do Homeschooling, cujo ministro da Educação, Milton Ribeiro, também estava presente. De acordo com Eduardo Bolsonaro, embora Canziani tivesse afirmado que o aparelho estava desligado no momento, o gravador pertencia à TV Globo. Luísa Canziani revelou que está gravando para o programa Profissão Repórter há semanas.

“A atitude da deputada está mais que julgada. Existia com ela um aparelho que era da Globo, portanto, ela estava fazendo isso para a Globo, ou seja, a Globo está participando de uma coisa que é uma irregularidade, ou uma ilegalidade, que é gravar uma reunião com ministros para vazar através de uma deputada. Isso mostra bem o estilo que a Globo está usando”, debateu sobre o assunto o analista político José Carlos Sepúlveda durante o Boletim da Manhã desta quinta-feira (17).

“Nós rompemos com a deputada desde então e não temos nenhuma responsabilidade pelos atos dela. O partido de Luísa Canziani é ela mesma”, esclareceu Roberto Jefferson, afirmando que, além de gravar secretamente um ministro ser uma falta gravíssima, a parlamentar não seguia as diretrizes do partido há muito tempo.

Desestatização

Senado aprova Medida Provisória da privatização da Eletrobras

O projeto volta à Câmara dos Deputados, necessitando de aprovação e sanção de Bolsonaro até a próxima terça-feira. Sessão deve ocorrer na segunda (21)

O texto-base do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 7/2021, oriundo da Medida Provisória (MP) 1.031/2021, que autoriza a privatização da Eletrobras,após alterações, foi aprovado no Senado por 42 votos a 37.

O modelo de privatização pressupõe a emissão de novas ações a serem vendidas no mercado sem que a empresa participe, ocasionando na privação do controle acionário de voto mantido atualmente pelo Governo Federal. A estimativa é de que a União deve diminuir sua fatia nas ações com direito a voto de 61% para 45%. O aumento do capital social da maior empresa de energia elétrica da América Latina será por meio da oferta pública de ações.

O Governo Federal, apesar de perder o controle, terá uma ação golden share (classe especial) que lhe assegura poder de veto em decisões de assembleia de acionistas visando evitar que algum deles ou grupo de vários detenha mais de 10% do capital votante da empresa. Segundo avaliação do governo, a privatização da Eletrobras pode diminuir a conta de luz em até 7,36%, enquanto que a conta pode ficar mais para para os consumidores conforme algumas entidades do setor elétrico.

Segundo projeções anunciadas por integrantes do governo, a oferta de ações da empresa deve arrecadar cerca de R$ 25 bilhões para que a Eletrobras pague esse montante ao Tesouro em outorgas por renovações contratuais de hidrelétricas. Após a operação, a expectativa é de que a Eletrobras ainda tenha de encaminhar outros R$ 25 bilhões para aliviar tarifas nos próximos anos, visto que a elétrica terá contratos renovados das hidrelétricas em condições mais vantajosas.

A proposta foi enviada pelo governo em 23 de fevereiro e acredita na área econômica para ampliar investimentos da Eletrobras, que atua no setor de geração e transmissão de energia elétrica.

108 mil doses a menos

Governo deixa de repassar mais de 100 mil doses para São Luís

Governo do Estado alega o repasse de 771.416 doses, mas a Prefeitura de São Luís diz ter notas de entrega confirmando o recebimento de apenas 662.605

A Prefeitura de São Luís contrariou a informação da Secretaria de Estado de Saúde do Maranhão (SES) e afirmou o recebimento de 662.605, diferente das 771.416 doses alegadas pela gestão estadual.

Como se não bastasse o atraso no encaminhamento da SES, responsável pelos envios, o que fez com que a gestão municipal deixasse de vacinar duas idades por dia, reduzindo para uma idade ao dia de imunização, o número apresentado pela Prefeitura de São Luís acusa o repasse de 108 mil doses a menos de vacina contra o novo coronavírus. Após a prefeitura da capital emitir nota sobre recebimento e o secretário de Comunicação, Joaquim Haickel, ter desafiado o Governo do Estado a apresentar notas de entrega com o quantitativo informado, o parlamentar Edilázio Júnior (PSD) também se manifestou.

“Eu pensei que a prioridade do governador fosse a vacinação de todos os maranhenses, independente do município. Cadê as vacinas previstas para São Luís, governador? Por que ainda não foram repassadas?”, questionou o deputado federal.

Desfiliação

Governador Flávio Dino anuncia saída do PCdoB

Em publicação nas redes sociais, Dino fez elogios ao partido do qual fez parte durante 15 anos, mas registrou diferenças de estratégia e tática políticas

O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou hoje (17) sua desfiliação da PCdoB. A divulgação ocorreu oficialmente em suas redes sociais.

“Informo que pedi desfiliação ao PCdoB. Desejo êxito ao Partido na sua caminhada em defesa de uma Pátria Livre e Justa. Uma grande Frente da Esperança é um vetor decisivo para um novo ciclo de conquistas sociais para o Brasil. A tal tarefa seguirei me dedicando. Agradeço ao PCdoB a acolhida fraterna nesses 15 anos de militância. Diferenças que hoje temos, de estratégia e tática políticas, são menos importantes do que o meu reconhecimento ao papel histórico do partido na defesa de um novo projeto nacional de desenvolvimento para o Brasil”, publicou Dino.

O governador era filiado à legenda desde 2006, quando foi eleito deputado federal. A saída da sigla já vinha sendo articulada e o PSB deve ser a nova casa do governador, que é pré-candidato ao senado nas disputas eleitorais de 2022.

Honestidade

Lavrador acha R$ 3.800 na rua e devolve o dinheiro para o dono

Lavrador Laudenir que mora em Guimarães, no Maranhão, faz buscas, se encontra com policial Aurino e realiza devolução do utensílio com o valor

O lavrador Laudenir Sales, de 47 anos, quando passava por uma rua na zona rural da cidade de Guimarães, no norte do Maranhão, se deparou com uma bolsa onde havia uma carteira com cartão de crédito, documentos e R$ 3.800.

“Eu vi que dentro havia muitas coisas, inclusive o dinheiro. Procurei na região e não achei o dono. Então levei para casa. Nunca pensei em ficar com a carteira. Chegando em casa, como disseram que o dono poderia ser um morador da região, eu achei melhor anunciar na rádio”, afirmou o lavrador que realizou uma grande busca para localizar o dono.

De acordo com Laudenir, ele encontrou a bolsa no chão por volta das 07h30 da manhã desta segunda-feira (15). Ainda durante a tarde do mesmo dia, o dono foi achado através de um anúncio em uma rádio comunitária.

“Era um dinheiro muito importante, e também tinha todos os meus documentos. Quando eu cheguei na rádio, ele chorou, eu agradeci. Tentei até oferecer uma ajuda, mas ele não aceitou. É um grande exemplo de ser humano”, disse o policial militar Aurino Ribeiro, que tinha deixado cair a bolsa quando foi ao município de Guimarães pagar alguns gados.

Sobre o dinheiro, o Laudenir contou que o correto é devolver, embora pudesse ajudar em sua vida: “A gente precisa né. Seria importante. Mas naquela hora, eu acho que Jesus me tocou para encontrar a bolsa e ajudar a devolver ao verdadeiro dono”, disse o lavrador.

A história repercutiu no norte do Maranhão.

Governo Federal

Bolsonaro não deve pagar multa por andar sem máscara

Multado por João Dória e autuado por Flávio Dino, presidência da República afirmou que Jair Bolsonaro não deve pagar multa por andar sem máscara

O presidente da República, Jair Bolsonaro, que já havia sido autuado por Flávio Dino por circular sem máscara na cidade de Açailândia em maio, recentemente foi multado por Dória por aglomeração em motociata.

Sobre o caso ocorrido no município maranhense, a Secretaria-Geral da Presidência tinha o prazo de 15 dias para se defende e, dentro do período (em 4 de junho), orientou que o e-mail encaminhado pelas autoridades do Maranhão com a autuação fosse devolvido com solicitação de arquivamento.

“[…] qualquer identificação fidedigna do seu emissor, que sequer consta assinatura digital na correspondência eletrônica […] a Presidência da República foi autorizada pelas autoridades administrativas pertinentes do estado do Maranhão a realizar o ato oficial, inclusive tais autoridades realizaram a segurança no local do evento”, justificou.

Por conta disso, o departamento jurídico da Secretaria de Saúde do Maranhão (SES) está estudando que atitude tomar. Entretanto, neste momento, tudo aponta que Bolsonaro não pagará multa por andar sem máscara no Maranhão.

Declinou

Brasil livre de Luciano Huck na política em 2022

Apresentador divulgou formalmente que não será candidato à presidência e confirmou a Pedro Bial de que substituirá o Faustão nos domingos da Globo

Em entrevista exclusiva concedida ao jornalista Pedro Bial na madrugada desta quarta-feira (16), Luciano Huck confirmou que não será candidato à presidência da República nas eleições de 2022.

O apresentador destacou que não é uma “retirada de candidatura” porque “nunca se lançou candidato”, ressaltando que sua melhor contribuição “é como cidadão e não como candidato”. Na oportunidade, Luciano garantiu que gosta da “arena do debate de ideias” e que deeve estar no “debate público para sempre”. Huck estabeleceu diálogo com diversos nomes da política nacional, sendo a segunda vez que foi cogitado para as disputas eleitorais já que, em 2018, também declinou.

De acordo com o que já vinha sendo veiculado pelos rumores, o apresentador aceitou o convite para substituir o Faustão na principal faixa para programas de auditório da TV Globo, nas tardes e noites de domingo.

Hipocrisia

Deputados denunciam vaga do PSOL no regime Pessoa Jurídica

Liberais denunciam que o PSOL não anunciou vaga na Comunicação no regime CLT, uma vez que o partido se posicionou contra à Reforma Trabalhista

O PSOL, defensor da CLT, abriu uma vaga para comunicação no modelo de contratação de Pessoa Jurídica e a oferta de trabalho chamou atenção nas redes sociais.

“PSOL é o partido mais coerente do Brasil. Afinal de contas, eles mantém a mesma postura hipócrita de sempre”, debochou […] Os caras contratam por MEI porque sabem que a CLT é horrível. É bizarro demais eles votarem contra a reforma trabalhista, pedirem mais Estado nas relações trabalhistas e ao mesmo tempo fugirem de todo esse mar regulatório que eles apoiam. A mensagem é clara: PJ para mim, CLT para vocês; mais liberdade para mim, mais Estado para vocês. O golpe tá aí, cai quem quer!”, publicou Alexandre Freitas (NOVO,RJ), deputado estadual, em seu Twitter.

Kim Kataguiri (DEM/SP) lembrou a manifestação contrária da legenda de Guilherme Boulos (PSOL) na Reforma Trabalhista

Marcel van Hattem (NOVO/RS), deputado federal, também ironizou a medida. “CLT psó pros outros: no PSOL, a pejotização tá bombando!”.