Notícias
Esclarecimentos

Anac irá investigar redução de voos no Maranhão a pedido de deputado

Aluísio Mendes quer explicações sobre diminuição na oferta de voos e aumento das passagens aéreas no estado

Por inciativa do deputado federal Aluísio Mendes (PSC), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) irá questionar companhias aéreas sobre a respeito da redução da malha aérea em São Luís e Imperatriz. O requerimento foi apresentado e aprovado na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle. “É um problema sério que merece ser investigado mais profundamente. E não é um problema só do maranhão, mas de todo o país”, disse Aluísio.

Aluísio quer saber as razões que levaram as companhias aéreas a reduzir o número de voos e aumentar o preço das passagens. Para o deputado, mesmo com a pandemia a população não pode ser prejudicada duplamente pela ação das empresas. “Nós entendemos que as empresas passam dificuldade, mas não se pode jogar no colo do consumidor a conta”, disse.

A iniciativa do parlamentar da bancada maranhense foi prontamente aceita pelos demais membros da comissão que chegaram, inclusive, a pedir a extensão do pedido de esclarecimento não só para o Maranhão, mas para todo o Brasil.

Governo federal

Aluísio Mendes e Braide recepcionam ministro João Roma

Titular do Ministério da Cidadania participou de cerimônia em São Luís em que foram distribuídos alimentos, instrumentos, veículos e anunciados investimentos do Governo Bolsonaro no Maranhão

Acompanhado do prefeito de São Luís, Eduardo Braide, o deputado federal Aluísio Mendes (PSC) recepcionou nesta segunda (12) o ministro da Cidadania, João Roma. Em visita ao Maranhão, o ministro participou da entrega de alimentos que vão beneficiar 16 municípios do estado e uma série de outros benefícios para o estado.

“Os investimentos do Governo Federal somam benefícios como a distribuição de cestas básicas, através da iniciativa Brasil Fraterno, veículos para fortalecer o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que favorecem desde a agricultura familiar até o cidadão que está na ponta, precisando da segurança alimentar, e veículos do MOBSUAS, que vão aprimorar o atendimento à população em situação de vulnerabilidade e risco social”, disse o ministro em suas redes sociais.

A visita de João Roma ao Maranhão foi alinhada com Aluísio Mendes ainda na semana passada, em Brasília. “Estamos trabalhando forte para também trazer ao Maranhão todo esse aparato de benefícios operado pelo Governo Federal no resto do país”, disse Aluísio.

Na cerimônia, acontecida no Parque do Bom Menino em São Luís, foram distribuídas simbolicamente 160 toneladas de alimentos que devem beneficiar 16 cidade do Maranhão. Além disso, o ministro anunciou diversas obras para os municípios maranhenses como, distribuição de equipamentos agrícolas e distribuição de cestas básicas para comunidades Quilombolas, indígenas, e comunidades de municípios que tem um decretado calamidade pública.

Plano A

Saída de Cleide Coutinho da política atrapalha planos de Flávio Dino

Governador havia indicado Cleide para o cargo de vice na chapa de Carlos Brandão. Intenção era “neutralizar” vice em possível retorno do comunista em 2026

Ex-esposa do lendário Humberto Coutinho, a deputada estadual Cleide Coutinho (PDT) anunciou que não deve disputar um novo mandato político. Cleide havia sido indicada pelo governador Flávio Dino como vice em uma possível chapa ao lado de Carlos Brandão. A estratégia consistia em isolar o senador Weverton Rocha na disputa do ano que vem. O anúncio de Cleide forçará Flávio Dino a buscar uma outra alternativa para o cargo.

O PLANO

Indícios dão conta de que Flávio Dino tem como “plano B” na política uma possível volta ao governo em 2026. Daí a preferência por Brandão, que irá buscar reeleger-se no ano que vem após a renúncia do próprio Flávio Dino. Ao contrário de Weverton, o tucano não poderá, caso eleito no ano que vem, disputar novamente o cargo de governador em 2026. O cargo ficaria livre para um possível retorno de Flávio Dino.

A última “ponta solta” na estratégia era o cargo de vice na chapa de Carlos Brandão. Weverton Rocha chegou a sugerir que poderia abrir mão da disputa no ano que vem e indicar o vice na chapa de Brandão. Com isso, Weverton garantiria o apoio do preposto em 2026 quando Carlos Brandão deixasse o cargo para disputar o senador, assim como deve fazê-lo o governador Flávio Dino. A recusa de Flávio Dino no consenso escancarou os planos do comunista de voltar ao governo nas próximas eleições e deixaram abalada a relação com o senador. A médio e longo prazo, dentro dos planos de Flávio, Weverton não disputará o governo.

O desinteresse de Cleide Coutinho pela política, segundo alguns observadores, já era percebido na Assembleia Legislativa. Sabedor disso, o governador Flávio Dino (PSB) via na ilustre política de Caxias uma forma de neutralizar o perigo de que o vice de Carlos Brandão, desde que eleito com o tucano, tente disputar a eleição em 2026. Cleide Coutinho, que desfruta de um respeito inabalável dentro do grupo governista, teria seu nome aclamado por unanimidade ao mesmo tempo que não demonstra interesse em seguir na vida pública. Ao anunciar que não deve mais disputar, Cleide pode ter atrapalhado os planos de Flávio Dino de usá-la.

A notícia da aposentadoria política de Cleide Coutinho foi dada em primeira mão pelo jornalista Ricardo Marques.

Quer aparecer?

Após trair Bolsonaro, Kajuru quer renunciar

Senador mostrou-se desiludido com a política e diz que só não abandonou a política por conta de sua “equipe”

Semanas após divulgar conversa com o presidente Jair Bolsonaro e ajudar a agravar a crise política no Brasil, o senador Jorge Kajuru (Podemos) disse que pensa em renunciar ao mandato ainda neste ano. A declaração foi dada em entrevista ao site Poder360.

Na conversa, o senador afirmou que a única razão pela qual ele continua no cargo é a sua equipe parlamentar. Kajuru disse “não querer morrer de terno e gravata”.

Antigo aliado do presidente, Kajuru usou a proximidade a Bolsonaro para divulgar uma conversa entre ele e o presidente sobre a CPI da Covid. Após o episódio, ele se voltou contra Bolsonaro e acabou se tornando um dos autores da notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro no caso Covaxin.

Kajuru, que chegou a ser uma esperança de renovação política nas últimas eleições, mostrou-se uma espécie de Alexandre Frota. Midiático e desbocado, o senador passa à distâncias das grandes discussões do Congresso Nacional e ganha notabilidade apenas por espetáculos absurdos. Até mesmo este anúncio de possível renúncia pode ser um deles.

Kajuru mostra que a política tradicional, chamada de velha política, não é o fundo do poço.

Ditadura

Miséria, pandemia e ditadura detonam rebelião em Cuba

Governo impõe forte repressão com violência física e prisão de manfestantes. Como forma de impedir divulgação dos protestos pacíficos, jornalistas estão sendo detidos e a internet em alguns locais do país foi cortada.

O povo resolveu dizer “não” para a ditadura cubana neste domingo. Após a falência do sistema de saúde do país, a destruição da já debilitada economia por lockdowns severos e a falta de comida, milhares de pessoas saíram às ruas de várias cidades cubanas para pedir o fim do regime de extrema esquerda.

O primeiro-secretário do Partido Comunista do país, Miguel Díaz-Canel, convocou tropas e milícias para reprimir os protestos. “Estamos convocando todos os revolucionários, todos os comunistas, a irem às ruas onde existirem esforços para produzir essas provocações”, anunciou.

Além da repressão com violência física, o governo também cortou os sinais de internet e telefone do país. Apesar da tentativa de impedir a circulação de informações, registros de prisões, espancamentos e detenção de jornalistas já foram divulgados.

Cuba vive uma ditadura sanguinária que já exterminou mais de 100 mil pessoas ao longo dos últimos 70 anos. A violência do regime é tão volumosa que, mesmo com as constantes de tentativas de fuga do país, esse tipo de protesto é raro.

Avanço

Maranhense é relator do processo de privatização dos Correios

Relatório que deve embasar processo de quebra de monopólio nos serviços postais do Brasil foi produzido pelo deputado federal Gil Cutrim. Privatização da empresa irá libertar brasileiros do péssimo serviço prestado pela empresa

O deputado maranhense Gil Cutrim (Republicanos) é o relator do projeto que sobre a privatização dos Correios. Caberá ao maranhense a o relatório do Projeto de Lei 591/21, que autoriza a exploração de serviços postais pela iniciativa privada. Em suma a proposta trata da privatização dos Correios.

O projeto, apresentado pelo Governo Federal, faz mudanças na legislação postal para autorizar o acesso da iniciativa privada a serviços prestados hoje em regime de monopólio pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

O texto foi concluído ontem (8) e enviado a parlamentares da comissão especial destinada a discutir o tema. Em seu relatório, Cutrim sustenta que, “em várias partes do mundo, há uma tendência de que as comunicações sejam privatizadas”.

Deputado federal Gil Cutrim (Republicanos)

Em seu relatório, o maranhense estabelece um período de estabilidade pós-desestatização, em que o servidor teria sua estabilidade garantida por 18 meses.

“Consideramos necessário assegurar estabilidade a todos os empregados da ECT durante os dezoito meses subsequentes à desestatização, vedando sua dispensa sem justa causa nesse período, bem como disponibilizar-lhes plano de demissão voluntária com os seguintes parâmetros: a) período de adesão de 180 dias contados da desestatização; b) indenização correspondente a doze meses de remuneração; c) manutenção do plano de saúde pelo período de doze meses contados da adesão; e d) programa de requalificação”, diz o relatório. 

O relatório de Gil Cutrim, que deve embasar o voto dos parlamentares da Câmara Federal, já está em análise no colegiado de líderes partidários da casa. Na manhã desta sexta (9), o ministro das Comunicação, Fábio Faria Jr, parabenizou o relatório de Cutrim.

A privatização da empresa é considerada por muitos como um marco na modernização do comércio online. O monopólio dos Correios é considerado nocivo ao mercado e impõe atrasos na implantação de novas tecnologias.

Prestígio

Bolsonaro e Lula disputam apoio de José Sarney

Adversários tem visitado ex-presidente nas últimas semanas atrás de conselhos e direcionamentos políticos

O presidente Jair Bolsonaro visitou o ex-presidente José Sarney ontem (7). Esta já é a segunda vez que Bolsonaro visita o maranhense neste ano. Após a primeira visita de Bolsonaro, acontecida em maio, o ex-presidente Lula também foi ao encontro de José Sarney.

Político mais longevo do país na atualidade, José Sarney ocupa o posto de principal conselheiro de presidentes quando o Brasil entra em rota de crises institucionais. Foi assim com Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff, Michel Temer e, mais recentemente, com Jair Bolsonaro.

Presidente do país durante a redemocratização e promulgação da Constituição de 1989, José Sarney foi deputado federal, governador e senador. Ele ainda ocupou por diversas vezes a Presidência do Senado.

Covidão

Gestão de Edivaldo Jr volta a ser acusada de desviar recursos contra a Covid-19

Veículo apreendido hoje após investigações que mostram supostos desvios na ordem de mais de R$ 3 milhões  

Operação da Polícia Federal desencadeada nesta quinta voltou a cumprir mandados de busca, apreensão e prisão contra desvios de recursos do combate à Covid-19 em São Luís. Investigações da Polícia Federal revelam supostos desvios em processos licitatórios instaurados, em 2020, pela Semus ludovicense para a compra de insumos. Na época dos crimes, a cidade era gerida pelo prefeito Edivaldo Holanda Jr. Em abril deste ano a Polícia Federal já havia realizado operação contra o ex-secretário de saúde da gestão, Lula Fylho.

Denominada de “Alinhavado”, a operação agiu em São Luís, Codó, Brasília (DF) e Boa Vista (RR).

“Restou constatado que o grupo criminoso utilizou diversos mecanismos de fraudes para maquiar as irregularidades dos certames licitatórios, que teriam sido deflagrados com o ajuste prévio das empresas vencedoras. Além da frustração do caráter competitivo dos procedimentos licitatórios, de acordo com análises da Controladoria Geral da União – CGU, evidenciaram-se superfaturamentos contratuais e simulação de vendas, gerando prejuízo milionário aos cofres públicos”, diz nota da Polícia Federal sobre a operação.

A operação, realizada por 30 policiais federais, cumpriu cinco mandados de busca e apreensão e cinco mandados de bloqueio de bens, expedidos pela 1ª Vara Federal de São Luís.

Atraso

Falta de Plano Diretor moderno aprisiona São Luís no atraso

Simplício Araújo solitariamente cobra por algo que deveria ser prioridade de toda a classe política da capital

Enquanto o vereador Umbelino Junior (PRTB) esbraveja por espaço na administração municipal, Andrey Monteiro (Republicanos) se “prostitui pela alegria” e os demais colegas da Câmara de Vereadores se ocupam das mais variadas situações, o Plano Diretor de São Luís segue sendo uma âncora que afunda a cidade no anacronismo.

O Plano Diretor consiste em um conjunto de regras e leis que determinam todo o ordenamento de uma cidade. Sua elaboração é de responsabilidade da Câmara de Vereadores. Entre os principais objetivos do plano, está o impedimento do crescimento desordenado da cidade. Para tanto, ele funciona como uma espécie de guia que estipula as direções e limites relativos ao desenvolvimento e crescimento urbano.

É o Plano Diretor quem determina os rumos de uma cidade, o que é permitido e proibido, onde e quando algo pode acontecer. Teoricamente, o Plano Diretor é uma espécie de “constituição espacial” de uma cidade. Pois estabelece quais os projetos mais adequados para atender as necessidades dos cidadãos e proporcionar melhorias na qualidade de vida da população.

Apesar da importância, o atual Plano Diretor de São Luís é um emaranhado de abstrações compiladas em meras VINTE PÁGINAS que não trazem quase nenhuma certeza e condenam os moradores de São Luís a interpretação. O documento foi aprovado em 2006, durante o último mandato do ex-prefeito Tadeu Palácio.

Não por acaso, o secretário de Estado da Indústria, Comércio e Energia do Maranhão, criticou nesta semana a ausência de um documento estruturado.

“Ao não avançarmos na pauta do Plano Diretor de São Luís, não só perdemos bilhões de reais e milhares de empregos, como se perde a oportunidade de agregar valor à nossa capital e paralisação do desenvolvimento da nossa cidade”, disse.

A preocupação de Simplício é corroborada pelos fatos. As praias sofrem com a ação destruidora da Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão. Outras áreas que deveriam atrair turistas, como a Lagoa da Jansen, estão esquecidas. Boa parte do empresariado que pretende investir na cidade teme pelo futuro incerto do zoneamento urbano.

Para ficar em um exemplo, o atual plano diretor de São Luís possibilita apenas prédios de até 15 andares. Apenas uma, entre uma série de estrovengas que impedem o crescimento da cidade.

A preocupação de Simplício Araújo deveria ser, sem nenhum tipo de dúvida, compartilhada por todos os que acreditam que amarras não possibilitam movimento. Deveria ser óbvio, mas não é.

Traição?

Flávio Dino desidrata PCdoB que deve voltar a ser nanico no Maranhão

Governador comanda debandada massiva de secretários, deputados e lideranças políticas que deve rebaixar ex-partido na política maranhense.

Tudo indica que o PCdoB deve retornar ao ligar de partido nanico na política maranhense. Após a filiação de Flávio Dino no PSB, uma série de “comunistas” também estão deixando a legenda e buscando filiação no novo partido do governador.

Depois de o governador Flávio Dino filiar-se ao PSB, um desembarque em massa de auxiliares dele também ocorrerá no partido.

Amanhã (8) devem se filiar ao partido os secretários Rogério Cafeteira (Esporte), Catulé Jr. (Turismo) e Marcos Pacheco (Políticas Públicas) e a presidente do Procon-MA, Karen Barros. Na semana passada o deputado estadual Duarte Jr também filiou-se ao partido. O secretário de Articulação Política, Rubens Jr, confidenciou ao jornalista John Cutrim que pode trocar o PCdoB pelo PSB.

Dada a velocidade das saídas, é provável que até o fim do ano apenas o secretário Márcio Jerry continue na sigla, que irá retornar ao lugar que sempre ocupou na política local: o de partido pequeno.

Alerta

Campanha de Bolsonaro no Maranhão em 2022 comprometida

Negação do bolsonarismo por Lahesio Bonfim e indefinição de Roberto Rocha colocam em risco canditura do presidente no estado

As recentes declarações do prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim, e a indecisão do senador Roberto Rocha colocam em risco o palanque de Jair Messias Bolsonaro no Maranhão. Uma semana após Lahesio recursar o rótulo de bolsonarista e afastar apoiadores do presidente de sua pré-candidatura, o senador Roberto Rocha disse que prefere disputar novamente uma vagada para o Senado Federal

“Minha preferência é pelo Senado, mas vejam que eu não tenho nem partido, ainda. É preciso ter uma chapa forte, um candidato a governador. Vamos aguardar a conjuntura favorável”, disse Roberto Rocha.

Roberto Rocha não assegurou que irá abdicarda candidatura ao governo. No entanto, sua indefnição gera turbulência entre os eleitores bolsonaristas dada a atuação de afastamento do presidente pelo, até então, outro candidato Alahesio Bonfim.

Na semana passada o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim, afirmou em entrevista no Bom Dia Mirante que não quer ser rotulado de bolsonarista. A declaração causou uma debandada entre apoiadores de Lahesio nas redes sociais e, segundo alguns, enterrou a pré-candidatura do prefeito.

Bonfim acreditava que o presidente iria apoiar o senador Roberto Rocha nas eleições do ano que vem. Por conta disso, meses atrás iniciou um processo de descolamento da imagem do presidente. Além de derreter nas redes sociais após a declaração, o comportamento de Rocha ontem mostra que ele errou na previsão. Nos últimos dias Lahesio tenta, sem sucesso, ligar novamen te sua imagem ao presidente.

Como apenas Lahesio e Roberto Rocha já haviam manifestado interesse e representar o presidente no estado, o palanque de Jair Bolsonaro no Maranhão está comprometido.

Violência

Deputada denuncia agressões de evangélicos por macumbeiros no MA

Mical Damasceno repudiou intolerância religiosa e violência contra evangélicos movida por umbandistas em São Luís

Segundo a deputada Mical Damasceno (PTB), membros da Assembleia de Deus estão sendo perseguidos por umbandistas no bairro Vila Nova, em São Luís. Os evangélicos foram agredidos física e verbalmente em algumas ocasiões e impedidos de realizar cultos.

A ação contra a prática religiosa que fere diretamente a liberdade de culto estaria coordenada pelo “pai de santo” João Curador.

A perseguição de grupos cristãos tem se tornado prática comum no Maranhão, principalmente por grupos esquerdistas. Apesar disso, muitos evangélicos, como a senadora Eliziane Gama, são alinhados a projetos esquerdistas.

Nos últimos meses a deputada Mical Damasceno se tornou uma voz contra estes ataques.

Jogo sujo

Flávio Dino cometeu crime eleitoral em reunião partidária

Ministério Público Federal proíbe uso de imóveis públicos para beneficiar candidato ou partido. Na segunda (5), comunista realizou encontro partidário de sua candidatura no Palácio dos Leões

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a reunião promovida pelo governador Flávio Dino (PSB) no dia 5 de julho desrespeitou a legislação eleitoral. O governador usou as dependências do Palácio dos Leões em evento de caráter político em que lideranças partidárias assinaram documento de compromisso com a candidatura do comunista. A prática é vedada pela lei.No site do MPF, mais especificamente na Procuradoria-Geral Eleitoral, uma seção mostra o que é proibido e permitido nas eleições. Entre as proibições está o uso de bens imóveis para beneficiar candidato ou partido. Diz o texto:

Usar materiais ou imóveis pertencentes à União, estados, Distrito Federal, territórios ou municípios para beneficiar campanha de candidato ou partido (exceções: realização de convenção partidária, utilização de carro oficial pelo presidente da República – com ressarcimento posterior pelo partido/coligação, utilização de residências oficiais para atos não-públicos).

A íntegra das regras podem ser encontradas no SITE.

Além de vasto material fotográfico divulgado nas redes sociais, até mesmo um documento assinado que comprova o caráter eleitoral do encontro.

Na ocasião promovida pelo governador, os participantes foram “obrigados democraticamente” a firmar carta de compromisso com a candidatura dele ao Senado a mais de um ano e meio das eleições.

Uma semana antes do crime eleitoral comentido no Palácio dos Leões, o secretário Rubens Pereira Jr divulgou cvídeo em que conclama funcionários públicos do estado a espionarem prefeitos do interior.

Até o momento o Ministério Público estadual não se manifestou sobre as situações.

Eleições 2022

Flávio Dino vira “imparcial” em reunião engana trouxa

Comunista prometeu a aliados ser imparcial nas eleições de 2022. Em 2012 a promessa de imparcialidade era apenas jogo de cena. Flávio Dino tenta, mais uma vez, tapear aliados para ganhar tempo.

Em 2012 Flávio Dino prometeu ao ex-prefeito Tadeu Palácio, e para os então deputados federais Eliziane Gama e Edivaldo Jr, que a escolha do candidato ao cargo de prefeito de São Luís seria determinada por pesquisas. Meses depois da promessa, ele fez a opção por Edivaldo Holanda Jr que estava no último lugar entre os três. Passados quase 10 anos após a tapeação, o comunista volta a lançar mão na estratégia. Dino convocou uma grande assembleia com as várias lideranças de seu grupo político em que prometeu “imparcialidade” na escolha do candidato do grupo em 2022.

Após a humilhação nas eleições de 2020 na capital maranhense, Flávio Dino teme que a divisão do grupo motivada por sua arrogância e personalismo lhe imponham uma nova derrota. A guerra fria entre Carlos Brandão e Weverton Rocha, a liderança da ex-governadora Roseana Sarney, a ascensão de Edivaldo Holanda Jr e a sombra de Jair Bolsonaro também preocupam.

Para piorar, Flávio Dino sabe que, ao contrário de 2012 quando gozava de certo prestígio que fatalmente elegeria qualquer um que fosse escolhido por ele, em 2022 ele deixa um governo que fracassou. Após oito anos de comunismo, poucas promessas foram cumpridas e o paraíso prometido nas eleições de 2014 não veio. Flávio Dino precisa de tempo para respirar.

O tom de soberba observado em reuniões anteriores, ontem deu lugar a um Flávio Dino humilde, conciliador e “democrata”. O governador chegou a afirmar que pretende ser “imparcial”.

Acontece que o desejo de reservar o governo do Maranhão para as eleições de 2026 é o principal agente de desagregação no grupo de Flávio Dino. A reunião foi uma cortina de fumaça e nada mais que isso.

A imparcialidade de Flávio Dino não existe porque nenhum ser humano é capaz de ser imparcial quando o assunto é si mesmo. E todo movimento político do governador diz respeito a ele mesmo. Imparcial? Tem gente que acredita…

Eleições 2022

Escutec 4: Eleitor de direita prefere bolsonarista e recusa isentão”

Pesquisa mostra que enquanto Lahesio se distancia do presidente, Roberto Rocha se consolida como opção da direita no estado

O senador Roberto Rocha e o prefeito Lahesio Bonfim são os dois pré-candidatos que disputam o voto do eleitor considerado de direita no Maranhão. Rocha se apresenta como bolsonarista, Lahesio recusa o rótulo e prefere ser chamado de “conservador”.

Segundo a pesquisa, o discurso de Roberto Rocha tem sido mais efetivo. O senador tem 8% das intenções de voto. Já Lahesio Bonfim está ao lado de Josimar de Maranhãozinho na última colocação com 3% das intenções de voto.

Pelo cenário e após as declarações desastrosas de Lahesio, a identificação do eleitor do presidente Jair Bolsonaro com Roberto Rocha pode cristalizar-se nos próximos meses. O presidente tem cerca de 30% das intenções de voto no estado. Caso consiga transferir os votos, Bolsonaro pode colocar seu representante no segundo turno.