O empresário Eduardo Imperador é apontado como chefe da quadrilha acusada pela PF de fraudar licitações

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está colaborando com investigação da Polícia Federal sobre fraudes em licitações por empresas. Um funcionário da empresa foi afastado e a gerência no estado trabalha diretamente com a PF na apuração das denúncias.

A operação Odoacro, deflagrado dia 29 de setembro), identificou uma organização suspeita de atuar em fraudes licitatórias e no desvio de recursos públicos envolvendo verbas federais.

Na documentação da investigação, a PF destacou que o empresário Eduardo José Barros Costa, sócio oculto da Construservice, é o chefe da quadrilha. Conhecido no Maranhão como Eduardo Imperador, o empresário já é figura costumeira em denúncias de fraudes desta natureza nos últimos 10 anos. Eduardo Imperador chegou a ser preso na primeira fase da operação e depois foi solto.

Segundo os advogados do empresário, “tudo o que há nos autos do inquérito policial em curso é fruto apenas do início da investigação e da visão unilateral da Polícia e do Ministério Público sobre os fatos”. Eles disseram ainda que Costa “nunca sequer foi notificado para falar, apresentar documentos e/ou quaisquer outras manifestações defensivas”.

Confira a nota da empresa:

Em atenção a notícias veiculadas nesta terça-feira (04/10) sobre ações de autoridades policiais no Maranhão, a Codevasf informa que colabora com o trabalho da Justiça e que o processo judicial correspondente encontra-se sob segredo de Justiça. Assim que foi comunicada sobre o caso pelas autoridades, a Companhia prontamente afastou de suas funções o profissional associado aos temas sob investigação. A Empresa possui sólida estrutura de governança implantada; indícios de conduta ilegal ou antiética por parte de seus funcionários são apurados, em quaisquer casos.

Atenciosamente,
Assessoria de Comunicação | Codevasf