Tamanho das placas do comitê de Imperatriz justificou decisão que resultou em operação na manhã deste sábado. Candidato acredita em perseguição.

O comitê do candidato Lahesio Bonfim (PSC) em Imperatriz foi alvo de operação da Justiça Eleitoral na manhã deste sábado (10 de setembro). A ação, considerada arbitrária pela assessoria jurídica da campanha, invadiu o comitê e destruiu material de campanha do candidato. “Por conta de algumas placas fora do padrão, o juiz ordenou busca do material e destruição. Isso é totalmente afrontoso à legislação eleitoral. Isso é um ato claro de perseguição”, disse a assessoria.

O destacamento de policiais e agentes da Justiça Eleitoral chegou ao comitê, localizado na avenida Pedro Neiva de Santana, por volta das 10h da manhã. Segundo os trabalhadores que estavam no local, a abordagem foi agressiva. “Já chegaram pegando as coisas e preparando para serem cortadas e rasgadas”, disse um dos presentes.

Vídeos gravados mostram o momento em que vários materiais de campanha do candidato Lahesio Bonfim são destruídos com estiletes pelos agentes da Justiça Eleitoral.

“Não se tem notícia de uma ação em que o material de campanha é destruído”, disse a assessoria jurídica da campanha.

A ação truculenta teve como justificativa o tamanho do material usado por Bonfim. Segundo a coordenação da campanha, o comitê já havia sido notificada dias antes. As peças foram readequadas e a coordenação acreditou que o problema estava resolvido. Ocorre que o juiz eleitoral decidiu pela ida da polícia até o local e destruir o material poucas horas depois.

A medida não encontra amparo da legislação segundo a assessoria do candidato. “O material já havia sido readequado e colocado dentro do comitê. Mesmo que continuasse a acreditar em desvios, o juiz deveria representar o Tribunal Regional Eleitoral e aplicar de multa. A ordem de destruir o material foi abusiva”, disse a assessoria.

Em suas redes sociais, Lahesio lamentou a invasão do comitê e a destruição do material. “Destruíram nosso comitê, mas não vão destruir nossa esperança. Vamos continuar firmes na campanha”, disse.

A coordenação da campanha acredita que a volta aos trabalhos no comitê na segunda maior cidade do Maranhão leve dois dias.