Ex-governador teme ser confrontado com escândalos de corrupção envolvendo respiradores, o suicídio suspeito do médico Mariano de Castro Silva e pelos índices de miséria e desemprego em sua gestão

A ausência do ex-governador Flávio Dino (PSB) em sabatinas e debates chamou a atenção nas primeiras semanas da campanha. Sempre tão assertivo nas redes sociais e, em muitas vezes, criticando adversários que fogem destas situações, o comunista simplesmente decidiu não ir ao primeiro debate e em uma sabatina de uma emissora da capital maranhense.

Observadores e analistas das eleições ouvidos pelo site acreditam que a quebra das promessas nas eleições de 2014 e 2018 são as principais justificativas para a fuga.

Segundo eles, o candidato teme que seus adversários o questionem sobre o roubo de R$ 9 milhões de reais de respiradores durante sua gestão, do suicídio de Mariano de Castro Silva (envolvido em um grande escândalo de corrupção no governo Dino), do caos no ferryboat, do saque de mais de R$ 1 bilhão do Fundo Especial de Pensão e Aposentadorias dos funcionários do estado ou dos escândalos de corrupção na Secretaria de Infraestrutura.

Anos atrás, inclusive, Flávio Dino criticou políticos que faltam a debates.