Felipe Camarão usou as redes socias para atacar o presidente Jair Bolsonaro e classificou a tentativa de baixar o preço da gasolina de “engodo”.

O ex-secretário de Educação do Maranhão, Felipe Camarão (PT), que vai disputar as urnas pela primeira vez como vice na chapa de reeleição de Carlos Brandão (PSB), tem focado em atacar o governo federal. Nesta sexta (08), Camarão atacou o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), criticando à lei aprovada no Congresso Nacional que limita o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o diesel, a gasolina, a energia elétrica, as comunicações e os transportes coletivos.

O petista publicou um vídeo, em seu perfil oficial no Instagram, de uma jornalista da Bahia que comenta a queda dos preços dos combustíveis na região baiana.

Camarão afirmou que “a redução de centavos não vai retirar o trabalhador brasileiro da carestia dos combustíveis”.

“A apresentadora da TV Bahia, Jessica Senra, não poderia ter sido mais precisa. É isso mesmo: a redução do ICMS é o governo federal fazer “gentileza com o chapéu dos outros”. A redução de centavos não vai retirar o trabalhador brasileiro da carestia dos combustíveis, que é pagar 7 reais por um litro de gasolina. A única coisa que Bolsocaro fez foi retirar da receita dos estados e municípios um recurso que é fundamental para investimentos em serviços essenciais como segurança, saúde e educação”, pontuou.

O ex-secretário de Educação do Maranhão continuou criticando o governo Bolsonaro e, com forte discurso de ódio, chamou o presidente do Brasil de “verme” e classificou a tentativa de baixar os preços dos combustíveis de “engodo”.

(…) “Mas vamos lá, infelizmente os brasileiros que sempre criticaram e atribuíram o aumento dos combustíveis ao ICMS vão perceber agora o grande engodo que caíram. O governador Brandão fez sua parte. Agora FAÇA SUA PARTE, BOLSOCARO e pare de mentir para o povo ! E nós, cidadãos, também devemos fazer nossa parte e tirar esse verme – que a única coisa que soube fazer é aumentar a miséria – do comando do nosso país!”, disse.

Camarão também republicou na rede social o comentário da jornalista Jessica Senra, da TV Bahia.

“Redução do ICMS para os combustíveis… medida eleitoreira e que não resolve o problema – ou os inúmeros problemas que impactam no combustível e, consequentemente, em inúmeros outros produtos. Tiraram apenas o bode da sala…”, diz o comentário.

CONTRA LEI

O governo do Maranhão entrou em uma batalha judicial para evitar a redução do ICMS na gasolina, que deveria ser fixada em, no máximo, 17%, conforme projeto de lei sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) no dia 23 de junho. Atualmente, a taxa do ICMS no Maranhão é de 28,5%.

Nessa semana, Carlos Brandão comunicou o envio de um projeto para a Assembleia Legislativa que visa alterar a própria alíquota, obtendo a redução de 28,5% para 18%, como prevê à lei federal.