Bolsonaro disse que nada justifica à violência. E o convidou os familiares do petista para um encontro.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, ligou para a família do tesoureiro do PT de Foz de Iguaçu, Marcelo Arruda, morto após troca de tiros com um eleitor do presidente no último domingo (10 julho).

Bolsonaro, na tarde desta terça (12 junho), disse aos familiares de Arruda que nada justifica à violência. Afirmou ainda que a esquerda está tentando politizar o assassinato.

O presidente, em tom de respeito, convidou os familiares para participarem de um encontro.

“Estamos ainda definindo se vamos para Brasília ou se vamos pedir para o presidente vir a Foz “, afirmou o irmão de Marcelo ao GLOBO.

Os irmãos do petista, procurados pelo presidente, são apoiadores de Bolsonaro.

José Arruda afirmou ao GLOBO que Bolsonaro estava “sensibilizado” pelo acontecimento e que lamentou não poder acompanhar a visita do deputado Otoni de Paula, que intermediou a conversa entre o presidente e os familiares.

Arruda defendeu o presidente e afirmou que ele não “aceita” violências como a que aconteceu com seu irmão.

“Ele não aceita esse tipo de coisa, essa violência. As pessoas estão usando o nome dele, e ele não aceita esse tipo de atitude”.