Sertanejo não pegou empréstimo em banco público. Informação sobre transação entre empresa e cantor é falsa.

A empresa de investimentos One7, ligada ao fundo que comprou shows do cantor Gusttavo Lima, não pegou R$ 320 milhões emprestados com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). A informação falsa está sendo repassada nas redes sociais e reproduzida por sites de esquerda.

O nome do fundo que detém os direitos do show do cantor é o Four Seven. A One7, acusada de pegar o empréstimo, é um cotista e entrou no negócio apenas em agosto de 2021 com apenas R$ 20 milhões. Valor muito abaixo dos R$ 320 anunciados pela imprensa. Além de Lima, o fundo ainda existem outros 6 artistas cujos shows estão nas mãos do fundo.

A notícia foi montada porque a One7, além de investir no fundo Four Seven, também é cotista no fundo de incentivo a pequenas e médias empresas chamado FIC FIDC XP Brasil MPME.

Em 2020, o BNDES abriu chamada pública para selecionar fundos deste tipo. Doze foram escolhidos em uma pré-seleção, entre eles o XP Brasil MPME, integrado pela One7, sendo que dez serão efetivamente contratados pelo banco. O fundo terá um aporte de R$ 320 milhões do BNDES. O dinheiro será emprestado a pequenas e médias empresas de todo o país, e não ao cantor como foi noticiado.

Ou seja: os dois negócios são completamente diferentes e a entrada da empresa no fundo ligado a Lima, além de ser com quantia que não representa 10% do aporte no fundo XP Brasil MPME, ainda aconteceu com um intervalo de 1 ano.

A notícia é falsa.