Enquanto se recupera de cirurgia de retirada de um cisto nos rins, o Maranhão enfrenta duras crises na segurança pública e caos no serviço de ferryboat.

Através de artigo divulgado neste último domingo (05/06), o governador Carlos Brandão (PSB) divulgou que retornará ao cargo na próxima semana.

“Retornarei na próxima semana, sem dar peso algum a comentários maldosos. Apenas respeitando e valorizando – ainda mais – minha família, meus amigos e todos aqueles que, assim como eu, querem um estado cheio de autoestima e acreditando no que podemos construir juntos. Afinal, ainda há muito por vir”, disse o tucanosocialista.

Enquanto se recupera de uma cirurgia de retirada de um cisto nos rins, o estado do Maranhão passa por crises na segurança pública e caos no serviço de ferryboat.

De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública, a Grande Ilha já soma mais de 140 mortes violentas durante os cinco primeiros meses deste ano. Inclusive, somente no mês de maio o registro foi de 23 assassinatos e 78% desses casos ocasionados por arma de fogo.

Além disso, serviço de ferryboats tem sido alvo de constantes reclamações dos usuários. E não é por menos. Desde que Flávio Dino assumiu o governo do Maranhão em 2015, o serviço foi sucateado e virou alvo de críticas da população. Após intervenção do Governo do Estado no sentido de melhorar o transporte aquaviário, o serviço de travessia só piorou.

Na noite da última sexta (03/06), o ferryboat Baía de São Marcos, com capacidade para 400 pessoas, realizava uma viagem extra quando encalhou em um trecho da travessia entre São Luís/Alcântara.

O episódio é mais um de uma série que tem transformado a travessia em um inferno para a população da Baixada Maranhense e São Luís.