Medida faz parte da ‘política zero covid’, que pretende conter a disseminação do coronavírus na cidade.

O presidente da China, Xi Jinping, não tem a intenção de abolir sua política zero covid na cidade de Xangai, localizada a 1,2 mil quilômetros de Pequim. Em discurso proferido durante uma reunião com o comitê permanente do Politburo, o mais alto órgão decisório do Partido Comunista, o líder chinês ressaltou que as medidas aplicadas na metrópole foram adequadas.

“Ganhamos a batalha para defender Wuhan e certamente seremos capazes de vencer a batalha para defender Xangai”, afirmou Xi.

A China é a última grande economia ainda comprometida com uma política de contenção e eliminação do vírus. Em Xangai, por exemplo, cuja população ultrapassa os 25 milhões de habitantes, os cidadãos foram obrigados a entregar suas casas para a ditadura chinesa, que pretende instalar centros de quarentena em algumas regiões da metrópole.

O país registrou quase 4,7 mil novos casos de covid-19 no último sábado, incluindo 4,2 mil em Xangai e 70 em Pequim. A Província de Henan, que acaba de entrar em confinamento, registrou 79 novas infecções.

Em razão desse aumento, o governo chinês adiou os Jogos Asiáticos, inicialmente programados para ocorrer em setembro. Novas datas serão anunciadas no futuro, segundo o Conselho Olímpico da Ásia.

Na última quinta-feira, Xi alertou aqueles que se opõem às medidas: “Lutaremos de modo resoluto contra todas as palavras e ações que distorcem, duvidam e negam nossas políticas de prevenção de epidemias”.