O pré-candidato ao governo do Maranhão disse que saiu do “conforto”, da briga do “poder pelo poder”, para tentar mudar os rumos do Estado.

Desde que anunciou que disputaria o governo do Maranhão, o senador Weverton Rocha tem mostrado que estará firme no pleito de outubro deste ano. Aliado histórico do ex-governador do Estado, Flávio Dino, Weverton diz que saiu do “conforto”, da briga do “poder pelo poder”, para tentar mudar os rumos do Maranhão.

A explicação para saída do grupo de Dino foi dada nas redes sociais. Após a colega senadora Eliziane Gama, que era aliada do projeto de Weverton, anunciar apoio a Carlos Brandão. Na ocasião, o senador maranhense ressaltou que neste ano optou por não seguir o caminho mais “fácil”.

“Em 2022, apareceram dois caminhos claros para mim. Um era o mais fácil: aceitar todo tipo de acordo em nome de um projeto de poder pelo poder. Outro é o de seguir lutando e representando um povo que não está totalmente satisfeito com a atual situação do MA e quer mais”, explicou o pré-candidato.

A insatisfação da população maranhense com os atuais gestores do Estado foi o que levou Weverton a entrar na disputa eleitoral. Segundo o senador, a intenção do grupo de Flávio Dino no Maranhão é apenas brigar pelo “poder”.

“Poderia ser o caminho da sombra, da água fresca. O caminho onde eu poderia estar aceitando todos os tipos de vantagens para renunciar uma candidatura e submeter, da forma mais vil, a um projeto que está aí (…) apenas pelo poder de poder”, completou.