Entenda por que a lacração foi tão comedida ao comentar a morte da menina de 11 anos no sambódromo: dores reais não importam.

Raquel Antunes Silva tinha 11 anos de idade. Confesso que não consegui ver os vídeos que registram o momento fatal. Ela é prensada contra um poste pelo carro alegórico da escola de samba “Em Cima da Hora”, do grupo de acesso do Rio de Janeiro. Foi socorrida e operada por 8 horas. Teve uma perna amputada mas, infelizmente, não resistiu.

O desfile prosseguiu porque o show tem de continuar, diz um dos meus sambas preferidos. Li em uma reportagem sobre o carnaval que o segundo dia de desfiles não atrasou tanto quanto o primeiro, sem mencionar o motivo.

O desespero da mãe da menina, Marcela Portelinha Antunes, contrasta com a apoteose do maior espetáculo da terra. A filha nem chegou a atrapalhar o carnaval, ele simplesmente atropelou a menina e seguiu festejando. Uma menina negra cuja família gosta de carnaval, que nem desfilando estava, havia comido um lanche estava tirando uma foto para guardar de lembrança.

A mãe passou mal, teve de ser atendida no hospital. Enterrou a filha enquanto a folia dominava o noticiário e a celebração. Ninguém merece enterrar um filho. O meu faz 11 anos mês que vem. Impossível alguém não ficar profundamente triste com a morte de Raquel, mas temos a impressão de que ninguém falou nada. Parece que ela é menos importante que o carnaval da “africanidade”. Seu Che Guevara de apartamento preferido não deve ter visto essa morte.

Onde estava todo o pessoal do Black Lives Matter versão tupiniquim para dizer que vidas negras importam, mais uma criança morre e ninguém faz nada, o racismo estrutural do Brasil se revela no genocídio do povo preto, etc. Infelizmente, a morte de Raquel, uma menina de 11 anos, não se encaixa no clichê do identitarismo ou movimento woke. Ela que lute.

Seria um erro confundir o identitarismo com as minorias que ele diz defender e com as quais pretende ser confundido. Houve gente do movimento negro chorando a morte e demandando justiça. A família não calou um segundo. A cobertura de imprensa foi extensa e deu apoio à família. A polícia esteve lá. Quem não estava? Os Che Guevara de apartamento que usam qualquer morte de criança negra para sinalizar virtude. É o barulho deles que você não ouviu.

As frases emocionadas e moralistas sobre assassinato de crianças valem quando cabem na narrativa divisionista do identitarismo. O que importa não é a criança nem a minoria, é o inimigo que você vai atacar. Se o inimigo for Bolsonaro ou a polícia, por exemplo, o identitarismo vai fazer o maior carnaval com mais uma morte de criança preta ignorada pela branquitude. E a imprensa, que está coalhada de fiéis da seita wokeísta, seguirá no mesmo rumo.

Desta vez não faltou cobertura de imprensa, mas o que você viu foi o relato de fatos e o espaço para que uma família chore publicamente a dor que ninguém quer ter de enfrentar. Por que parece tão insuficiente se efetivamente não foi? Porque nós nos acostumamos a reportagens que são o mais puro suco do colunismo moralista do identitarismo. É a condenação do demônio do outro lado pelo lado do bem, o que eu defendo.

Uma menina negra de 11 anos foi morta por alguém que dirigia um carro alegórico no carnaval que resgatou a “africanidade”, trouxe as religiões afro para a avenida. O identitarismo não tem o free pass para atacar isso, então a sinalização de virtude, argumentação emocional e apelos moralistas ficam de fora. Imagine que a mesma tragédia ocorresse numa motociata do presidente Bolsonaro. Qual seria a reação dos puristas do movimento woke nas redes e na imprensa?

Movimentos divisionistas que tem a ilusão de ser o lado do bem lutando contra o demônio são comuns na política em todo o mundo, mas representam a antipolítica. Essa infiltração ocorre em parte devido às redes sociais. Como esses grupos da seita woke usam os mesmos temas de muitos movimentos políticos, acabaram se infiltrando. Não podem, no entanto, ser jogados no mesmo balaio, como adorariam.

São esses os grupos que fomentam os julgamentos morais hipotéticos mais estapafúrdios. Uma criança morre em uma tragédia e eles já selecionam quem atacar. Vão apontar o dedo a alguém ou algum grupo dizendo que, se fosse uma criança branca, estaria indignado. Mas, como foi uma criança negra assassinada pela polícia, finge que nada está acontecendo. E esse pessoal não fez exatamente isso agora? Então eles também não se importam com assassinato de criança? Devagar com o andor.

Aqui está o pulo do gato para separar o joio do trigo. Apontar para alguém com o julgamento moral pesadíssimo de que “não se importa com assassinato de criança” é ação divisionista e extremista. Eu não diria que os Che Guevara de apartamento se importam com esta morte menos que com outras. Não é por isso a diferença de reação. O identitarismo se importa mais com o inimigo a combater do que com quem sofre, é por isso a diferença.

Fatos não importam. Pessoas reais e dores reais não importam. No mundo encantado do identitarismo, você pode ser um revolucionário a partir do seu sofá em Paris. É só fingir acreditar em toda baboseira pós-modernista, aprender o vocabulário inventado para parecer inteligente e, principalmente, atacar as pessoas certas com argumentos raivosos, emocionais e moralistas.

Há duas categorias de grupos em quem o identitarismo deve bater frequentemente. A primeira e mais óbvia é o demônio. No Brasil, ele pode ser traduzido como Bolsonaro e tem como derivados a polícia, o sistema judicial, o patriarcado, o racismo estrutural, etc. Quem está nesses grupos não deve ser tratado como ser humano e contra essas pessoas tudo é permitido, nada é errado.

O segundo grupo em quem o identitarismo precisa bater constantemente é o dos moderados. Pessoas com princípios e respeito humano são um obstáculo para empreendimentos como a seita woke. Se você não se dedica a destruir completamente alguém de quem discorda, é um empecilho para que isso seja socialmente aceito. Conclusão: você precisa ser destruído.

Entendendo como pensa o identitarismo, você consegue compreender o eloquente silêncio sobre a morte de Raquel por parte dos membros da seita. Não é porque sejam maus, moralmente inferiores, abjetos e cruéis como eles pensam que sejam todos os seres humanos fora do próprio grupo. É apenas porque, na lógica em que se organizam agora, vivem num universo em que só existem os inimigos e o combate. A própria realidade de bondade é inventada, como a tal da “africanidade” do carnaval 2022.

O identitarismo não conseguiu atacar um carnaval que resgatou a “africanidade” por não parar depois de literalmente esmagar uma menina negra de 11 anos de idade. Defender o universo simbólico é tudo o que esse grupo tem. A “africanidade” de que falam é o passado de perfeição que não existe mais, que não está mais na África. Imaginar que os orixás são a África de hoje é como pensar que grego vive indo em templo para Zeus.

A realidade não é um empecilho apenas na hora de combater os inimigos, também é na hora de falar dos próprios ideais de bondade. A África relatada nos enredos de escola de samba é aquela de séculos atrás, de onde foram sequestrados os negros escravizados e onde passaram a dominar os negros que compactuaram com esse processo. Os árabes que tiveram enorme participação nem existem nesse cenário idílico do invasor mau contra o bom selvagem.

Os que foram traídos pelos seus e desumanizados pelos invasores mantiveram viva aqui, no Caribe e em várias partes do mundo, uma cultura que foi esmagada. Quem vê o “africanismo” no carnaval não é informado de que a África real é predominantemente muçulmana. Aliás, os ditadores africanos de hoje amam o carvanal brasileiro e até financiam escolas que contam histórias idílicas sobre eles.

No mundo real, a africanidade do carnaval consiste em um mundo de artista bajulando ditador condenado que deixa o povo à míngua. E isso não é um julgamento moral, é o relato de um fato ocorrido em 2015. Teodoro Obiang, ditador da Guiné Equatorial, deu milhões à Beija Flor para que contasse a história de seu país de uma forma, digamos, adocicada. Deu certo.

O identitarismo é precisamente este produto de valor: a capa de superioridade moral que te permite tungar dinheiro de corrupção de ditador africano enquanto jura defender a “africanidade” e o antirracismo. O maior inimigo desse produto não é ter opositores tão delirantes quanto ele, é a realidade. Ela se impõe.

Mostrar a história correta dos Orixás cultuados pelo candomblé não é cultura africana, já é brasileira. A maior parte dos 3 milhões de praticantes mundiais do candomblé vive no Brasil. Atualmente, quase metade dos africanos é muçulmana. Juntando com cristãos e judeus, chegamos a 91% do continente. Entre os 8% restantes, há todo tipo de religião, inclusive as mais diversas religiões originais, chamadas pela maioria de “religiões animistas”.

O que existia lá foi destruído. O problema é que não foi destruído pelo inimigo em que o identitarismo quer bater, o branco europeu colonizador. Se ainda sobrou algo da cultura original de povos atacados e desmantelados, é só nas colônias deles mesmo. O tráfico de escravos pelos árabes, comum em território africano muito antes da chegada dos europeus, é o que mais incluiu imposição forçada da religião.

É possível argumentar que pessoas sequestradas e traficadas como escravas não adotam a religião do outro porque encontraram a fé. Existe obviamente uma dinâmica de coerção e poder utilizada pelos colonizadores cristãos. Mas os muçulmanos não se contentam com a declaração de fé, há que se fazer a sharia. A religião deve ser lei, as duas coisas em uma.

O carnaval brasileiro não celebra a África, celebra uma cultura que pode ter vindo de diversos países africanos, mas hoje só existe aqui. Também é a celebração mais aberta da nossa hipocrisia. A união perfeita do espetáculo com o crime organizado, dos artistas e poderosos com o que chamam de escória nos outros meses do ano. Ao povo participante da festa resta fingir que não vê a indecência e sonhar um pouco enquanto não é atropelado.

E, verdade seja dita, o carnaval de avenida já foi apropriado pela elite. Pouco a pouco vão morrendo os grandes sambistas que criaram e preservam um patrimônio cultural único. As escolas de samba vão misturando o crime organizado agora à elite, não mais ao baixo clero. Interessam as atrizes e comentaristas intelectuais que se metem no meio do carnaval. O espaço da cultura do samba encolhe porque o que faz o mundo girar é dinheiro, não beleza.

A maioria do povo não participa do carnaval de avenida. Os ingressos são proibitivos. A elite da comunicação que lucra com a festa trata de convencer o brasileiro de que aquele é o retrato dele.

Elza Soares, ícone do samba, que morreu este ano, encerraria o desfile da sua Mocidade Independente de Padre Miguel. A escola resolveu deixar o trono vazio, uma manifestação artística emocionante. Ninguém ocupa o lugar de Elza. A transmissão oficial da Globo não percebeu, não informou os brasileiros. Não importa, a transmissão inovou com uma apresentadora negra alfinetando a branquíssima Gabriela Priolli. É sobre isso.