Otimismo artificial na pré-campanha contrasta com falas desastrosas do ex-presidente, subida de Bolsonaro e mudança na estratégia eleitoral.

Apontado por institutos de pesquisa como líder nas intenções de voto e considerado favorito por alguns, o ex-presidente Lula decidiu trocar o marqueteiro de sua campanha. A decisão contrasta com a tentativa de passar um clima de otimismo na campanha. Nas últimas semanas o comando petista se incomodou com a ascensão de Bolsonaro nas intenções de voto, que chegou a crescer 10 pontos em alguns levantamentos.

A alegação oficial para a mudança de comando no marketing foram “razões administrativas e financeiras”. A empresa MPB, de propriedade do publicitário Augusto Fonseca, foi retirada da campanha. A equipe ainda chegou a produzir os primeiros vídeos das inserções partidárias do PT.

As peças geraram reclamação. Membros do partido chegaram a reclamar dos primeiros vídeos e passaram a defender nos bastidores a contratação de Sidonio Pereira, da agência Leiaute. Sidonio foi responsável pela campanha de Fernando Haddad, em 2018, eleição vencida por Jair Bolsonaro.

Além da demissão do marqueteiro, a pré-campanha do ex-presidente também sofreu com declarações consideradas desastrosas. Lula atacou evangélicos, defendeu o fim da reforma trabalhista, apoiou o aborto e disse que a classe média brasileira é a que mais ostenta no planeta.