Presidente falou que a última vez que uma campanha em massa para destruir literatura censurável aconteceu, foi pelos nazistas na Alemanha.

O presidente Vladimir Putin acusou nesta sexta (25) o Ocidente de tentar cancelar a cultura musical e literária da Rússia, incluindo os compositores Pyotr Tchaikovsky e Sergei Rachmaninov, da mesma forma que ele disse que cancelou a autora de “Harry Potter”, J.K. Rowling.

As críticas do presidente da Rússia vieram na esteira dos efeitos das sanções econômicas da União Europeia e dos Estados Unidos contra o país, cuja menção à escritora se deve pelo fato de ela condenar a ideia segundo a qual homens que mudaram de sexo poderem desfrutar dos mesmos direitos que mulheres, como uso a banheiros femininos e competições esportivas.

“Cancelaram J.K. Rowling, a autora infantil”, disse Putin. “Seus livros são publicados em todo o mundo, tudo porque ela não satisfez as exigências dos direitos de gênero”, acrescentou o presidente da Rússia, ao mencionar que países ocidentais avançam para “cancelar” a cultura russa, que tem mil anos.

No entanto, Rowling reagiu no Twitter após ser citada pelo presidente russo.

“As críticas à cultura ocidental do cancelamento possivelmente não são mais bem feitas por aqueles que atualmente massacram civis pelo crime de resistência, ou que prendem e envenenam seus críticos. #IStandWithUkraine.”