Desta vez, o levantamento é da Paraná Pesquisas. Enquanto o petista vê sua intenção de voto despencar, Bolsonaro segue subindo.

Já é uma tendência. Quase todas as pesquisas mostraram, em seus últimos cenários, que o presidente Bolsonaro vem se fortalecendo, e Lula tem perdido terreno e agora tem uma enorme bomba para segurar.

Como mostrou este blog, a queda acentuada de Lula mostra que o fim da pandemia pode beneficiar Bolsonaro.
As declarações recentes de censura das redes sociais e apoio a regimes totalitários também podem ter tido efeito negativo na avaliação da candidatura de Lula.

Desta vez, o levantamento é da Paraná Pesquisas. Enquanto o petista vê sua intenção de voto despencar, Bolsonaro segue subindo.

Até no possível segundo turno,  a situação está complexa para Lula, se levarmos em conta os dados coletados pela Paraná Pesquisas: a diferença de Lula para Bolsonaro é de apenas 8,7%.

Aliás, essa diferença, segundo o instituto, foi de 14,4 pontos percentuais em fevereiro, apenas um mês atrás. Hoje o cenário é assim: 46% para Lula contra 37,3% de Bolsonaro. Há um mês era de 48,8% para 34,4%.

Ou seja, o ex-presidente caiu, e o atual,  cresceu.

Para tentar reverter esse cenário, Lula e o PT planejam investir nos votos dos protestantes. O Partido dos Trabalhadores (PT) criou núcleos evangélicos em mais de 20 Estados – com objetivo de recuperar os votos que perdeu entre 2016 e 2018 para o Bolsonaro.

Para o partido, os votos do cristãos são a força do presidente, por isso Lula almeja levar a ideologia do PT para dentro das igrejas e, assim, conseguir convencer os protestantes a votar no ex-presidente em 2022. 

O próximo passo do PT é a criação de comitês que unam líderes neopentecostais — vertente do cristianismo — aos demais partidos de esquerda, como o PSB.