Arthur do Val fez fama no Youtube e foi o 2º deputado estadual mais votado em SP nas últimas eleições. Membro do MBL, ele apoiou Jair Bolsonaro em 2018 e depois rompeu. Saiba mais sobre a biografia e posicionamento político do parlamentar.

O país foi palco de uma grave polêmica envolvendo o jovem deputado Arthur do Val (Podemos-SP), conhecido como “Mamãe Falei”, na última semana. O parlamentar foi autor de falas sexistas em relação a refugiadas ucranianas. Entre a série de impropérios do deputado, Mamãe Falei confessou que a situação de vulnerabilidade das mulheres as tornavam fáceis para investidas sexuais. A repercussão foi tamanha que até os políticos maranhenses – sempre distantes das discussões políticas nacionais -, comentaram sobre o caso. Inclusive o próprio governador do estado, Flávio Dino. Mas, quem é, qual a procedência e as ideaias de Mamãe Falei?

Quem é “Mamãe Falei”?

Integrante do Movimento Brasil Livre (MBL), Arthur do Val ganhou projeção com seu canal “Mamãe Falei” no YouTube, hoje com 2,7 milhões de inscritos. Do Val foi eleito deputado estadual em 2018 pelo DEM, como o segundo candidato mais bem votado de São Paulo. Em janeiro de 2022, se filiou ao Podemos para se candidatar ao posto de governador.

Também conhecido como ‘Mamãe Falei’ – por causa de seu canal no Youtube, Arthur ficou se projetou nacionalmente defendendo quase todas as principais pautas de Bolsonaro. Mas o rompeu com o presidente para seguir as ideias do MBL.

O que é o MBL?

O Movimento Brasil Livre (MBL) é um movimento político brasileiro liberal, ativo desde 2014. O movimento ganhou projeção após realizar frequentes protestos à favor do impeachment de Dilma Rousseff e ações políticas em todo país em 2015 e 2016. Formado em sua maioria por jovens com menos de trinta anos, seus integrantes são conhecidos por seus discursos incisivos.

Com o apoio de Bolsonaro, especialmente durante sua campanha na eleição presidencial no Brasil em 2018, o grupo lutou contra o petismo e foi responsável pela ascensão da nova direita no país. Mas atualmente, o grupo se coloca frontalmente contra Jair Bolsonaro, chegando até a protocolar um pedido de impeachment contra o presidente.

Pré-candidato ao governo de São Paulo

Atualmente Mamãe Falei trabalhava em sua pré-candidatura ao Governo de São Paulo com o apoio do ex-juiz Sérgio Moro. Em 2020 ele ja havia sido candidato a prefeito, obtendo 9,78% (522.210 votos) no primeiro turno. Nas eleições de 2018, Mamãe disputou a eleição pelo DEM e foi o segundo deputado mais votado daquelas eleições, com 478.280 votos (2,29%).

O parlamentar, que foi apoiador de Jair Bolsonaro no passado, hoje integrava uma forte oposição a Bolsonaro capitaneada pelo MBL. assim como no caso das mulhares ucranianas, Mamãe Falei não poupa palavras de baixo calão e xingamentos quando se refere ao presidente e seus filhos.

Sexismo na Ucrânia

Arthur do Val afirma que viajou para a Ucrânia com o objetivo de “mostrar aos brasileiros a realidade da guerra” e para acompanhar de perto o conflito. Mas perto de voltar ao Brasil, o deputado enviou áudios a colegas do MBL com uma série de comentários machistas sobre as refugiadas ucranianas.

“Vou te dizer, são fáceis, porque elas são pobres. E aqui minha carta do Instagram, cheia de inscritos, funciona demais. Não peguei ninguém, mas eu colei em duas ‘minas’, em dois grupos de ‘mina’, e é inacreditável a facilidade”, diz o deputado.

Em outro áudio, o parlamentar relata ter contado as mulheres bonitas que viu na alfândega e diz que assim que a guerra acabar vai voltar ao país.

Mano, eu tô mal. Eu passei agora por quatro barreiras alfandegárias. Duas casinhas em cada país. Mano, eu juro pra você eu contei: são 12 policiais deusas. Mas deusas que você casa e faz tudo que ela quiser. Assim, eu tô mal. Eu não tenho nem palavras para expressar. Quatro dessas eram minas que você, mano, nem se te dizer, se ela cagar você limpa o cu dela com a língua. Assim que essa guerra passar vou voltar para cá.

Em mais uma gravação, compara as ucranianas às brasileiras.

Só vou falar uma coisa para vocês: acabei de cruzar a fronteia a pé aqui, da Ucrânia com a Eslováquia. Maluco, eu juro, eu nunca na minha vida vi nada parecido em termos de mina bonita. A fila das refugiadas… Imagina uma fila sei lá, eu tô sem palavras. Sei lá de 200 metros ou mais e só deusa. É sem noção, cara, é inacreditável, é fora de série. Se você pegar a fila da melhor balada do Brasil, na melhor época do ano, não chega aos pés da fila de refugiados aqui. Eu tô triste porque é inacreditável. 

O caso ganhou repercussão nacional. Até os políticos maranhenses, que vivem distantes de pautas nacionais, criticaram a atitude do deputado estadual de São Paulo.