A agenda ocorre em meio à aproximação do Cidadania com a candidatura de Doria. O partido está dividido e o clima não é dos melhores nos bastidores.

Nesta segunda (7), a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) participou da reunião do governador de São Paulo, João Doria, com secretários de seu governo, no Palácio dos Bandeirantes.

Com a possibilidade de formar uma federação entre PSDB e o Cidadania, Eliziane foi apresentada como um nome para integrar a chapa presidencial como vice de Doria. A senadora, que havia sido preterida da vaga do Cidadania na CPI da Covid, no ano passado, ganhou destaque nacional ao defender causas feministas na Comissão Parlamentar de Inquérito.

“Sou mulher, nordestina, evangélica. São elementos que se somam ao perfil de Doria, que é de São Paulo. São duas realidades muito diferentes […] Eu, pessoalmente, me sinto prestigiada e honrada […] Doria vai ser de Brasília e do Brasil. São Paulo precisa do Senhor, mas o Brasil também precisa”, disse a senadora.

Embora Doria veja com simpatia a eventual composição com Eliziane, o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, disse que ainda não há nenhum acerto com o governador de São Paulo em relação à vice. Inclusive, o Cidadania tem uma pré-candidatura à presidência oficializada: a do senador Alessandro Vieira, de Sergipe, preferido para ocupar a vaga do partido na CPI.

Ainda este mês, o Cidadania decidirá sobre qual federação irá compor. Além da aliança com o PSDB, há propostas de federação com Podemos, de Sergio Moro, e PDT, de Ciro Gomes.