Enquanto a população comum é medicada com dipirona em hospitais da rede pública, governador maranhense recebeu medicações preventivas que podem chegar a R$ 25.000 (vinte e cinco mil reais) em um dos maiores hospitais privados do estado.

Há cerca de 24 horas, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), confirmou ter contraído o novo coronavírus e logo passou pelo hospital São Domingos para realização de exames e tratamento preventivo. Enquanto a população comum é medicada com dipirona em hospitais da rede pública, o governador maranhense recebeu medicações preventivas que podem chegar a R$ 25.000 (vinte e cinco mil reais).

Segundo informações, Flávio Dino foi submetido ao tratamento com coquetel de anticorpos monoclonais da corporação Regeneron, que auxilia os pacientes cujo sistema imunológico não reage contra o vírus. O procedimento reduz a da doença em 20%.

Pesquisas ainda apontam que o coquetel evita a necessidade de hospitalização quando administrado no começo do curso da doença. No entanto, um único tratamento com Regn-CoV2 pode custar R$ 25 mil (vinte e cinco mil reais) e pode ser encontrado apenas na rede privada.

Vale ressaltar que todo o procedimento aplicado no governador foi dado em caráter preventivo. Ele ainda está assintomático e sem apresentar qualquer tipo de piora em seu quadro clínico.

Apesar de defender a eficiência do SUS e pregar que os hospitais públicos do Maranhão prestam um excelente serviço a todos os pacientes vítimas da Covid-19, o governador não só optou pela utilização de hospital da rede privada (um dos maiores do Maranhão), como fez uso de tratamento o qual seu maior desafio segue sendo seu custo.

Na tarde de hoje (04), o governador publicou:

“Agradeço muito as mensagens fraternas acerca do meu diagnóstico de Covid, assim como as orações pela minha saúde. Sigo em bom estado, quase sem sintomas e com exames normais quanto ao pulmão. Despachos seguem em casa, até que eu tenha liberação médica”, disse Flávio Dino.