Atleta sérvio foi preso por seis horas e interrogado por não ter passaporte da vacina.

O melhor jogador da atualidade, Novak Djokovic, foi tratado como terrorista na Austrália ao não possuir o passaporte da vacina. O tenista havia conseguido uma autorização especial para atuar no o Aberto da Austrália, mas o governo australiano bateu o pé e cancelou o visto do jogador.

Segundo informações, Djokovic tentou durante horas convencer as autoridades australianas da veracidade de sua exceção médica. Porém, sem sucesso. Agora, o atleta terá de deixar o país. Mesmo com a improvável participação no Aberto da Austrália, os advogados do tenista vão apelar da decisão em um tribunal do Estado de Victoria.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, já havia dado sinal do objetivo de barrar a entrada do jogador no país. “Se Djokovic não está vacinado, deve apresentar provas aceitáveis de que não pode ser imunizado por razões médicas […] Se a evidência for insuficiente, ele não será tratado de forma diferente de ninguém.”, afirmou o premiê.

Para competirem no torneio de Melbourne e não passarem por uma quarentena de 14 dias no Estado de Victoria, os atletas precisam estar com a vacinação completa contra a Covid-19. Ou, ainda, podem pedir uma autorização de exceção para os organizadores do torneio. Djokovic escolheu a segunda opção, mas foi impedido pelo governo australiano.