População é prejudicada com obras que duram cerca de 4 anos e custaram somas milionárias dos cofres públicos em um investimento fracassado, o BRT.

Moradores protestaram na MA-203, nesta quarta (26), devido às mudanças nos locais das paradas de ônibus nos bairros do Araçagy e região.

De acordo com as reclamações, as paradas de ônibus foram reduzidas a quatro entre os bairros Araçagy e Olho Dágua, o que tem causado transtornos para as pessoas que tem dificuldades de locomoção. As obras são realizadas através da Agência de Mobilidade Urbana (MOB).

“Estamos fazendo uma reivindicação ao governador do estado, para que ele possa trazer as paradas de ônibus de volta. Eles colocaram as paradas de ônibus aonde os moradores que fazem hemodiálise, as crianças e idosos, tem que ir para uma parada que fica há mais de 5 km. Então o povo está clamando a Deus e clamando para que eles tragam as paradas de volta. A MA 203 ela é para trazer benefícios e não constrangimento ao povo”, declarou um manifestante.

De acordo com a MOB, a alteração faz parte da primeira fase das obras de requalificação da MA-203. Após isso, as outras etapas do projeto serão continuadas.

“A alteração irá trazer mais comodidade para todos, diminuindo o tempo das viagens, com abrigos seguros e mais agilidade ao trânsito nessa área”, afirma a Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB).

Atualmente, os usuários só podem usar as seguintes paradas de ônibus: o primeiro em frente ao Marista, o segundo em frente a UPA do Araçagi, o terceiro próximo ao Center Lar e o quarto em frente ao antigo Retorno do Berro.

Recentemente, a Agência de Mobilidade Urbana (MOB), responsável pelo projeto mal sucedido, também divulgou que os ônibus do sistema de transporte coletivo que passam pela rodovia irão trafegar, exclusivamente, pelo pavimento rígido, também chamado de “corredor cinza”.

Entretanto, mesmo após a determinação da MOB, carros de passeio dividem a pista exclusiva com os ônibus, e alguns ônibus continuam transitando pela pista normal, quando deveriam circular somente pelo tal do “corredor cinza”.

Os moradores da região reclamam que os acidentes são quase diários e os engarrafamentos trazem transtornos, tudo por uma promessa de obra que durou cerca de quatro anos de serviços e custou uma soma milionária em um investimento fracassado, o BRT.

Agora, ao que tudo indica, o projeto, teve, enfim, uma destinação final. No entanto, traz uma estrutura bem modesta diante do que foi anunciado e “investido”, façanha esta que seria a maior obra estruturante de Flávio Dino (PSB) na Ilha de São Luís em seus sete anos de governo.