Os ataques cibernéticos tiveram como foco empresas de investimentos e gestoras de criptoativos.

De acordo com um relatório da empresa de análise de blockchain Chainalysis, Hackers da Coreia do Norte (RPDC) roubaram quase US$ 400 milhões (R$ 2,2 bilhões) em ativos digitais no ano de 2021.

Segundo o documento, divulgado na semana anterior, o ano passado foi um dos anos de maior sucesso já registrado para os cibercriminosos norte-coreanos. De 2020 a 2021, o número de ataques saltou de quatro para sete. Inclusive, o valor extraído dos hacks cresceu 40%.

Com o intuito de desviarem os fundos para endereços ligados à RPDC, os hackers usaram técnicas de ações fraudulentas caracterizadas por tentativas de aquisição ilícita de dados pessoais de terceiros conhecida como “pishing”, programas de computadores desenvolvidos para infectar outros dispositivos (malware), além de engenharia social avançada. Para encobrir o crime, a RPDC deu início a um processo de lavagem de dinheiro.

Conforme a Chainalysis, os hacks ocorridos no ano de 2021 foram conduzidos provavelmente pelo Grupo Lazarus.