Após ser excluída da vaga do Cidadania na CPI da Covid (tendo que apelar para a genertosidade de Renan Calheiros), senadora tem preferência para as eleições estaduais desprezada pela legenda

A Executiva Nacional do Cidadania caminha para desprezar a posição da senadora Eliziane Gama no Maranhão. A parlamentar apoia a pré-candidatura do senador Weverton Rocha (PDT). Já a cúpula do partido caminha para integrar a chapa do vice-governador Carlos Brandão. No ano passado a senadora já havia sido preterida da vaga do Cidadania na CPI da Covid-19.

O presidente do Cidadania no estado, o pastor Eliel Gama, não faz questão de esconder o apoio ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB). A decisão contraria a senadora, e irmã de Eliel, Eliziane Gama. A senadora já manifestou publicamente sua predileção por Weverton Rocha, que disputa com Brandão a preferência pelo cargo de substituto de Flávio Dino,  várias vezes.

“Talvez o irmão dela não esteja nem aí porque é machista e está pouco se lixando para ela, que é mulher”, debochou um membro do grupo dinista em relação ao imbróglio no Cidadania.

A referência tem relação com a atuação de Eliziane na CPI da Covid do Senado, quando a senadora ganhou destaque nacional ao defender causas feministas. Em várias ocasiões Eliziane acusou a sociedade de ser machista e abusou do discurso panfletário. A parlamentar só omitiu o fato de que o Cidadania, seu partido, detinha uma vaga na CPI que foi destinado ao senador Alessandro Vieira.

“Esse papo furado esconde apenas uma política pequena que não consegue mais ter influência no próprio partido e nem mesmo sobre o próprio irmão que ascendeu politicamente na esteira dela”, disse o crítico da senadora.