Manifestação na porta da prefeitura logo no 1º ano de governo mostra que alguma coisa não está certa no modo de gestão aplicado por Braide.

Popularidade alcançada por vacinação promovida pelo governo federal alimenta vaidade do prefeito que flerta perigosamente com isolamento político.

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), pode entrar para a história como o primeiro prefeito da história derrotado nas eleições da Presidência da Câmara de Vereadores da capital desde a redemocratização. Três nomes manifestaram o desejo de disputar a eleição até agora: Raimundo Penha (PDT), Dr Gutemberg (PSC) e Paulo Victor (PCdoB). A campanha de Paulo Victor, que faz oposição ao prefeito, tem crescido ultimamente na esteira da omissão de Braide.

ISOLAMENTO

Encastelado na Prefeitura de São Luís, Braide tem desprezado aliados e facilitado o crescimento de adversários. O descontentamento é crescente ao ponto do prefeito ter que enfrentar o primeiro protesto contra sua gestão poucos meses após ter assumido.

Na última quarta (11) centenas de pessoas foram até a Prefeitura de São Luís em protesto contra a omissão do prefeito na área da saúde. O ato foi chamado pelo vereador Marquinhos Silva (DEM) e, para alguns, foi o primeiro de uma série que devem acontecer futuramente.

As reclamações em relação à condução política da gestão municipal têm empurrado aliados que ajudaram na eleição do ano passado para a neutralidade. Em alguns casos, a insatisfação tem transformado aliados em adversários. Caso do próprio Marquinhos Silva.

A atuação desastrosa de alguns secretários, como Cláidio Ribeiro na Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), também minam a autoridade do prefeito e facilitam o avanço da oposição.

O avanço da campanha de Paulo Victor (PCdoB) ao cargo de presidente da Câmara já é perceptível por todos. Os apoios ao oposicionista, que em outros tempos seriam velados, ganharam tom público e facilitam o trabalho do comunista.

A vitória de Paulo Victor representaria uma tragédia política de proporções incalculáveis à gestão. Aliado de Flávio Dino (PSB) e Duarte Jr (PSB), Paulo Victor iria ter em suas mãos o poder de prejudicar e engessar a administração Braide de forma decisiva.

ILUSÃO

A justificativa da soberba do prefeito tem sido apontada na classe política por uma ilusão. Braide tem acreditado que a popularidade atual é dele, e não foi produzida pela atuação do Governo Federal na vacinação na capital.

Políticos ouvidos pelo blog afirmam que, além de desfrutar de um mérito que não é dele, o prefeito esquece que atingir o teto de popularidade ainda no primeiro ano de mandato é perigosíssimo.

Em janeiro de 2016 a então candidata Eliziane Gama ultrapassava 50% das intenções para a Prefeitura. Como não tinha mais como crescer, derreteu e acabou sendo humilhada naquelas eleições. Em muito por ter desprezado o apoio da classe política e optado pela soberba ao invés da política.

Caso saia derrotado nas eleições da Câmara Municipal, não estanque a fuga de aliados e mantenha incompetentes em sua gestão, Braide irá se tornar um fenômeno meteórico no fracasso tão retumbante quanto foi no sucesso.

A soberba é a pior conselheira que um político pode ter.