Depois de garantir a candidatura do ex-presidiário Lula em 2022, STF/TSE ataca a democracia ao instaurar DOIS INQUÉRITOS ilegais contra Bolsonaro para impedi-lo de disputar as eleições

Dois dias após as manifestações que levaram centenas de milhares de pessoas às ruas à favor do Voto Impresso, o Tribunal Superior Eleitoral decidiu abrir inquérito administrativo contra Jair Bolsonaro e produzir notícia crime que podem torná-lo inelegível. Os dois procedimentos foram aprovados por unanimidade.

O encaminhamento ao Supremo Tribunal Federal (STF) de notícia-crime contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, sugere apurar possível conduta criminosa relacionada aos fatos apurados no Inquérito 4.781, conhecido como “Inquérito das Fake News”. O ofício, assinado pelo presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, encaminha ao relator do processo no STF, ministro Alexandre de Moraes.

Já o inquérito administrativo aberto pretende incriminar Bolsonaro por supostos crimes eleitorais nas eleições de 2018. O presidente e o vice são acusados de propaganda ilegal na época. Além disso, o TSE ampliou a investigação para fatos que possam configurar abuso de poder econômico e político, uso indevido dos meios de comunicação social, corrupção, fraude, condutas vedadas a agentes públicos e propaganda extemporânea (antecipada), em relação aos ataques contra o sistema eletrônico de votação e à legitimidade das Eleições Gerais de 2022.

As medidas são visivelmente parte de uma estratégia política do TSE e do STF, que começou com a soltura e possibilidade de candidatra do ex-presidiário Lula, que fere diretamente a instabilidade e a harmonia entre os poderes.

Os ministros do STF estão atacando a democracia.