As previsões foram anunciadas nesta segunda-feira (7), publicadas semanalmente pelo Banco Central com estimativa para os principais dados econômicos

De acordo com dados divulgados em boletim semanal do Banco Central que leva em consideração instituições financeiras consultadas pela autarquia federal integrante do Sistema Financeiro Nacional, o PIB tem projeções de aumento na expansão da economia do Brasil pela sétima semana seguida.

A expectativa para aumento do PIB do país – a soma de todos os recursos e serviços produzidos no Brasil – cresceu de 3,96% para 4,36%. A previsão de elevação do Produto Interno Bruto (PIB) subiu de 2,25% para 2,31% para o ano de 2022. Nos dois anos posteriores, o mercado financeiro projeta expansão em 2,50%, isto é, em 2023 e 2024.

O prognóstico para este ano quanto ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou seja, a inflação, passou de 5,31% para 5,44%. Para o ano seguinte, a antecipação prevê IPCA foi adequada de 3,68% para 3,70%. Tanto para 2023 como para 2024 a previsão para a inflação é de 3,25%.

Para alcançar a meta de IPCA, o Banco Central usa como principal dispositivo a Selic, taxa básica de juros fixada atualmente em 3,5% ao ano pelo Copom. A expectativa do mercado financeiro é que a Selic encerre 2021 em 5,75% ao ano. Para o fim de 2022, 2023 e 2024, a probabilidade aponta que a taxa básica termine estes períodos em 6,5% ao ano.

Quanto ao câmbio, a previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,30 para o final de 2021 e do próximo ano.