Discurso de ódio contra o presidente foi a principal ferramenta utilizada por manifestantes contra projeto que deve ser votado por deputados federais e senadores.

Um grupo de militantes indígenas ligados a partidos de esquerda fez um protesto em que simulou a morte do presidente Jair Bolsonaro. Com um caixão com a foto do presidente, indígenas percorreram o gramado da Esplanda dos Ministérios até o Congresso Nacional.

O ato tinha como alvo o Projeto de Lei 490/2007 que está sob responsabilidade de deputados federais e senadores e que altera a forma como são demarcadas terras indígenas. Apesar disso,

Os agitadores seguravam um caixão com a foto de Bolsonaro e tocaram a Marcha Fúnebre. Caso o projeto vire lei, para que uma terra seja demarcada, os indígenas teriam que comprovar que já estavam por lá antes de 1988.