Após secretário Jefferson Portela decidir não afastar os policiais envolvidos no caso, população pede justiça por morte de jovem com transtornos mentais

Nesta quarta-feira (23), a população de Presidente Dutra protestou pela morte do jovem Hamilton Cesar Lima Bandeira, de 23 anos, que foi morto em sua casa no último dia 18 de junho.

Após decisão do secretário Jefferson Portela em manter os agentes da polícia até o término das investigações, tendo em vista que a Polícia Civil havia informado o afastamento dos envolvidos na última segunda (21), a população realizou protesto pedindo justiça pelo jovem.

Hamilton foi morto após denúncias de uma postagem em suas redes sociais ao desejar sorte à Lázaro Barbosa. Os agentes da Polícia Civil teriam ido à casa do jovem para investigar prováel “apologia ao crime”, quando o jovem morreu na frente do avô da vítima. Segundo os agentes, o jovem havia atacado os policiais com uma faca, mas a família contesta a versão e afirma que o jovem não era um perigo à sociedade.

“Eles foram entrando aqui e eu vim de lá para cá e quando cheguei… [perguntou] ‘O que é?’ Ai eles disseram: tem alguém aqui? E eu disse ‘tem, eu e meu filho’. E quando eu disse assim, o menino [Hamilton] pulou da cama e puxou essa cortina aqui. Apontou só o peito dele com a cabeça. Ai ele [policial civil] foi dizendo assim: ‘é esse aqui mesmo’ e atirou nele. E ele caiu bem aqui nos meus pés. Ele só fez dizer ‘Oh, papai'”, afirmou o avô de Hamilton Cesar.

O Ministério Público vai solicitar a exumação do corpo do jovem. Hamilton foi enterrado sem passar por necropsia e, por isso, não há laudos sobre os tiros que o atingiram.