Segundo o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, governadores de estados em que houve operações da PF foram os primeiros convocados

Nesta quarta-feira (26), a CPI da Pandemia aprovou a convocação de nove governadores para prestarem depoimentos. Eles terão de explicar, na comissão, a utilização de recursos federais e suspeitas de irregularidades no combate ao novo coronavírus.

Além do ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, também foram incluídos na convocação Antonio Oliverio Garcia de Almeida (RR), Carlos Moises (SC), Ibaneis Rocha (DF), Helder Barbalho (PA), Marcos José Rocha dos Santos (RO), Mauro Carlesse (TO), Waldez Góes (AP), Wellington Dias (PI) e Wilson Lima (AM). O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o ex-titular da pasta, Eduardo Pazuello, vão depor novamente.

A CPI também convocou Arthur Weintraub, ex-assessor especial da Presidência, Carlos Wizard, empresário que atuava como conselheiro de Pazuello no Ministério e Filipe Martins, assessor internacional da Presidência, pois, de acordo com os parlamentares, os três são apontados de realizarem assessoramento paralelo ao atuarem como conselheiros de Jair Bolsonaro, presidente da República.

Com intuito de identificar supostas ações e omissões do governo Federal na pandemia, até o momento, o foco da CPI tem sido a ouvir pessoas ligadas à União. No entanto, muito mais pessoas devem ser ouvidas.