Temor pela terceira onda de casos através da variante indiana incentivam Queiroga a encaminhar ao Maranhão 600 mil dos 3 milhões de testes rápidos

O Ministério da Saúde vai investir em testagem para impedir avanço da covid-19 após confirmação de casos do novo coronavírus com a cepa indiana, visando barrar o advento de uma terceira onda da pandemia.

Nesta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve encaminhar 3 milhões de testes rápidos às unidades Federativas, sendo 600 mil só para o Maranhão, Estado onde foram confirmados os primeiros casos de indivíduos infectados no Brasil com a variante B.1.617, na última quinta-feira (20). A testagem será implementada em locais como aeroportos, rodovias, rodoviárias e portos devido a grande circulação e registros de entrada e saíde de pessoas.

Conforme Queiroga, indivíduos sintomáticos e assintomáticos serão submetidos ao procedimento, é necessário agir imediatamente para conter a proliferação comunitária da cepa originária da Índia, qualquer viajante que apresentar diagnóstico positivo para o novo coronavírus fará outra testagem para constatar se está contaminado com a variante indiana – caso esteja, deverá cumprir quarentena – e todos que tiverem contato com o infectado também serão rastreados.

“Esses testes servem para a gente acompanhar a evolução dos casos. Porque quando aumentam os casos positivos, o que vai acontecer na frente? Internações. E depois? Óbitos. Então, precisamos reforçar essa vigilância em saúde para ter resultados mais efetivos. Vamos trabalhar forte para tentar de toda maneira fazer com que haja a queda dos casos e tenhamos uma solução para essa pandemia”, declarou.

Os outros testes rápidos que serão disponibilizados para os demais estados devem ser usados nos aeroportos de maior movimentação no país e nas áreas de fronteiras com outros países. Além disso, o governo vai exigir barreiras sanitárias para conter que demais variantes cheguem ao Brasil. A pasta montará um esquema para monitorar passageiros provenientes do Maranhão.

“A vigilância em saúde do ministério tem trabalhado fortemente. Queremos impedir que haja a propagação dessa variante, que ainda não tem comprovada a transmissão comunitária. Estamos buscando tudo isso para avaliar esses casos e buscar conter a possível transmissão comunitária desse vírus”, afirmou o ministro.

Recentemente, o Ministério da Saúde confirmou 1.899 novos óbitos pela covid-19, acumulando o total para 448.208. Inclusive, foram registrados mais 76.490 casos. O Brasil já teve 16.047.439 pessoas infectadas com o novo coronavírus, no acumulado.