Ex-ministro afirmou que o medicamento tem protocolos em 29 países, incluindo Cuba, China, Coréia do Sul, Índia, México, República Tcheca, Venezuela, etc

Em depoimento da CPI, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, falou sobre orientações e uso da cloroquina no país, lembrando que na epidemia do zika vírus o medicamento foi recomendado até mesmo para grávidas.

“O Brasil usa cloroquina há 70 anos. […] O assunto não é tão difícil de entender, que o médico olhe para a cloroquina ou hidroxicloroquina, e qualquer outro medicamento que esteja sendo usado no mundo e diga, ‘olha, acho que isso tem q ser observado, vale tentar como off label, fora da bula”, disse Pazuello, cuja informação sobre popularidade do uso do medicamento contra o novo coronavírus é procedente de acordo com enquete feita envolvendo mais de 6 mil médicos em 30 países.

O ex-ministro teve que explicar aos senadores que o Brasil faz aquisição da hidroxicloroquina há muitos anos e não poderia ficar sem medicamentos, o que justifica a compra pelo governo. Após a resposta, o relator Renan Calheiros interrompeu alegando se tratar de uma resposta “objetiva demorada”, apontando que Pazuello não teria comentado sobre o uso do dinheiro público para a aquisição do “medicamento sem eficácia”. Eduardo Pazuello teve que explicar a questão novamente.

Em dado momento, Eduardo Pazuello mencionou que obedeceu o Conselho Federal de Medicina, que garante a autonomia de prescrição do médico, mas que orientou os profissionais de saúde a não usarem a hidroxicloroquina na fase final da doença.