Imunizante elaborado pela farmacêutica anglo-sueca em parceria com a universidade inglesa Oxford foi aposta do Planalto e ultrapassa CoronaVac

De acordo com dados da plataforma do Ministério da Saúde, Localiza SUS, vacina AstraZeneca/Oxford ultrapassa CoronaVac (desenvolvida pela biofarmacêutica chinesa Sinovac) e se torna mais usada no Brasil nos 24 primeiros dias de maio.

Neste mês, de cada 10 doses de imunizantes contra o novo coronavírus aplicadas no país, 7 foram da AstraZeneca, duas são da CoronaVac e a Pfizer responde por uma. No entanto, desde o começo do ano até agora, 65,6% de todas as doses aplicadas são da CoronaVac, 32,7% da AstraZeneca e 1,8% da Pfizer. As três vacinas são as únicas utilizadas no Brasil até o momento.

Este é o primeiro mês que o imunizante AstraZeneca, cuja eficácia é de 80% quando o intervalo entre as duas doses é superior a 12 semanas, passa a CoronaVac, que detém eficácia de 50% após duas doses.