Influencer digital que possui mais de sete milhões de inscritos em seu canal no YouTube recebe ordem judicial e está solicitando a anulação na justiça

Depois de receber a denúncia de uma ativista, o Tribunal Nacional exigiu que a youtuber colombiana Kika Nieto retirasse do ar um vídeo de pergunta e resposta em que ela apoia o casamento tradicional entre homem e mulher, publicado há três anos.

“Deus criou o homem e a mulher para que pudessem estar um com o outro. Não considero que homens ou mulheres estarem com o mesmo sexo seja bom, mas tolero isso”, disse a influencer digital. Na segunda-feira (19), após ordem judicial, Kika Nieto se manifestou novamente, dessa vez em comunicado compartilhado pela ADF: “Todos devem ser livres para compartilhar suas crenças em público. Quero ser autêntica com meus seguidores sem ser censurada ou temer sanções criminais apenas por postar um vídeo. Não quero que os outros tenham medo de expressar suas crenças. Ao falar abertamente, espero inspirar mais tolerância em relação a diferentes opiniões”

A Aliança Internacional em Defesa pela Liberdade (ADF) apoia o caso da youtuber, visto que ela emitiu seu ponto de vista respeitando outras perspectivas. A colombiana é representada legalmente pela Nueva Democraciana na América Latina e Caribe (organização colombiana que protege a liberdade de expressão e demais direitos fundamentais). A colombiana entrou com uma solicitação ao Tribunal Constitucional da Colômbia exigindo a anulação da ordem. Caso o Tribunal Constitucional admita o caso para uma análise mais minuciosa, a decisão judicial ocorrerá em maio.

“Todos devem ser livres para expressar suas crenças e convicções de fé sem medo de censura. O direito de Nieto de expressar livremente suas opiniões e compartilhá-las publicamente é protegido pela Constituição colombiana”, afirmou o diretor da Nueva Democracia.