Isolamento extremo teria sido um dos motivos para colapso social e econômico

Segundo dados oficiais divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) da Argentina, a pobreza atingiu 42% da população no segundo semestre de 2020 devido a três anos de recessão e o extremo isolamento durante a pandemia do coronavírus.

Além do levantamento do Indec divulgar que 10,5% das pessoas vivem em condições de indigência ou extrema pobreza, a entidade também divulgou o índice de argentinos que eram pobres no término de 2019: 35,5%. Entretanto, esse percentual aumentou para 40,9% na primeira metade de 2020 e, a partir do segundo semestre, subiu para 42%.