Demissão do ministro Ernesto Araújo (que tem defendido a soberania dos interesses nacionais) faria parte de trama para entregar setor a estrangeiros.

A fúria do Senado contra o chanceler Ernesto Araújo pode ter como motivação interesses chineses. Segundo publicação neste domingo, Araújo afirmou que a senadora Kátia Abreu (PP-TO) disse que “um gesto” do chanceler em relação ao 5G iria torna-lo o “rei do Senado”.

O 5G é uma nova tecnologia de transmissão de dados que deve ter sua concessão aberta ao mercado pelo Governo Federal em breve. Chineses tentam dominar o mercado global da tecnologia e têm jogado pesado para isso. Há denúncias de que a tecnologia sirva para espionagem e controle estrangeiro das comunicações. O medo em relação a atuação no setor já fez alguns países banirem empresas chinesas do mercado em seus limites.

O chanceler Ernesto Araújo é considerado um obstáculo contra o domínio da tecnologia 5g no Brasil pelos chineses. O ministro tem atuado para que o leilão do setor leve em consideração a defesa dos interesses nacionais, o que incomoda o governo comunista chinês e brasileiros que auxiliam na entrega do 5G brasileiro a estrangeiros.

A publicação de Araújo revela que a atual onda pela demissão do ministro é uma contra-ataque e faz parte do plano de entrega das comunicações no país a interesses que confrontam a nação.