“Cancelamento da educação” promovido por governantes, sindicalistas e professores escancara desprezo por crianças e jovens que tiveram um ano de suas vidas roubados por aqueles que todos os dias dizem defendê-los.

Relatório da Unesco mostra que o desapego pela educação de professores, sindicatos e governantes no Brasil tornou-se inquestionável. Com a desculpa esfarrapada de “proteger discentes, docentes e familiares” o Brasil chegou a 40 semanas de fechamento das escolas por conta da pandemia. Segundo relação feita pela Unesco, o período do fechamento das escolas no Brasil é o dobro do visto resto do mundo (22 semanas).

Ainda segundo a Unesco, 800 milhões de crianças e jovens no mundo tiveram o calendário escolar prejudicado pela pandemia. As instituições de ensino passaram, em média, 2/3 do ano letivo fechadas.

Audrey Azoulay, diretora geral de ensino da Unesco, afirma que o fechamento prolongado das escolas causa impacto psicossocial crescente nos alunos, o que traz consequências como perdas de aprendizagem e risco de evasão, sobretudo entre os estudantes de condições mais vulneráveis. Por isso, interromper as aulas, segundo ela, deve ser “o último recurso”. A reabertura, ressalta, precisa ser “uma prioridade’, mas feita com segurança.

Enquanto as escolas seguem fechadas causando todo esse transtorno, não é dificultoso encontrar professores da rede pública de ensino em shoppings, restaurantes, bares, praias, parques e uma série de outros lugares. Muitos deles, inclusive, estão dando aulas em escolas privadas.