Governador maranhense, sempre ativo nas redes sociais, não deu nenhuma declaração sobre assassinato bárbaro de criança em São Luís.

No dia 3 de novembro de 2017 o corpo da criança Alanna Ludmilla foi encontrado embaixo de telhas em um quintal na Grande São Luís. A menina foi estuprada e morta por Robert Serejo Oliveira, que confessou o crime. Ele foi condenado nesta semana a 43 anos de reclusão, em regime fechado, pelos crimes de homicídio – com a qualificadora de feminicídio –, estupro de vulnerável e ocultação de cadáver.

Sempre ativo nas redes sociais em que dá opinião até mesmo sobre política internacional, o governador Flávio Dino (PCdoB) não deu nenhuma declaração sobre o acontecimento até agora.

Dino é conhecido por uma política penitenciária que trata presidiários com aulas de Muai Thay e cheques de benefícios. Dessa forma, é provável que o contato de Flávio Dino com o caso se dê por algum benefício estatal dado ao assassino de Alanna Ludmilla.

Infelizmente para o povo do Maranhão a política é digna da atenção do governador do que a vida de uma menina.