Humorista disse que “ter filho é um inferno” porque responsabilidade pode atrapalhar suas conquistas pessoais

Em entrevista ao jornal O Globo, o humorista Fábio Porchat escancarou seu egoísmo e ódio contra crianças e a família tradicional. Segundo Porchat, ter um filho “atrapalha”. A fala escancara o egoísmo do ator que considera a responsabilidade de ter um filho algo ruim.

“É um inferno ter filho. O maior medo é perder o que construímos. Somos muito companheiros. Tenho medo de um filho atrapalhar. Esse casamento me dá paz, a gente compra as maluquices um do outro. E filho atrapalha”, disse Porchat.

A fala de Porchat é evidente em si mesma: a constituição de uma família tradicional não é algo desejado porque exige sacrifício. Quem renega o sacrifício pelo outro, é egoísta. Aliás, Porchat é categórico ao afirmar que seu casamento é bom “porque dá paz a ELE”.

Ao usar o termo Inferno, o humorista deu logo de cara o peso que pretendia em suas críticas. Se tivesse parado na expressão, a fala poderia ser encarada como um desabafo infeliz e nada mais que isso.

Só que Porchat deixou claro que a responsabilidade de ter um filho atrapalha. Explicou de forma detalhada que o sacrifício pelo outro “atrapalha”.

É esse o tipo de artista que, vez ou outra, se coloca como virtuoso preocupado com a sociedade usando aquele discurso esquerdista de araque sobre “igualdade”. Agora, fica o questionamento:

Se esse rapaz é incapaz de ter apreço e de sequer cogitar o sacrifício por UM FILHO, você acha mesmo que ele se preocupa com o Brasil quando fala?

Até agora nenhuma empresa que patrocina o ator anunciou desligamento após humorista afirmar que “filhos são um inferno”