Confira a análise do debate realizado pela Band entre os 11 candidatos a prefeito de São Luís.

Em um debate marcado pelo baixo desempenho dos líderes nas pesquisas, o deputado estadual Yglésio Moyses (PROS) surpreendeu e conseguiu ser o destaque. Algumas tradições dos debates a prefeito de São Luís foram mantidas, como erros patéticos do mediador e o tom ameno nos embates.

Realizado pela Band, em parceria com a TV UFMA, o programa contou com todos os candidatos. Por 2h30 os participantes falaram em 4 blocos em que responderam sobre diversos temas. As regras foram as seguintes:

1º BLOCO: Apresentação dos candidatos (30 segundos); pergunta comum para todos os candidatos (1min e 30 segundos).

2º BLOCO: Perguntas entre os candidatos (sorteio – temas sorteados);

3º BLOCO: Perguntas entre os candidatos (sorteio – temas livres);

4º BLOCO: Considerações finais dos candidatos (2 minutos).

Pois bem, Eduardo Braide (Podemos), Duarte Jr (Republicanos) e Neto Evangelista (DEM), que lideram todas as pesquisas de intenção de voto, tiveram participação apagada.

As surpresas positivas ficaram a cargo de Yglésio Moyses (PROS) e Pastor Silvio Antonio (PRTB), os dois melhores. Carlos Madeira (Solidariedade) e Hertz Dias foram, indiscutivelmente, os piores.

Abaixo uma análise breve de cada um dos candidatos. O desempenho dos participantes pode ser caracterizado como: muito bom, bom, mediano, ruim e desastroso.

Eduardo Braide (Podemos): MEDIANO – Usou o tempo que dispôs para falar de sua atuação e de propostas para a cidade. Nada de novo ou que chamasse a atenção. Teve embates mornos. Apesar de não empolgar, não transpareceu estar “ensaiado” por marqueteiro. Líder nas pesquisas, não comprometeu em nada sua liderança.

Duarte Jr (Republicanos): MEDIANO – Forçou muito sua passagem pelo PROCON. Apesar de sempre sorridente, aparentava certo nervosismo. Fez a opção por falar de si mesmo ao invés de apresentar propostas. Foi perseguido e perdeu o embate direto com Neto Evangelista.

Neto Evangelista (DEM): MEDIANO – Teve participação muito semelhante a Eduardo Braide. Saiu-se bem quando atacado por Jeisael Marx e bateu muito forte em Duarte Jr. Apesar disso, também não empolgou.

Rubens Pereira Jr (PCdoB): RUIM – Começou muito bem, mas perdeu-se no meio do caminho. O jeito “moleque” é forçado e não encaixa. Foi trucidado pelo Pastor Silvio Antônio quando perguntado sobre corrupção. Teve muita sorte do Pastor não saber onde bater na réplica.

Bira do Pindaré (PSB): MEDIANO – Foi o primeiro a falar. Bem postado, sereno e muito bem na captação dos votos considerados mais à esquerda. Contudo, não trouxe nada de novo e nem teve embates que possibilitassem mais visibilidade. Deu muito azar ao cruzar com Hertz.

Pastor Silvio Antônio (PRTB): BOM – Apagado até entrar em confronto com Rubens Jr. Trouxe o debate da corrupção e conseguiu desestabilizar completamente o comunista. Conseguiu apresentar-se como representante do bolsonarismo na eleição.

Hertz Dias (PSTU): DESASTROSO – Sem dúvida alguma um dos mais despreparados candidatos que São Luís já teve. Tremeu no embate com Duarte Jr. Falou que São Luís exporta comodities e deixou clara a incapacidade de diferenciar uma mina e um porto.  Conseguiu fazer todos sentirem saudades de Marcos Silva. #voltamarcossilva

Franklin Douglas (PSOL): MEDIANO – O “candidato gente boa” do debate que esbarrou na repetição dos chavões do PSOL. Mentiu ao dizer que o auxílio emergencial foi criado pelo PSOL. Não soube aproveitar o embate com Bira para conquistar os votos na esquerda.  

Carlos Madeira (Solidariedade): DESASTROSO – A forma de expressar-se lembra políticos do interior. A forma de expressar-se compromete todo o suposto conteúdo que dizem ter o juiz aposentado. O mais caricato dos participantes do debate.

Yglésio Moises (PROS): MUITO BOM – Vencedor do debate. Teve muita astúcia ao usar a posição de último a falar no primeiro bloco. Beirou o brilhantismo ao pontuar as falhas de cada um de todos os candidatos em seus discursos sobre saúde. Demonstrou concentração no que cada um dos candidatos falava. Se fosse boliche, poderíamos dizer que fez um “strike”. Apresentou números e fatos que embasavam suas críticas e propostas. Aparentava certo nervosismo, mas ele foi diluído. Venceu o debate no momento em que Jeisael Marx o convidou para assumir a secretaria de saúde. Depois disso, tudo o que aconteceu no debate foi secundário.

Jeisael Marx (REDE): RUIM – Encarnou o papel de “menino mau” do debate. Tentou criar polêmicas, mas esbarrou em reações e respostas que o deixavam sem rumo. Em alguns momentos apelou para o vitimismo de “menino pobre” que Duarte Jr também usou. Participação esperada.