Parece que, pelo menos desta vez, a chantagem promovida por sindicatos não irá surtir efeito

Na última década a quantidade de indenizações pagas pelos Correios por atrasos, extravios e roubos aumentou mais de 1.000%. Esses custos são responsáveis por um prejuízo que ultrapassa R$ 1 bilhão de reais. As reclamações pelo péssimo serviço prestado e a completa impossibilidade de modernização, comum a empresas estatais, tornou a privatização a única saída adequada para livrar o brasileiro da ineficácia da empresa.

E “tome greve” em todas as vezes que o debate sobre a privatização era iniciado. Contudo, de acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, parece que a chantagem contra o Governo Federal perdeu o efeito com Bolsonaro.

O ministro afirmou que a Magalu e outras quatro empresas já manifestaram interesse na privatização dos Correios. De acordo com ele, esse processo está na “ordem do dia” e ocorrerá na gestão de Jair Bolsonaro. “Já tem cinco players interessados. A Magalu é um deles. O Amazon, a DHL, Fedex… já tem pessoas, grupos interessados na aquisição dos Correios. E isso aí é importante. Nós não teremos um processo de privatização vazio”, afirmou o ministro.

Atualmente em greve, para variar, os funcionários dos Correios devem ficar alheios ao processo inevitável de privatização da empresa.

A chantagem não funciona mais.