Jornalista José Maria Trindade afirmou que transferência de R$ 1.2 milhões para revista configura crime de responsabilidade. Assista ao vídeo.

O programa Pingos nos Is repercutiu ontem o escândalo envolvendo a transferência de recursos da educação, na ordem de R$ 1.2 milhões, para a revista Carta Capital. Em seus comentários José Maria Trindade demonstrou que a alocação de recursos sem licitação, da forma como se deu, deveria resultar na cassação do governador.

“As vezes, mesmo pratocando as regras, fazendo licitação  e tudo direitinho, mas se aquele objetivo, se aquela aplicação do dinheiro não atende a iniciativa pública. Não atende a  demanda pública, é um ato irregular”.

E finalizou:

“Essa irregularidade mereceria até a cassação do mandato”.

No fim de semana veio à tona a denúncia de que Flávio Dino teria repassado mais de R$ 600 mil para aquisição de assinatura da revista esquerdista Carta Capital. Apuração da equipe de O Pingos nos Is, da Jovem Pan, mostrou que o uso de recursos públicos para ajudar aliados e doutrinar alunos foi bem pior do que o noticiado por alguns blogs locais.

Não foi apenas um contrato, mas dois na ordem de R$ 600 mil. No total Flávio Dino repassou de recursos da educação cerca de R$ 1.2 milhão de reais a Carta Capital.

Apesar do argumento de Trindade e do flagrante delito, nenhum deputado (incluindo os de oposição) ou entidade da sociedade civil irá entrar com pedido de cassação ou processo judicial contra o desvios de recursos públicos.

Afinal de contas, hoje o Maranhão é um estado livre em que todos são obrigados a calar frente ao governador e seus desmandos.