Dias após divulgação do escândalo envolvendo o governador Flávio Dino e a revista Carta Capital, nenhuma autoridade do estado ou entidade se manifestou publicamente contra o desvio de recursos da educação

O escândalo de transferência de recursos na ordem de R$ 1.3 milhão da educação maranhense para a revista Carta Capital parece não ter incomodado Ministério Público estadual, oposição ou sociedade civil. Vergonhosamente, coube a deputada federal de São Paulo, Carla Zambelli, manifestar-se e prometer ações em relação ao caso.

O contraste entre a manifestação pública de Zambelli e o silêncio das autoridades maranhenses em relação ao caso explica muito o ambiente político que impera no estado.

Documentos do próprio governo revelam que uma assinatura milionária da revista de extrema-esquerda Carta Capital foi contratada com dispensa de licitação. Apesar de todos os indícios e provas de malversação dos recursos da educação, apenas blogs e alguns meios de comunicação noticiam o escândalo. Ter que ver uma deputada de São Paulo manifestando-se publicamente em relação ao caso é uma vergonha suprema para o Maranhão. Mais vergonhoso até do que o próprio ato de surrupiar dinheiro da educação para aquisição de uma revista que ninguém lê no estado.

Moral da história: é muito fácil ser governo no Maranhão.