Vírus e sistema imunológico feminino não tratam homens e mulheres de forma igualitária

Segundo pesquisa da Global Health 50/50, que colheu dados de mais de 20 países, apesar de serem infectadas pela Covid-19 com a mesma frequência que os homens, a incidência de morte entre homens é duas vezes maior do que nas mulheres.

Os cientistas tentam mascarar o caráter patriarcal do vírus com explicações biológicas.

Segundo eles, a diferença de concentração de receptores da enzima ECA2 (que também são machistas) tem papel fundamental como uma espécie de porta de entrada para as doenças covid-19, sars e mers, causadas por coronavírus. Estudo do Centro Médico Universitário Groningen, na Holanda, mostram que o receptor da ECA2 é encontrado em concentrações mais elevadas nos homens. Entre as doenças causadas, a insuficiência cardíaca crônica é a principal delas.

O sistema imunológico feminino também foi apontado como causa entre a desigualdade entre homens e mulheres quando o assunto é morte pelo coronavírus. O estrogênio, hormônio sexual feminino, é o principal responsável por isso. Ele estimula o sistema imunológico e age mais rapidamente e de forma mais agressiva contra patógenos. A testosterona masculina, por outro lado, inibe as próprias defesas do corpo.

Virologistas, que tentam sustentar a tese de que mulheres e homens são diferentes, defendem o fato de que o sistema imunológico das mulheres reage de forma mais efetiva às infecções virais do que o dos homens. Uma nítida e descarada teoria baseada na sociedade patriarcal que impõe diferenças entre homens e mulheres.

Tratar mulheres e homens de forma diferente é machismo e misoginia em qualquer situação. Ciência, cientistas, estudos, Covid-19, sistema ideológico masculino e sistema ideológico feminino: machistas e racistas não passarão! Igualdade já!

Por conta da destruição causada por Paulo Freire e pelo Ministério da Educação nos últimos 90 anos, se faz necessário frisar que este texto é um ironia e uma galhofa.

Por conta da destruição causada por Paulo Freire e pelo Ministério da Educação nos últimos 90 anos, se faz necessário que ironia e galhofa são formar de tripudiar de algo ou alguém.  

Em suma: esse texto foi “zueira” e demonstra como pegar números frios e sempre desprezar questões biológicas é coisa de débil mental.