Obcecado por indicações ao TRE-MA, advogado armou conspirações cinematográficas para impugnar adversários e tapear autoridades.

Tramita no Superior Tribunal Eleitoral ação que coloca o advogado Charles Dias como protagonista do que pode ser o maior escândalo envolvendo a escolha de um desembargador eleitoral maranhense que se tem notícia nos últimos tempos.

Acusado forjar uma impugnação contra colegas e contra si mesmo em 2018, Dias também é retratado como uma pessoa disposta a tudo na tentativa de ser nomeado para vaga no Tribunal Regional Eleitoral, em 2020.

De acordo com denúncia que tramita contra Dias no TSE, em 2018, ele se associou a uma advogada recém formada na confecção de um pedido de impugnação contra um dos outros dois membros da lista tríplice que seria enviada ao então Presidente da República Michel Temer. Charles Dias fazia parte da lista e tentava sabotar o adversário. Pior, Charles ainda entrou em contato com o alvo do pedido de impugnação para “solidarizar-se” por ele,
depois do protocolo da petição encomendada pelo próprio Dias.

A ação contra Charles Dias traz inclusive prints das conversas e mensagens registradas em cartório. Mentor intelectual da denúncia, o advogado se mostra solidário na conversa com o denunciado e finge não saber do que acontecia.
O fingimento e a conspiração são comprovados por declaração escrita de punho e registrada em cartório pela advogada subscritora. Ela confessa ter sido Charles Dias o autor intelectual do pedido de impugnação.

Antes das provas tornarem-se públicas, Charles Dias afirmou em juízo que a denúncia de seu envolvimento com o caso era falsa. Faltou com a verdade no tribunal da mesma forma que mentiu no whatsapp, segundo a denúncia que tramita no TSE.

Apesar de todo o esforço de Dias, o principal alvo de sua conspiração acabou sendo nomeado por Michel Temer para o cargo.

Em 2020, mais uma vez, Charles Dias figura entre os indicados da lista tríplice formada pelo TJMA. E, mais uma vez, sua obsessão o leva ao uso de práticas questionáveis para obter a cadeira de desembargador eleitoral, custe o que custar.

Tentando confundir o presidente Jair Bolsonaro, Charles começou a atacar o governador Flávio Dino e os membros do Supremo Tribunal Federal em suas redes sociais, como se um voraz militante da extrema direita brasileira.

A postura era inexistente antes de Dias integrar tal lista e Bolsonaro ser responsável pela escolha, o que leva a crer que a mudança de comportamento é teatral.

Hoje Charles Dias enfrenta uma ação que pede sua retirada da lista por conta de suas conspirações para ser juiz do TRE-MA. Com a palavra, o Superior Tribunal Eleitoral e depois o Presidente da República.