Governo comunista espalha fake news sobre protocolo. Apenas pacientes em estado muito grave, quando risco de morte já era muito provável, recebiam medicamente. Aplicação ainda na 1ª fase da doença foi por pressão.

Trata-se de um verdadeira vitória da classe médica o recuo do governo Flávio Dino (PCdoB) e a confirmação de que, agora, já se utiliza na rede estadual de saúde do Maranhão o protocolo de tratamento da Covid-19 com a prescrição de hidroxicloroquina e azitromicina (além de vitaminas) logo na chamada 1ª fase da doença.

Antes, só recebiam o remédio – comumente utilizado contra malária, lúpus e artrite reumatoide -, os pacientes infectados pelo novo coronavírus que estivessem em estado grave.

Novas pesquisas ao redor do mundo, no entanto, apontaram que o ideal era a administração do coquetel nos primeiros dias de infecção.

Foi com essa informação que entidades médicas maranhenses encaminharam documentos ao governador no fim da semana passada.

O comunista ainda chegou a desdenhar dos profissionais de saúde, anunciando, em artigo, que havia recebido “estranhos documentos” e dando a entender que não procederia à mudança do protocolo.

Mas mudou…

Por pressão, mas mudou.