Ex-ministro afirmava que saúde entraria em colpaso e, ao mesmo tempo, garantiu que pessoas com sintomas teriam atendimento agilizado. Nenhuma aconteceu.

Em 20 de março o ex-ministro Luiz Henrique Mandeta, tido por muitos cmo um técnico de capacidade inquestionável, o sistema de saúde do Brasil deveria entrar em colapso nesta semana.

As “previsões” foram dadas em videoconferência da qual participaram o presidente Jair Bolsonaro e representantes de associações empresariais brasileiras hoje

“No final de abril sistema entra em colapso. O colapso é quando você pode ter o dinheiro, o plano de saúde, a ordem judicial, mas não há o sistema para entrar”, afirmou o ministro.

A estimativa do ex-ministro era de que haveria um crescimento exponencial dos casos do Covid-19 entre 20 e 30 de março, fenômeno que não aconteceu.

O ministro também afirmou que um plano estava pronto para agilizar o atendimento nos locais com transmissão comunitária (São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Porto Alegre, Belo Horizonte e Santa Catarina). As pessoas com sintomas do novo coronavírus teriam atendimento agilizado, seriam colocadas em isolamento por 14 dias assim como familiares e todos os idosos acima de 60 anos.

A cada dia que passa fica mais evidenciado o acerto de Jair Bolsonaro ao demitir ex-ministro